A obra de Nietzsche: entre razão e instinto

A obra de Nietzsche é marcada pelo fatalismo da existência humana. Conheça as ideias de um dos maiores pensadores do século 20

Atualizado em 08/09/2011

Reportagem: José Francisco Botelho - Edição: MdeMulher

Nietzsche se inspirou as tragédias gregas para teorizar sobre a existência humana
Foto: Flavio Demarchi

Insatisfeito e provocador, o alemão Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844-1900) foi o maior enfant terrible da filosofia ocidental nos últimos dois séculos. Ele cortejou o escândalo, brincou com a loucura e amargou uma vida solitária e infeliz. Sua recompensa é o fascínio que continua exercendo sobre gerações de leitores mais de 100 anos após sua morte: pode-se discordar de suas opiniões, mas é impossível não se enredar em sua prosa vertiginosa. Escritor, poeta, músico e crítico da cultura, Nietzsche foi acima de tudo um pensador hiperbólico - em suas paixões, em seus rancores, em sua lucidez e em seu delírio.

É de sua lavra aquele mantra repetido pelo ateísmo moderno: "Deus morreu". A força original de seu pensamento é a revolta contra os exageros do racionalismo - sua controversa façanha foi a ideia de que a razão humana possa estabelecer verdades absolutas. Contra esse fundamentalismo do intelecto, Nietzsche propôs a madura aceitação do que exista de irracional no universo e em nós mesmos. Ele se inspirou na sabedoria das tragédias gregas para elaborar sua mistura de pessimismo e afirmação da vida, numa espécie de misticismo sem Deus, que vê na arte a única redenção possível para o ser humano.

Anticristo?

O autoproclamado Anticristo da filosofia veio ao mundo em uma família de tradição religiosa. Brigou com a família por sua perda de fé, tornou-se um erudito precoce e, com apenas 24 anos, virou professor de língua e literatura grega na Universidade de Basileia. Em 1870, começou a escrever sua primeira obra-prima: O Nascimento da Tragédia no Espírito da Música. Publicado em 1872, o livro é um fascinante mergulho no espírito da antiga civilização grega, em que a reflexão filosófica flerta com a poesia.

Para Nietzsche, a chave da sabedoria está em aceitar o lado selvagem e transitório da vida - o que não significa renunciar a ela. Esse perigoso equilíbrio entre o prazer de viver e o fatalismo existencial é regido, na filosofia de Nietzsche, por duas figuras opostas e complementares: os deuses Apolo e Dionísio, enfezados irmãos olímpicos, que entre socos e abraços regulam o estado de espírito da humanidade.

Na obra de Nietzsche, esses são dois impulsos que determinam a postura humana diante da vida em diferentes épocas e lugares. Na mitologia grega, Apolo é o deus da harmonia, da ordem, da civilização, recalcando o lado sombrio da existência. O apolíneo leva o homem a desafiar o cosmos desumano e a criar a mais doce das ilusões - a vida em civilização.

De tempos em tempos, contudo, o límpido reino de Apolo é invadido por seu irmão escandaloso e mal comportado. Deus da embriaguez, do êxtase e das emoções descontroladas, Dionísio é o símbolo da desmedida, do reencontro com a pulsão caótica da natureza. O dionisíaco quer rasgar o véu das ilusões e colocar-nos em contato com o verdadeiro fundamento da vida - o eterno ciclo de destruição e recriação do universo, regido por forças incompreensíveis, além do nosso entendimento. Dionísio traz a intuição de que todas as regras humanas, como a moralidade, são convenções, abrindo-nos um espaço que está "além do bem e do mal" - expressão que dá título a outra obra famosa de Nietzsche.

Perigos do intelecto

O "homem trágico", modelo de conduta para Nietzsche, é aquele que conhece os limites do entendimento humano e, contudo, não perde a libido pela vida. Para Nietzsche, essa difícil simetria foi rompida pelo triunfo do racionalismo, que ocorreu com a filosofia de Sócrates e Platão no século 4 a.C. Renunciando ao mistério, ele põe suas supostas verdades acima dos prazeres indecifráveis da arte e da vida.

Após O Nascimento da Tragédia, Nietzsche continuou sua cruzada contra a tirania racionalista em obras cada vez mais ácidas e mordazes. Sua verve explosiva acabou lhe arruinando a carreira acadêmica e afastou- o dos amigos. Sua saúde deteriorou-se e Nietzsche começou a perder a voz e a visão, deixando a vida universitária. Essa descida aos infernos completou- se aos 45 anos, quando a sombra da loucura, que sempre o havia rondado, atingiu-o de forma devastadora.

Cem anos após o ato final dessa tragédia, a obra de seu anti-herói continua fonte de perturbação e inspiração. Loucamente lúcido, ele continua a lançar-nos seu desafio: conseguiremos aceitar o estranho, o obscuro e o caótico em nós mesmos, sem cair no precipício? O próprio Nietzsche tropeçou em sua busca do ideal trágico: embora pregasse o equilíbrio entre Apolo e Dionísio, acabou resvalando para o lado da desmedida - prova disso é a megalomania de alguns de seus últimos escritos. Mas, apesar das polêmicas, Nietzsche foi um grande escritor e expressou como poucos a fragilidade heroica do homem em um mundo nem sempre acolhedor e raramente compreensível.

Para saber mais
O Nascimento da Tragédia, Friedrich Nietzsche
Nietzsche, Jean Granier, L&PM Pocket

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

etaejgwh pierre zippo http://www.jeuxselect.fr/9-animaux-zippo-briquets - 24/02/2014 22:46:51

Ho comprato un nuovo blog wordpress, ma non ha le statistiche del blog che mostra site visite su di esso. Il blog ha più di un milione di visite così ne ho bisogno. E stats blog sono sul mio altro blog wordpress in modo in cui è sul mio nuovo?. moncler ufficiale - 14/10/2013 16:40:02

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.