Como avaliar se o relacionamento caiu na rotina

Pequenos ajustes que dão grandes resultados no amor e no sexo

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 22/09/2011 em

Máxima

um conteúdo de

Como avaliar se o relacionamento caiu na rotina
Marcela Sanguini

Pequenas mudanças para o relacionamento não cair na rotina
Foto: Getty Images

Se os momentos prazerosos com o amado não fazem parte do seu dia a dia, está na hora de repensar a rotina! Responda ao teste e avalie se você e ele precisam tornar as carícias e os planos a dois mais intensos. Quando foi a última vez que vocês...

... andaram de mãos dadas?
Gestos de atenção e demonstrações de carinho com toque - mãos dadas, beijo na boca, massagem - devem fazer parte do dia a dia do casal. Dar presentes de vez em quando também. Se as carícias não são frequentes, o homem e a mulher, aos poucos, vão se afastando e, quanto mais o tempo passa, maior é a dificuldade de o casal se reaproximar física e emocionalmente.

... saíram para jantar?
O casal deve sempre fazer dois tipos de investimento: nos interesses próprios e nos conjugais. É necessário que os dois façam programas juntos, saiam com amigos, viajem nos fins de semana, enfim, tenham momentos a dois. A ideia é fugir da rotina de trabalho e de obrigações domésticas, que atrapalham o relacionamento e escondem o lado divertido e descontraído do parceiro.

... tiveram uma disputa amigável?
É mais preocupante um casal que não briga ou nunca compete do que parceiros que fazem isso constantemente. É preciso saber lidar com as diferenças e negociar acordos. Os confrontos amigáveis são excelentes oportunidades para o homem e a mulher aprenderem a lidar com essas diversidades e até com a disputa pelo poder, presente em todo relacionamento. Dessa forma, cada um revela seus pontos fortes e fracos e passa a dividir o poder, assumindo o comando nas áreas em que se mostra mais competente.

... realmente riram na cama?
Na cama, ou fora dela, é muito importante o casal ter a capacidade ou o hábito de se divertir junto. As mulheres, sobretudo, gostam de homens que as façam rir. O que ajuda o casal a se dar bem, além das afinidades e das habilidades de enfrentar situações adversas, é o bom humor, o companheirismo e o diálogo saudável. O alto-astral incrementa a intimidade. Não é um ingrediente necessário em toda relação, nem precisa ser muito frequente, mas, de vez em quando, é ele quem tempera o sexo.

... tiveram uma relação sexual?
Quando as obrigações do cotidiano se tornam mais importantes que o sexo, a vida entre os lençóis é prejudicada, não tem jeito. Principalmente quando os filhos são pequenos, o sexo entra na categoria das obrigações e vira um dever a ser cumprido. Pode acontecer também de o casal não ter uma boa sintonia sexual e o prazer acaba sendo insatisfatório. Repetidas experiências negativas e frustrantes acabam fazendo a pessoa evitar o “rala e rola”, o que provoca um distanciamento. Uma conversa franca e cuidadosa pode ajudar o casal a redescobrir
o prazer tão importante para o relacionamento.

... fizeram planos financeiros juntos?
Falar de dinheiro é necessário, pois além das metas conjugais existem as individuais. No entanto, não se deve conversar de finanças o tempo todo - nem deixar de comentar. Que tal combinar um horário para tocar no assunto e outro para encerrá-lo? Abordem os pontos mais importantes e terminem a conversa no prazo estipulado, ainda que não tenham chegado a uma conclusão. O papo pode ser retomado em outro momento.

... disseram "Eu amo você porque..."
A menos que o seu marido ou namorado possua poderes telepáticos, ele não tem como saber se você não disser que o ama! O que retemos do outro é o que os nossos sentidos (visão, audição, olfato, tato, paladar) percebem. É importante que tudo seja dito: elogios, encorajamento, desejos, declarações de amor... A comunicação deve ser clara e com as palavras certas. Quando expomos os sentimentos de maneira correta, aumentamos as chances de a mensagem chegar ao parceiro o mais próximo possível da intenção real.