10 mar

Dicas de viagem

O primeiro Couch surfing a gente nunca esquece

Por Naíma Saleh postado em 10/03/2012 às 15h21

Comentários (1)

Oi? O primeiro o que?

É isso mesmo: Couchsurfing.

A expressão, que vem originalmente do inglês, se refere a ir da casa de um amigo para a casa de outro – é bem a ideia mesmo de “surfar” de sofá em sofá.

Esse conceito de hospitalidade é justamente a essência do programa de Couchsurfing, que consiste em hospedar gente de diferentes culturas e também ser hospedado. Através de um perfil criado na internet, você consegue encontrar pessoas que moram na região que você pretende visitar e solicitar um lugar para ficar, marcar um encontro, um café ou apenas pedir dicas de viagem.

Apesar de ser uma delícia economizar o dinheiro do hotel (que pode fazer uma baita diferença no seu orçamento!), o objetivo principal do programa é o intercâmbio cultural. Ou seja, é legal ter um tempo para conviver com os seus anfitriões ou com os seus hóspedes. Se o seu negócio for largar as malas na casa do seu host e só aparecer para dormir e tomar banho, esqueça! Esse esquema de pensão não funciona. Quem se propõe a fazer couchsurfing tem que estar disposto a um mínimo de interação social. Principalmente porque o mais legal de ficar hospedado com um habitante local é a possibilidade de conhecer de verdade como é viver ali e fugir daqueles circuitos abarrotados de turistas (que às vezes são bem mais comerciais do que tradicionais).

Confesso que tinha feito meu perfil no site bem antes de chegar à França. Já tinha escutado o relato de alguns amigos contando suas experiências como couhsurfers, fiquei animada, mas ainda não tinha me arriscado. É verdade que desde que cheguei aqui em Avignon, já recebemos (eu e as meninas que dividem apartamento comigo) alguns viajantes, então já tinha alguma noção do que era ser uma host.

No entanto, ainda não me sentia segura  para surfar e preferia ficar em hostéis, albergues ou casas de amigos  durante as minhas andanças. Sou meio desconfiada mesmo com essas coisas pela internet, sempre achei que online as pessoas podem parecer se qualquer coisa. Mas, no final de semana passada, quando estava em Nice, decidi tentar: fiz minha primeira viagem como couchsurfer e foi IN-CRÍ-VEL!

Nathalie, nossa host, com a sua filha, Zoe, ao centro (Foto: Acervo pessoal)

Nathalie, nossa host, com a sua filha, Zoe, ao centro (Foto: Acervo pessoal)


Tenho que admitir que dei muita sorte: acho que não é todo mundo que encontra uma host atenciosa e interessante como  Nathalie (essa senhora simpática de cabelo cor de rosa da foto!). Além de ter nos recebido superbem e ter feito a gente se sentir em casa, ela uma pessoa notável. Já viajou o mundo, fala várias línguas, conversa sobre tudo… e os filhos dela, que também estavam em casa, não são diferentes. A Nathalie também estava participando do cochsurf pela primeira vez, então, foi uma experiência inédita para os dois lados.

Nossa anfitriã foi tão gentil que na última noite preparou um jantar delicioso para todos nós – e olha que estávamos em cinco viajantes! A única hora triste foi a da despedida, mas ela deixou as portas abertas para visitarmos Nice sempre que quisermos.

O saldo da experiência foi extremamente positivo, por isso, já estou procurando mais hosts para a minha próxima viagem!

Se você gostou da ideia e também gostaria de se tornar um couchsurfer, não perca as dicas do próximo post!

Até mais, meninas!

Bom final de semana =D

Naíma Saleh

Virginiana, romântica assumida e meio controladora (mas só às vezes!). Ama ler, desenhar, falar sozinha e... viajar! Já morou na Espanha, nos Estados Unidos e agora está passando uma temporada na França. Mas não se engane: ela ainda tem mais uns 1000 planos de viagens guardados!

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.

Para ter seu próprio avatar no site é preciso se registrar no gravatar.com

Comentários (1) em "O primeiro Couch surfing a gente nunca esquece"

  1. Tainara disse:

    Ahh CS! :) Recentemente escrevi no meu blog sobre.
    Recomendo! ;)