11 questões sobre drenagem linfática na gravidez e no pós-parto

Massagem ajuda na redução do inchaço e também na diminuição das medidas. Seus efeitos podem igualmente beneficiar as futuras mamães durante a gestação e após o nascimento do bebê.

Escrito por

Ana Júlia Agostinho (colaboradora)

Atualizado em 26/05/2015 em

Bebê
Drenagem na gravidez e no pós-parto
nensuria/Thinkstock/Getty Images

 

1. A drenagem linfática ajuda a reduzir o inchaço na gravidez?
Sim. A drenagem linfática é uma técnica que, por meio da massagem, direciona o excesso de líquidos para os gânglios linfáticos. Dessa maneira, esse excesso é mais facilmente eliminado do organismo - muitas vezes, pela urina. Durante a gravidez, ocorre o aumento na produção hormonal. Isso leva, entre outras coisas, a uma tendência maior na reabsorção do sódio e uma consequente retenção hídrica, que se traduz em inchaço.
 
2. Qualquer gestante pode fazer?
Não. A drenagem linfática não é recomendada para grávidas que tenham hipertensão não controlada, insuficiência renal, trombose venosa profunda ou qualquer doença relacionada ao sistema linfático. Quem não apresenta esses problemas está liberada. Em geral, a massagem é mais recomendada a partir do terceiro mês de gestação.
 
3. É preciso ter o aval do obstetra?
Sim. O aval dele é fundamental para começar as sessões de drenagem. Somente com essa autorização, o fisioterapeuta pode aplicar a massagem. Dica: peça a indicação ao seu obstetra de clínicas e profissionais confiáveis para aplicar a drenagem linfática.
 
4 . O feto não corre nenhum perigo?
Não. A drenagem linfática ativa apenas os sistemas linfático e venoso. Os fisioterapeutas não mexem no bebê e nem nas regiões próxima a ele.
 
5. A grávida deve ficar em que posição para que a massagem seja segura?
Há duas posições na drenagem linfática em gestantes: de barriga para cima ou deitada de lado. Essas são as mais comuns e seguras. No entanto, é sempre bom falar com a fisioterapeuta caso você não se sinta confortável em uma dessas posições.
 
6. Quais os benefícios dessa massagem para a grávida e a periodicidade recomendável?
A drenagem linfática ativa as circulações venosas e linfáticas e, assim, reduz a retenção de líquido e diminui o inchaço. De quebra, a massagem também relaxa, alivia a tensão e as dores musculares. Sobre a periodicidade, o ideal é combinar isso com seu obstetra. De modo geral, o recomendável é fazer até duas sessões por semana.
 
7. É verdade que a drenagem diminui a celulite e as estrias?
A drenagem ajuda na diminuição da celulite. Já para as estrias, não é tão indicada. Como a celulite é uma inflamação na célula causada pelo acúmulo de gordura, ela pode ser eliminada ou reduzida por meio da drenagem. Os movimentos circulares melhoram o aspecto de furinhos. No entanto, ela não elimina as estrias, pois a massagem trabalha apenas com os sistemas linfático e venoso. Como a estria aparece por causa do rompimento das fibras elásticas na pele, é preciso procurar um tratamento mais indicado.
 
8. A drenagem ajuda a reduzir o inchaço depois do parto?
Sim. Como a drenagem é uma técnica que ajuda na eliminação das toxinas e excesso de líquidos, o inchaço diminui.
 
9. Quanto tempo depois do parto a mulher pode fazê-la?
Na maioria das vezes, os obstetras liberam logo após o parto. É importante checar com o seu médico se ele autoriza ou não a massagem nessa fase.
 
10. É verdade que a drenagem ajuda a mulher a emagrecer?
Não. A drenagem não emagrece. Ela apenas ajuda na redução de medidas decorrentes do acúmulo de líquidos.
 
11. Mesmo quem fez cesárea pode fazer drenagem?
Sim. Desde que o médico tenha dado o aval. Em alguns casos, o obstetra espera a completa cicatrização da cesárea, o que pode demorar até um mês.

 

Fontes: 

Fisioterapeuta Cristina Terumi Koga; fisioterapeuta Tatiana Abreu, da Fisio & Run; dermatologista Luciane Scattone; obstetra Márcia Tabacow.