(none)

O que os seres humanos podem aprender com os animais

Reconhecer que somos grandes primatas é o primeiro passo para entender a origem de nosso comportamento

Atualizado em 18/10/2011

Rodrigo Cavalcante - Edição: MdeMulher

macaco

Somos bem mais parecidos com os primatas do que costumamos admitir
Foto: Dreamstime

Não há como negar que nós, seres humanos, estamos acostumados a nos vermos como uma espécie à parte do mundo animal. Quando pessoas cometem genocídios, nós as chamamos de animais, mas quando fazem caridade, nós as elogiamos por serem humanas, lembra o biólogo holandês Frans de Waal no livro "Eu, Primata", um estudo que compara o comportamento de chimpanzés e bonobos (espécie semelhante ao chimpanzé) ao nosso comportamento.

Após anos de observação dos nossos parentes mais próximos na evolução (os chimpanzés compartilham conosco 98,6% dos genes), De Waal e uma série de outros pesquisadores estão derrubando as fronteiras que colocavam a espécie humana totalmente à parte de seus primos.

Não se trata de defender que seres humanos, chimpanzés, orangotangos, gorilas e outros primatas são iguais. Eles não são. Mas de reconhecer o que os especialistas sabem há muito tempo: somos bem mais parecidos com eles do que costumamos admitir e vice-versa.

Assim como nós, os grandes primatas têm autoconsciência, cultura própria, ferramentas e habilidades políticas. Ao identificar em outras espécies traços que eram considerados exclusivos dos seres humanos, a forma como encaramos nossas próprias emoções e comportamento deve mudar nas próximas décadas. Mas como?
 

Desejo de poder


Desde o século 4 a.C., Aristóteles já havia definido o homem como um animal político. Quando foi estudar os chimpanzés na Tanzânia, na década de 1960, a americana Jane Goodall fez uma descoberta fascinante: as coalizões e disputas entre os machos de um mesmo grupo eram cheias de lances típicos de parlamentares no Congresso.

Goodall percebeu que a força bruta não era suficiente para que os machos dominantes preservassem seu poder. Para isso, eles tinham que fazer alianças e conchavos, como qualquer candidato à promoção em uma empresa ou a um cargo político.

Sexo por prazer


Se você acha que o homem é o único animal capaz de fazer sexo como forma de aliviar um dia estressante, você precisa conhecer os bonobos. Enquanto os chimpanzés são liderados por machos, os bonobos são dominados por fêmeas. Eles não só fazem sexo em uma infinidade de posições, mas também em praticamente todas as combinações de parceiro, afirma Frans de Waal. Eles refutam a ideia de que sexo se destina unicamente à procriação.

Ao contrário dos bonobos, ainda há muita gente em nossa espécie que insiste em tratar o desejo sexual como uma espécie de desvio ou perversão. O fato é que, assim como os bonobos, temos apetite sexual além daquele necessário para fecundar um óvulo de vez em quando, afirma Frans de Waal. Isso não significa, contudo, que seguimos o mesmo padrão sexual dessa espécie.

Ainda assim, a diversidade sexual dos bonobos seria uma lembrança constante de que não somos os únicos hedonistas sexuais entre os primatas. Assim como a luta pelo poder, a observação dos primatas tem nos ensinado que a busca do sexo por prazer é mais um traço da nossa natureza queiramos usá-la, ou não.

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.