Sexo anal, por que não?

Dolorido, imoral, sujo... Se, quando o assunto é sexo anal, você tem dezenas de preconceitos, é hora de ler esta matéria

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 07/11/2008 em

Viva! Mais

um conteúdo de

Sexo anal, por que não?
Paula Aftimus

Vença o preconceito em nome de um novo prazer!
Foto: VM

Psicológico

Medo de quê? A não ser que sofra de hemorróidas e esteja no meio de uma crise ou tenha qualquer outro problema que, já disse o médico, a impeça de praticar, não há mal algum no sexo anal. É bem verdade, você pode não sentir prazer (muitas mulheres não gostam), mas a simples predisposição a experimentar abre novas perspectivas em sua vida sexual. ?Quando existe desejo, vontade e decisão, não dói?, afirma Aretusa Von de Menezes, autora de "10 Mandamentos para a Felicidade Sexual da Mulher", livro publicado pela Editora Jaboticaba.

Aquecimento

Comece sozinha, durante o banho, acariciando a região com movimentos circulares e delicados. Explore. Não tenha medo ou vergonha. Como você se sente? Quando o ânus tiver perdido parte de seu caráter ?proibido?, que tal convidar o parceiro para participar? Permeie as carícias com muitos beijos, abraços e palavras de carinho. Peça para que ele toque seu ânus, depois introduza um dedo, dois... Até a hora em que você se sentir à vontade para a penetração. Uma dica é atingir o clímax com a penetração vaginal para só depois, mais relaxada, partir para o sexo anal. Afinal, o objetivo é que você fique muito, muito excitada.

E o parceiro?

Não há sexo anal bem-sucedido para a mulher sem um parceiro carinhoso e paciente. Ele precisa saber, por exemplo, que a área não comporta um pênis médio, ereto, inteiro. Outro ponto importante diz respeito à velocidade: ?Ele deve penetrar muito vagarosamente, parar por alguns segundos e então continuar?, ensinam os americanos Dan Andreson e Maggie Berman no livro "Dicas de Sexo para Mulheres por um Homem Gay", da Editora Jaboticaba. Caso ele também seja um principiante, tente você mesma controlar o vai-e-vem.