16 nov

time dos solteiros

Um tiro no escuro: a primeira vez de um casal

Por Alex Xavier postado em 16/11/2011 às 20h39

Comentários (13)

Um tiro no escuro: a primeira vez de um casal

Foto: Photodisc

Recebo muitos e-mails de leitoras me perguntando o que se passa pela cabeça dos homens de suas vidas. Bem, meus poderes telepatas não funcionam muito bem à distancia e, em geral, posso dar apenas minha opinião esperando que isso as esclareça de alguma forma. Há, porém, um momento na relação no qual os machos pensam, praticamente, igual: durante a primeira transa do casal.

A mulher solteira se prepara para o sexo planejando o momento certo de dar cada passo. O roteiro inclui um determinado número de encontros antes de deixar a mão boba do rapaz passar da linha do Equador e outros tantos até abrir o mapa mundi inteiro. Claro que, em determinadas circunstâncias, improvisos são aceitos e etapas, puladas. Mas o planejamento ainda faz parte, porque, se tudo der certo, aquela será a primeira vez de muitas.

Já o homem solteiro é menos otimista e organizado. Não importa que tenha duas ou três amizades coloridas na gaveta. Ele não faz ideia de quando terá a oportunidade de ver uma garota nua na sua frente de novo. Até que se prove o contrário, aquela pode ser a última vez que fará sexo na vida. Em sua cabeça, uma guerra nuclear talvez comece no dia seguinte. Então vai agir como se estivesse pilhando um supermercado para suprir-se de mantimentos antes de esconder-se por décadas em um solitário abrigo debaixo da terra.

Em outras palavras, elas escondem as melhores cartas enquanto eles apostam todas as fichas em uma única jogada. Na primeira vez em que vai para a cama com o cara, a mulher prefere não mostrar tudo que sabe. Talvez ache sexo oral intimidade demais, vai guardar aquela posição mais reveladora para uma próxima ocasião e pensa em deixar que ele tome certas liberdades só quando ganhar sua confiança. É como na ginástica olímpica. Ela não corre logo para o duplo twist carpado. Prefere partir de uma pirueta com um grau de dificuldade menor, o suficiente para garantir sua classificação para a próxima fase.

O cara não pensa estar ainda nas eliminatórias. É final. De cara, mergulha na piscina como o Cesar Cielo nos 50 metros livre, sai estabanado da água para correr os 100 metros rasos igual o Usain Bolt e, no embalo, pega a vara para saltar acima dos 6,14 metros de altura e quebrar o recorde de Sergei Bubka. Eu não falei que o cara vai conseguir, mas a intenção é, com certeza, morrer tentando. A gente apresenta todos os nossos truques na primeira noite porque imaginamos que se trata de um único show.

Muitas vezes, é apenas sexo casual mesmo. No entanto, quando somos agraciados com uma segunda rodada, descobrimos que a tática kamikaze de antes foi um tanto precipitada. “Chutei o balde, o mundo não acabou, e agora?” O cara já deu o melhor dele e teme parecer repetitivo. Então, simplesmente, muda a ordem dos fatores. Se, da primeira vez, começamos por cima e fomos até embaixo, agora iniciamos pelos pés e fazemos o caminho inverso. Trabalhamos com as mesmas cartas. Apenas embaralhamos de novo.

Até virar algum tipo de relacionamento e o cara começar a ver sua performance mais como o conjunto da obra do que como apresentações pontuais. A verdade é que, mesmo quando a noitada vale repeteco, a primeira transa de um casal é marcada por trapalhadas. Mas é assim mesmo que eles vão se conhecer melhor e parar de pisar em ovos.

ADVERTÊNCIA: Tudo bem a mulher entregar o jogo aos poucos. Só tenha em mente que não há coringas nesse baralho. Se você fizer algo que ele gosta muito na cama, pode estar certa que ele sempre vai esperar repeteco. E com o mesmo padrão de qualidade.

Alex Xavier

Devo ter cara de bom moço. A maioria das mulheres que não quiseram nada comigo e até algumas que um dia quiseram não vêem problema em falar comigo sobre outros caras. E como tenho mais amigas do que recomendam os médicos, ouço muitas histórias. Só posso oferecer a minha visão prática masculina. Ou seja, se a ideia é apenas ter alguém que escute seu desabafo, bata no seu ombro e diga "eu entendo", procure uma mulher. Sou homem e dou minha opinião mesmo quando não solicitado.

amigomacho.nova@gmail.com

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.

