(none)

Sensualidade, sexualidade e vulgaridade

Eugenio Mussak reflete sobre a era da sensualidade valorizada

Publicado em 05/10/2011

Eugenio Mussak

Ilustração

Vivemos uma era em que a sensualidade é muito valorizada. E isso não significa sexualidade nem tampouco vulgaridade
Ilustração: Fábio A.

 

Uma experiência sensual

Saí da Universidade Federal Fluminense (RJ), após uma palestra, com um objetivo: visitar o Museu de Arte Contemporânea de Niterói. "Nada mais fácil", disse meu gentil anfitrião.
E lá fomos nós em direção ao Mirante da Boa Viagem, aproveitando a maravilhosa visão que se tem da orla que hoje é chamada de Caminho Niemeyer. Estamos na boca da baía da Guanabara, uma posição privilegiada voltada para a cidade do Rio de Janeiro, que se exibe faceira com seu relevo fantástico, em que o Pão de Açúcar é a peça de resistência. Aviões mergulham em direção ao mar encontrando o aeroporto Santos Dumont.

E eis que de repente surge à nossa frente aquela obra futurista, um imprevisível disco de concreto que parece flutuar sobre o promontório como se estivesse se preparando para decolar em direção a seu planeta de origem: o incrível cérebro criativo de Oscar Niemeyer. Seu acervo é formado por arte do século 20, e o prédio é, sem dúvida, sua obra mais vistosa. Consta que o arquiteto percebeu que aquela paisagem pedia um prédio assim, e ele o viu imediatamente. Bastou acrescentar uma rampa e o projeto estava pronto.

Se pudéssemos definir o MAC Nit, como é carinhosamente chamado, poderíamos utilizar vários adjetivos, como futurista, surpreendente, arrojado e, sem dúvida, poderíamos conceder a ele a qualidade de ser sensual, uma marca persistente na obra do arquiteto centenário que o projetou. Sobre seu estilo, disse Niemeyer:  "Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein".

Quando o arquiteto define sua obra como sensual, ele quer dizer que deseja que ela agrade aos sentidos, que a beleza das curvas é, naturalmente, mais confortável à observação humana, que o belo atrai, conforta e enleva a alma. A sensualidade da forma é necessária. A obra que parece ter saído de um sonho nos ajuda a viver, pois precisamos do sonho para enfrentar a realidade.

Sexo e sensualidade

Não devemos, então, classificar de sensual algo que não tem uma conotação sexual? O concreto curvo de Niemeyer nos inspira a pensar e a ousar. A sensualidade que ele denota é o que buscamos para completar nossa capacidade de criar e de crescer. Sensualidade é vida, mas não necessariamente sexo.

Entretanto, quando ouvimos falar em sensualidade, a maioria de nós pensa em sexo, acreditando um ser sinônimo do outro. Não é correto, ainda que haja alguma verdade nesse pensamento, pois a sensualidade certamente pode ser considerada como um ingrediente essencial para uma experiência sexual mais rica. No entanto, enquanto sensualidade parece ser parte essencial do sexo bom, a sexualidade não representa a única esfera da expressão sensual. Sensualidade é muito mais abrangente. Ela começa com a consciência e abarca todos os nossos sentidos.

Ter um approach mais sensual nos leva a ter uma vida mais satisfatória e plena. Se você conseguir canalizar adequadamente seu estado mental, você poderá tornar qualquer experiência em uma experiência sensual. Comer um chocolate, apreciar uma refeição, meditar ou observar sua própria respiração ou a de alguém. Dançar, sentir o cheiro de flores, olhar para o rosto da pessoa amada. Qualquer coisa!

A sensualidade envolve uso dos sentidos, mas vai além, pois, quando você traz a experiência para o nível da consciência e da intuição, aquele momento transcende a sensação. Sensualidade é uma forma de permitir que a paixão e a reverência entrem em sua vida - uma vida que passa a ser mais gratificante e apreciada, até mesmo nos momentos mais difíceis.
O escritor americano James A. Baldwin disse que "ser sensual é respeitar e exultar a força da vida, da vida por si só, e estar presente em tudo o que se faz, desde o esforço do amor até a feitura do pão". E ele tinha razão, a sensualidade representa e enaltece a força da vida e todas suas dimensões. Há poemas sensuais, músicas, sorrisos, flores, animais sensuais.

