26 jun

Dr. Gaudêncio

Não tenho dinheiro para comprar roupas e vivo frustrada. O que fazer?

Por Redação NOVA postado em 26/06/2012 às 20h38

Comentários (0)

Adoraria possuir muitas roupas, sapatos e bolsas, mas não consigo. Ganho pouco e, como moro sozinha, banco todas as despesas da casa. Aí, fico com inveja das minhas amigas que estão sempre na moda. Vivo frustrada por não ter algo novo para vestir. Acho todo o meu armário feio e cafona! Com isso, minha vida social se torna monótona. Não vou a festas badaladas por falta do que usar, freqüento sempre os mesmos lugares, encontro as mesmas pessoas… O que fazer?

Minha cara, será mesmo que o seu problema é ter um guarda-roupa, como você diz, feio e cafona? Sapatos, bolsas e acessórios da moda são suficientes para garantir uma vida social agitada? Vamos investigar.

1. Possuir um armário recheado de roupas é o segredo da felicidade?

Não me parece. Não é preciso ter as roupas da moda para ser interessante. Acreditar que acumular certos objetos pode fazê-la mais querida e feliz é uma fantasia.

2. Onde está o problema, então?

Com certeza, não está dentro do guarda-roupa. A meu ver, existem duas possibilidades: ou se trata de terremoto ou de labirintite. No primeiro caso, o tremor acontece fora. No segundo, dentro. Muita gente inventa uma causa externa para a infelicidade, camuflando o real problema, pois falta coragem para encarar a situação. Na minha opinião, sua questão é interna.

3. E como agitar a sua vida social?

Vou contar a história do inglês Douglas Bader. Esse rapaz tinha um sonho: ser piloto da Força Aérea. E conseguiu, aos 19 anos. Até que, durante uma exibição, sofreu um acidente e perdeu as duas pernas. Todos imaginaram que ele morreria, mas Douglas lutou pela vida. Colocou próteses, jamais andou de bengalas, casou-se e voltou a pilotar. Foi mais longe: idealizou a tática que salvou a Inglaterra de ser invadida na Segunda Guerra Mundial. Gosto muito de uma frase desse homem: “Quando tiver uma boa desculpa, não a use”. Ela ilustra muito bem o conceito de desculpa verdadeira, o pior dos pretextos. É quando recorro a uma verdade para esconder um problema que está dentro de mim, para ocultar algo que não quero revelar. Douglas podia ter se convencido de que, sem as pernas, deveria desistir de seus sonhos. Mas não o fez. E você também não deve. É fato que, se o salário é pequeno e paga todas as contas, vai sobrar pouco dinheiro para comprar roupas caras. Porém, não use essa verdade como uma desculpa para justificar sua vida social monótona. Você está escondendo seu real problema. Qual seria ele? Talvez tenha medo de se relacionar com pessoas diferentes das que já conhece. Talvez se sinta inferior. E realmente o é — ao que se cobra ser. Talvez ache que precisa ser simplesmente o máximo, que só assim vai conquistar o amor dos outros. Como jamais conseguirá alcançar esse ideal de perfeição, prefere não se expor. A questão é: não use a desculpa de não ter sapatos, bolsas e acessórios novos para esconder a realidade.

4. O que fazer com a inveja das amigas que andam na moda?

Ela é benéfica, desde que você a utilize para aumentar seu brilho, e não para apagar o das suas amigas nem para se lamuriar. Seria interessante aproveitá-la como combustível para novas conquistas: lutar por um salário maior, por exemplo.

5. Plano de ação

• Quando bater a tristeza por não ter nada novo para vestir, reflita sobre o que há por trás desse sentimento. Insegurança? Carência? A causa está dentro de você e é preciso encará-la.

• Gente interessante existe em qualquer lugar — e não só em festas badaladas. Que tal se matricular num curso de aperfeiçoamento profissional? Vai ampliar sua rede de contatos e talvez até engordar o saldo bancário.

Muita gente inventa uma causa externa para a infelicidade, camuflando o real problema, pois falta coragem para encarar a situação.

Mande sua dúvida!

Nome

E-mail (não será divulgado)

Seção:

Escreva abaixo sua dúvida

Consultor de carreira

Roberto Shinyashiki, psiquiatra e palestrante organizacional, ajuda a resolver seus dilemas profissionais.

Consulta íntima

A ginecologista Dra Mara Diegoli esclarece dúvidas para garantir a saúde da sua intimidade.

SOS prazer

Dra Sylvia Marzano, terapeuta sexual, ajuda você a compreender como seu corpo (e o dele) funcionam na transa.

Dr. Gaudencio

O psiquiatra Paulo Gaudencio é o seu terapeuta de plantão para ajudá-la a enfrentar cada situação sem neuras.

Universo masculino

Felipe van Deursen banca seu BFF (best friend forever) e abre o jogo sobre o que os homens realmente pensam.

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.

Para ter seu próprio avatar no site é preciso se registrar no gravatar.com