nao

Deixei de ser boazinha e virei mulher poderosa!

Veja como um livro me ensinou a ser irresistível e a conquistar um homem que me valoriza

Publicado em 05/07/2010

Lígia Scalise

Conteúdo SOU MAIS EU!
Destaque da Matéria


Foto: Arquivo Sou Mais Eu

Já quebrei muito a cara por ser boazinha, por me doar demais à relação e por esquecer meu próprio valor. Foi difícil e dolorido ter que mudar. Mas aprendi a ser segura e a querer do meu lado só quem me faz bem. O livro Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas? me ajudou nessa empreitada e me fez enxergar a mulher incrível que existe dentro de mim. Veja como se tornar poderosa também!

1ª lição
Não se anule por ele
 

A mulher boazinha que existe em mim veio à tona quando me envolvi loucamente com um
rapaz pela internet, aos 19 anos, em 2004. Nos apaixonamos e eu queria estar sempre ao lado dele. Como ele tinha uma carreira estável em Belo Horizonte e meu pai morava lá, me ofereci para sair do Rio de Janeiro e ir viver esse amor. Mudei de endereço, de rotina, de vida e de amigos, sem pensar duas vezes. Porém, em poucos meses percebi que eu me dedicava muito mais do que ele ao relacionamento. 

Também deixei de sair e de cuidar dos meus interesses para ficar com ele. O resultado desse desequilíbrio eram brigas e muita mágoa dos dois lados. Nessas horas, eu me sentia em desvantagem. Afinal, tinha largado tudo por esse amor. Como ele era a minha vida, eu vivia aterrorizada pelo medo de perdê-lo e tinha muita dificuldade de dizer não.
Passava dos meus próprios limites para agradá-lo. Isso me esgotou. Depois de tentar de tudo por mais de um ano, me agarrei ao pouco amor próprio que ainda me restava e terminei a relação. Foi triste e difícil enxergar que eu gostava mais dele do que de mim. Esse era o problema do nosso relacionamento. Mas eu sabia que tinha potencial para ser feliz. Então, enfrentei meus medos, voltei para o Rio de Janeiro e recomecei do zero. 

2ª lição
Valorize-se para ser valorizada

O tempo e a distância me ajudaram a esquecer aquele primeiro amor avassalador. Já me sentia segura e feliz quando ele me procurou de novo, em 2008, três anos depois de eu ter voltado para o Rio. Voltamos a nos falar, mas deixei bem claro que não iria mais abrir mão da minha vida por ele. E mais: se ele me quisesse ao seu lado, teria que fazer esforços por mim, como vir até a minha cidade. Só assim consegui mostrar a ele que eu tinha valor. Quando me valorizei, fui valorizada. Ele admirava a mulher segura que eu tinha me tornado. Quanto mais eu fugia dele, mais ele se dizia apaixonado. 

Tentamos reatar o namoro, relembrar os bons momentos. Pensamos até em casamento, mas era tarde demais. No fundo, eu não sentia o mesmo amor por ele nem estava disposta a reconstruir essa história. Me sentia independente, forte. E optei por seguir meu caminho sem ele. Foi uma decisão madura. Terminamos em agosto de 2009. 

3ª lição
Mulher madura atrai amor maduro 

Conheci o livro Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas? em janeiro deste ano. Já tinha superado aquele relacionamento fracassado, mas, ainda assim, não enxergava com toda clareza os erros que cometi no passado. Só com o livro percebi a incrível diferença entre ser boazinha e ser poderosa. 

A autora Sherry Argov explica: ''A poderosa não é uma mulher arrogante, cheia de si e orgulhosa, mas é aquela que se valoriza. Que pode amar muito alguém, mas que se ama em primeiro lugar''. Simples, né? Tinha tudo a ver com a minha nova fase. Esse livro virou item obrigatório na minha cabeceira. Desde que comecei a praticar as dicas que encontrei nele, sinto os resultados. O mais palpável é o (saudável) relacionamento que tenho com o João Carlos, meu namorado há quatro meses. 

4ª e última lição
Conduza a relação para o que lhe faz bem

Hoje vivo um dia por vez, sem criar grandes expectativas ou depositar no outro a responsabilidade pela minha felicidade. Meu namoro atual é maduro e isso me dá tranquilidade para fazer planos a dois. Somos amigos, amantes e confidentes. Encontramos o equilíbrio entre os momentos em que estamos juntos e o tempo de cada um a sós. Ele me faz ir atrás dos meus objetivos. É essa a diferença: ao lado dele, sou a mulher que eu gostaria de ser, tenho a liberdade para ser eu mesma. 

Minhas atitudes também mudaram muito. Eu só sei da vida dele o que ele me conta. Não fuço em nada nem me preocupo com besteiras. Sou segura e acredito em uma relação saudável. E se um dia ele quiser terminar, é um direito dele. Não tenho medo. Confio no nosso sentimento e, modestamente, no meu taco!

Nesta matéria