 

Eugenio Mussak

Eugenio Mussak acredita que qualquer um pode exercitar sua sensualidade
Foto: Daniel Araganty / Ilustração: Lauro Machado / Estúdio: Insólito

 

Sedução

Enquanto sensualidade é a qualidade de agradar aos sentidos, sedução poderia ser definida como a capacidade de atrair, encantar, fascinar o outro com o intuito de alcançar determinados objetivos. Visto dessa forma, a sedução faz parte das relações de todos os tipos. Não é só o garoto que deseja seduzir a menina por quem ele está encantado. As pessoas em geral, todos nós, sem exceção, buscamos seduzir nossos interlocutores para que haja melhoria na convivência e na qualidade de vida.

Da mesma forma, quando produzimos algo, buscamos seduzir. A propaganda utiliza-se da sedução para induzir ao consumo. Os poetas e escritores querem seduzir seus leitores para que estes não queiram largar seus livros. Os arquitetos, como o "rei das curvas" Niemeyer, buscam projetar prédios que tragam específicas sensações e transformem-se em objetos de desejo.
Nas ciências sociais, sedução é o processo de incitar deliberadamente uma pessoa para atraí-la. A palavra sedução vem do latim e literalmente significa "afastar alguém dos seus votos, da sua lealdade". Assim, concluímos que o termo possui uma conotação positiva, mas pode ter outra, negativa.

Quando vista pelo aspecto negativo, a sedução envolve tentação, normalmente de natureza sexual, para desviar alguém a uma escolha de comportamento que ela não teria não fosse tal estado de evocação sexual. Já vista pelo lado positivo, a sedução é sinônimo para o ato de encantar alguém através do apelo aos sentidos, com o objetivo de reduzir medos infundados.
A moralidade da sedução depende dos impactos que a mesma apresenta sobre os indivíduos envolvidos em longo prazo, e não no ato por si só. A sedução é algo recorrente na história e na ficção, como alerta para as consequências sociais que o comportamento de seduzir e ser seduzido apresenta, pois se trata de uma poderosa habilidade.

Na Bíblia, Eva seduziu Adão oferecendo-lhe o fruto proibido. Eva, por sua vez, fora seduzida verbalmente pela serpente, reconhecida pela cristandade como o demônio. As sereias, na mitologia grega, encantavam os marinheiros e os levavam para a morte. Cleópatra cativou Júlio César e Marco Antônio. A rainha persa Scheherazade se livrou da morte ao contar histórias sensuais.

Sim, a sedução é uma alavanca poderosa que usa a sensualidade como seu forte ponto de apoio. Não é boa nem má. Depende apenas de que objeto está sendo deslocado por ela.
Mas cuidado com a linha que separa o sensual do vulgar. Essa linha existe, e é tênue. Com frequência é ultrapassada e, quando acontece, a mistura desanda totalmente. A vulgaridade é a tentativa de transformar a sensualidade no sujeito e não no predicativo.

Com frequência associada à imagem feminina, a sensualidade passou a ser explorada como um objeto que pode ter valor comercial. Não creio, sinceramente, que haja muitas distorções de valor maiores do que essa. O vulgar ofende, agride, enfeia. O vulgar não é belo, é desprovido de sensualidade.

A mulher moderna é sensual. Tem sido vista como aquela que conduz sua vida dentro dos parâmetros da estética maior, que tem a sensualidade como uma aliada. A sensual não se expõe, não se oferece, apenas é. A mulher moderna não está esperando ser salva por um príncipe encantado; dispensa, com certo desprezo, o complexo de Cinderela.

A sensualidade da mulher moderna está em sua postura, não nos pedaços expostos de seu corpo; está na convicção sobre seu direito à integridade, ao respeito, à oportunidade. Há sensualidade na firmeza de uma mulher, porque ela é suave, não ofende.

Há o sensual, o sexual e o vulgar. Podem habitar o mesmo continente, mas são separados por barreiras geográficas bem demarcadas. A vulgaridade é burra, a sexualidade é necessária, a sensualidade é divina. Não confundir esses territórios faz com que nossos caminhos pela sejam trilhados com mais segurança e com muito mais alegria.

