Etiqueta sexual para o primeiro encontro

Pega bem fazer sexo oral logo na primeira transa? E quando levar um vibrador ou falar da camisinha? Nosso guia revela o que fazer e quando

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 25/06/2012 em

NOVA

um conteúdo de

Etiqueta sexual para o primeiro encontro
Reportagem: Giovana Lombardi - Edição: MdeMulher

NOVA preparou um guia de etiqueta sexual
Foto: Getty Images

Você fica com um gato num barzinho e, no dia seguinte, ele liga querendo marcar um novo encontro. Sua cabeça vai a mil: "Se as coisas esquentarem, devo ir para a cama ou vou parecer fácil? Falo da camisinha? Quando posso reservar um quarto para nós naquela pousada linda?".

Você não é a única a criar expectativas e ficar tentada a pisar no acelerador quando um relacionamento aponta na reta. Essa vontade de viver logo a nova paixão é normal. Mas vale tomar cuidado para a ansiedade não atrapalhar. Tempo, nesse caso, é tudo. É bom conviver com esse homem antes de querer realizar todos os seus desejos. O Manual NOVA de Etiqueta Sexual para Primeiros Encontros vai ajudar você a não cometer embaraços.

Muita calma nessa hora

No primeiro encontro, os amassos no carro fazem você perder a razão e imaginar detalhes da primeira transa. Como se não bastasse, no segundo encontro decidiram assumir o namoro. Parece que o Universo está conspirando para vocês se entregarem de corpo e alma. Calma lá. Assim como não é de bom tom atacar a mesa de doces de um casamento antes do jantar, a etiqueta sexual sugere deixar o sexo para depois de se conhecerem melhor.

E, se não vai para a cama com ele, aquela viagem a dois também deve ser adiada. Nos primeiros encontros, vale a pena investir em beijos e amassos, porque revelam a sintonia com seu homem. "Você testa a química e checa se o seu coração bate forte antes de se entregar totalmente", explica Carla Cecarello, sexóloga e coordenadora do projeto paulistano Ambsex. Além disso, curtir esse desejo aumenta a conexão entre vocês. O limite de ousadia das carícias? Não há um padrão. A espontaneidade será o seu guia. Então, se sentir vontade de massagear o menino dele, vá em frente. Sexo oral? Há mulheres que precisam de mais intimidade para isso do que para a penetração, e o moço deve respeitar.

Paralelamente a esse festival de estímulos, pega bem mostrar que faz questão de se proteger. "Falar de DSTs mostra maturidade e autoestima. Esse assunto não é nenhum bicho-de-sete-cabeças e o ideal é abordá-lo com tranquilidade", fala a sexóloga. Como entrar no tema sem parecer indelicada? Da forma mais despretensiosa possível. Quando estiverem num barzinho, lance: "Posso bancar a curiosa? Você concorda com os caras que dizem que transar com camisinha é igual a chupar bala com papel?" A resposta dele pode ser a deixa para comentar a importância do preservativo. Vale brincar: "E tem com tantos sabores..." Uma vez que tocou no assunto, passou o seu recado.