(none)

Falta de desejo sexual tem solução

Noite fria, edredom e um companheiro perfeito: a combinação propícia para incendiar os lençóis. Se, para você, a única vontade é virar para o lado e dormir, calma: a ciência traz novidades que prometem reacender a libido

Publicado em 14/09/2013

Reportagem: Adriana Toledo

Pimenta congelada

As mulheres não têm botão de liga e desliga. Na hora do prazer na cama, a combinação de alguns detalhes faz toda a diferença. "No pacote pró-sexo, entram autoestima elevada, mente tranquila e bom conhecimento do próprio corpo", enumera o psiquiatra e professor de psicologia Alexandre Saadeh, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Sem contar uma enxurrada de hormônios e de outras substâncias químicas. Além, é claro, de um parceiro dedicado, que esteja disposto a estimular pontos estratégicos. 
 

Hormônios em baixa

Em outras palavras, vários fatores, psicológicos e orgânicos, servem de combustível para acender a vontade de transar na mulher. "Os hormônios femininos, como o estrogênio, e os masculinos, como a testosterona, têm um papel preponderante para que isso ocorra", afirma a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade do Hospital das Clínicas de São Paulo. "Sim, as mulheres também produzem testosterona nos ovários e nas glândulas suprarrenais", continua o ginecologista especialista em sexualidade humana Aurélio Molina, da Universidade de Pernambuco. "Quando seus níveis se encontram muito baixos, costumam acontecer alterações na libido." 
 

Você não está sozinha

Não é tarefa simples indicar um tratamento quando essa intrincada rede por trás da vontade feminina enfrenta temperaturas siberianas. Trata-se do que os especialistas chamam de desejo hipoativo, um problema mais comum do que se imagina. Só para ter uma ideia, uma pesquisa realizada com 749 mulheres na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, revela que o desinteresse sexual acometia 33,2% das entrevistadas e a dificuldade de lubrificação, 21,5%. Felizmente, os cientistas estão próximos de soluções para que o termômetro do sexo volte a sinalizar somente tempo quente em quem passa por esse tipo de problema. 
 

Soluções

Uma das alternativas é o flibanserin, droga desenvolvida pelo laboratório alemão Boehringer Ingelhein. Ela poderá ser a primeira pílula capaz de estimular o apetite sexual feminino. Sem previsão de lançamento, a Boehringer não tem ainda resultados definitivos sobre a molécula. "Ela modula a disponibilidade de serotonina", explica Sonia Dainesi, diretora da filial brasileira da empresa. "Essa modulação do neurotransmissor encarregado de promover bem-estar leva a um aumento de dopamina, substância fundamental para instigar o interesse em transar." 
 
Diferentemente das pílulas masculinas que agem quase na mesma hora, o flibanserin levaria de seis a oito semanas para produzir efeitos. A droga começou a ser estudada pelos cientistas alemães nos anos 1990 com a promessa de ser um antidepressivo para fazer face à fluoxetina e similares. E, para surpresa geral, o flibanserin mandou as mulheres para a cama  para uma boa transa, bem entendido.
 

A inimiga do tesão

A depressão, vale ressaltar, está por trás de 40% dos casos de libido abaixo de zero, segundo uma pesquisa do Hospital das Clínicas de São Paulo. As oscilações do estrogênio durante o ciclo menstrual têm participação nessa gangorra do humor. E algumas integrantes da ala feminina são mais sensíveis à queda de suas taxas após a ovulação. Esse fenômeno derruba a concentração de serotonina. Aí, bate aquela tristeza e a atração pelo parceiro torna-se uma lembrança do passado. A fase crítica vem à tona na menopausa, quando os ovários encerram de vez a fabricação de estrogênio. "Então, a depressão geralmente dá as caras e arrasa com a libido", avisa a psicóloga Carolina Fernandes, do Instituto Paulista de Sexualidade. 
 
Os dilemas psicológicos muitas vezes interferem à beça na disposição para a transa. "Diante de estresse, ansiedade e baixa autoestima, o desejo sai de cena", confirma Alexandre Saadeh. Aqui, a psicoterapia comportamental pode ser a saída. "Ela incentiva a pessoa a conhecer o próprio corpo e a refletir sobre seus conflitos e inseguranças", afirma o psiquiatra Aderbal Vieira Júnior, da Universidade Federal de São Paulo. Ninguém está condenado a uma vida sexual morna. Se o fogo apagou, o primeiro passo é procurar um ginecologista para checar se está tudo ok com a saúde física. Talvez seja o caso de mudar o contraceptivo. Uma coisa é certa: os recursos disponíveis hoje reaquecem o clima debaixo do edredom.

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

What beautiful photos incorporating the animals and jewelry! cheap ray bans http://www.alexandraknight.co.uk - 29/03/2014 13:21:57

23 JUL GERENTE DE CONTROLADORIA SP Blog ClubALL nike air max kopen http://www.biotica.be/ - 09/03/2014 19:27:42

Innovative watch Publication Discloses Ways To Rule The watch World cheap ray bans uk http://www.morebooze.co.uk - 09/03/2014 10:14:52

¿¿¿ ¿¿¿ I gone to tell my little brother, that he should also pay a quick visit this weblog on regular basis to take updated from newest information. nike free bestellen http://www.creampad.nl/ - 07/03/2014 02:01:42

<b>Mara</b> - Estou casada ha 9 meses e a vida eh tão corrida e dificil que não tenho vontade de fazer sexo, qndo namoravamos era tdo q eu mais gostava. O que faço agora que não tenho mais vontade nenhuma de ter relação? existi algo remedio? - 05/03/2014 10:12:47

Below, check out 11 celebrities you may not have known were born in Hawaii. Nicole Kidman certainly threw us for a loop. Nike Shox Women Clearance Sale http://shoxforsale.iwopop.com - 11/02/2014 07:48:04

Veja todos os comentários

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.