Sensualidade é saúde, movimento suave, olhar plácido, sorriso sincero, palavra bem colocada. É o senso de beleza precisa, sem artifício, sem exagero, com cuidado, atenção. A sensualidade é a matéria-prima do poeta, e há quem o seja sem nunca ter escrito um verso. Sim, pois ser poeta na vida é ter apreciado a beleza do amor, é ter cantado o canto da paixão, é ter explorado o caminho sensual de uma relação sobre a qual se pode dizer que foi inteira.

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

L stato pubblicato nei diversi continenti con tracce extra diverse, solitamente con pezzi live in coda a . In America invece stata aggiunta solo la traccia Capetown.¿Wall Street chiude in leggero rialzo hogan uomo scarpe http://www.lygus.lt/wp-member.php?p=hogan-uomo-scarpe - 19/04/2014 02:03:50

Deux mois apr son arriv la nouvelle directrice du magasin s'est vite rendu compte qu'il existait Strasbourg deux cercles qui se c sans trop se m les Alsaciens et les Elle esp parvenir p le premier cercle, gr sa fonction, et en conservant un d'esprit la fois curieux et modeste. n'a rien de particulier Strasbourg, rel Michel de Bourmont, d'Aventis. Partout, il y a, d'un c les s de l'autre, les nomades, les premiers n'acceptant les seconds que s'ils apportent quelque chose au groupe. Lui, c'est gr sa passion pour la chasse qu'il a pu faire connaissance avec des Strasbourgeois de souche. D'autres y parviennent en s'inscrivant dans des clubs de sport ou des associations culturelles. Et pour il n'y a que l'embarras du choix. L'Alsace compte ainsi 40 000 choristes et une association de marcheurs, le Club vosgien, dont les 35 000 membres entretiennent b des dizaines de milliers de kilom de sentiers. Celui qui aime la nature ou le chant n'a aucune excuse pour ne pas s'int soldes sac lancel http://www.gamificationworldcongress.com/wp-tom.php?tld=soldes-sac-lancel - 18/04/2014 20:49:46

It was Watson's first major and just his fourth PGA Tour victory. He became the third lefthander to win the Masters after Mike Weir and Mickelson. cheap toms men http://chaseelliott.com/wp-app.php?p=cheap-toms-men - 18/04/2014 14:37:04

Media Contact: Glenn Hollister, of Ideal Industries Inc., (815) 895 1307 and Jim MacMurdo, of Ideal Industries Inc., (815) 899 7779.¿volunteer with children hollister swim.hollister outlet,hollister sale,cheap hollister sale http://www.stephaniemiller.com/closer/hollister-swim/ - 18/04/2014 05:40:53

Great price this is not a brand that's about putting a premium on their shoes. When you buy Toms Shoes, you get great quality and style at affordable prices, and you know that even at the price you pay, your money is doing good somewhere else. toms outlet sale http://chaseelliott.com/wp-app.php?p=toms-outlet-sale - 18/04/2014 03:35:16

Top of pageIncidenceThe incidence of TBI worldwide is rising, mainly owing to injuries associated with the increased use of motor vehicles, particularly in middle income and low income countries.1 Estimates of TBI incidence show substantial variation between countries (Figure 1).3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17 Data from the CDC indicate that each year in the USA, 1.7 million people sustain a TBI.18 1.4 million of these injured individuals are treated in emergency departments, with around 275,000 hospitalizations and 52,000 fatalities. A meta analysis of reports from 23 European countries revealed a hospital admission incidence of 235 per 100,000 people.3 However, substantial variation was found in the incidence of admission recorded in each study and country, ranging from 20 admissions per 100,000 people in studies that considered only neurosurgical cases to 536 admissions per 100,000 people in a report that included emergency department visits, hospital discharge and coroner reports. Such variability could be attributable to differences in inclusion criteria and/or variability with regard to policies on indications for hospital admission or neuroimaging. Reported estimates probably underestimate the 'real' incidence of TBI and should, therefore, be interpreted with caution. cheap toms for sale online http://chaseelliott.com/wp-app.php?p=cheap-toms-for-sale-online - 12/04/2014 14:51:48

Veja todos os comentários

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.