Para ter seu próprio avatar no site é preciso se registrar no gravatar.com

Comentários (13) em "Um tiro no escuro: a primeira vez de um casal"

  1. Bella disse:

    Oi Alex, tudo bem? Mais uma vez, parabéns!!! As comparações são as melhores, bem isso msm rs Um beijo

  2. Juli disse:

    Se eu me sentir a vontade, eu faço tudo o que quiser e puder! Rs.
    Até que se prove o contrário, aquela pode ser a primeira e última vez que eu faça sexo com aquela pessoa. Então, aproveito ao máximo meu momento e me permito, sim, fazer tudo o que eu tiver afim. :)

    Bjos

  3. Alex Silva disse:

    Oi xará,
    Teve um trecho do seu texto que me chamou atenção: “O cara já deu o melhor dele e teme parecer repetitivo. Então, simplesmente, muda a ordem dos fatores. Se, da primeira vez, começamos por cima e fomos até embaixo, agora iniciamos pelos pés e fazemos o caminho inverso.”. Mulher, se você realmente acha que vamos com muita sede ao pote no segundo encontro ou pensa que só porque você nos deu uma brecha tomamos isso como “muita intimidade”, estão enganadas em parte, pois é isso que o Alex Xavier disse: “O cara já deu o melhor dele e teme parecer repetitivo.”.

    Não sei se expliquei direito o que tinha em mente, mas… É isso aí, xará. o/

  4. Adry disse:

    Oi Alex… Parabéns pelo blog… eu adoro ler suas matérias! Concordo com a Juli, se eu estiver a vontade faço tudo o que tiver afim… Não importa o que o cara irá pensar de mim no dia seguinte… aliás pense o que quiser pois Aprendi a Priorizar e Realizar todos os meus Desejos… Eu simplesmente AMO SEXO ORAL e não vou deixar de fazê-lo só pq é o meu primeiro encontro com o cara… Eu não ficaria satisfeita com a transa e com certeza ele tbm não!!! Bjão… sucesso!!

  5. Eu acho engraçado porque ouço inclusive comentários entre as amigas, que garantem abrir mão de certas posições ou certas práticas por medo de ficar mal faladas. Confesso que nesse aspecto sou uma mulher que se difere da grande maioria, e por ter uma tendência pessimista e achar que aquela vez pode ser a primeira e única, curto ao máximo. Portanto me concentro em obter prazer e dar prazer. Transo como se fosse morrer amanhã, e bem considero isso uma qualidade.
    Algumas mulheres se prendem demais, não conseguem curtir a situação de forma plena, e depois ficam arrependidas, ou porque não se entregaram do jeito que podiam, ou porque o cara não ligou( o que muitas vezes pode estar ligado a um “marketing pessoal” ruim).

  6. Camille disse:

    Gostei Alex! Ótimo post.

  7. Carolina disse:

    Cara, vc acabou virando meu conselheiro de todas as horas!!! E me ajuda até nos trabalhos sobre comportamento!!!

  8. Maria de Fátima disse:

    kkkkkk, adorei!! Como sempre!!

    Trabalhamos com as mesmas cartas. Apenas embaralhamos de novo.

    Aprendi a ser assim…. hehehe

  9. elizangela disse:

    oi alex muito prazer…bom vou contar um pouco do meu dilema…sou casada mas estou vivendo uma crise no meu casamento…esses dias reencontrei um amor de infancia…seu chara..rsrs…conversamos muito…marcamos de encontrar..foi muito legal…so rolou um beijo…mas queremos algo mais…mas ele tem namorada…esses dias ele me perguntou se eu topava sair com ele a namorada….queria entender ele…se quer so sexo…me ajude por favor

  10. Simone da silva disse:

    Oi Alex,adoro seu blog e me divirto muito,concordo com a Adry,faço tudo que gostar na primeira,pois nunca se sabe se vai ter repeteco,se o gato gostar,sera bom e se, assustar,hum sem problemas,o que importa e fazer aquilo que nos dar prazer!

  11. Juci disse:

    ” até abrir o mapa mundi inteiro” kkkkkkkkkkkkkkkkkkk chorei de rir!!

  12. Ana disse:

    Não concordo com o final em que diz: “Se você fizer algo que ele gosta muito na cama, pode estar certa que ele sempre vai esperar repeteco. E com o mesmo padrão de qualidade.”
    Acredito que muitas vezes o homem já sabe que não vai procurar nunca mais aquela mulher, independente de ser bom ou ruim.