17 abr

Padre Juarez de Castro

Crítica: quando e como fazer

Por Redação Viva!Mais postado em 17/04/2012 às 17h47

Comentários (1)

Criticar é sempre um exercício penoso. Receber críticas, por outro lado, é quase sempre doloroso. É preciso se colocar nas duas posições para se poder emitir uma opinião equilibrada e, também, saber ouvir o que é dito de maneira ponderada.

Por esse motivo, a crítica só pode ser praticada por quem tem maturidade. Até porque, na verdade, criticar alguém é uma atitude de quem pretende ajudar. Trata-se da chamada “crítica construtiva”, como vou explicar mais adiante neste texto. Sem esse objetivo a crítica torna-se um artifício destruidor e sádico. Transforma-se em um ato de apontar supostos defeitos do outro, nada mais – aí, já estamos falando da “crítica destrutiva”, que eu vou abordar aqui, da mesma forma.

Quem recebe críticas também deve estar maduro o suficiente para que elas não o incomodem, a ponto de causar um impacto excessivamente negativo ou mesmo uma depressão.

Na verdade, a crítica é sempre bem-vinda, porque nos ajuda a crescer. A palavra crítica vem do grego “kritikos”, que quer dizer “separar”, “peneirar”, “julgar”, ou seja, fazer uma apreciação minuciosa, quase como um processo de purificação. Logo, a crítica purifica, pois esta palavra grega era usada para determinar o ato de purificar o ouro.

Ao mesmo tempo, o processo de purificação revela-se bastante doloroso. Talvez seja por isso que tenhamos tanta rejeição à crítica, pois ser criticado, às vezes – ou quase sempre –, dói muito. No entanto, se a crítica é necessária e nos faz crescer, não podemos viver sem ela. É verdade também que não podemos sair por aí criticando todo mundo, como se fôssemos donos da verdade, porque ninguém tem esse direito.

Assim, como eu já disse, podemos separar as críticas em dois tipos: a crítica destrutiva e a crítica construtiva. E só para deixar bem claro: é necessário saber receber críticas e, por fim, é preciso saber quando criticar.

1. Crítica destrutiva: é o comentário maldoso, sem fundamento, geralmente baseado na opinião própria e no “achismo”. Surge da pessoa insegura. Quando alguém se sente ameaçado ou inseguro, tende a atacar o outro com comentários travestidos de crítica. E essa pessoa ainda usa a desculpa “só estou falando isso para ajudar você”. Será mesmo?

2. Crítica construtiva: é aquela baseada na correção fraterna que Jesus ensinou a todos nós (Mateus: 18,15-20). Movido pela caridade, deve-se procurar corrigir o outro, apontando-lhe os erros e mostrando uma solução. Mas lembrese: a motivação será sempre o amor e o bem da pessoa. A crítica construtiva pode ser dura, mas ao mesmo tempo deve ser doce e sem grosseria. É livre da maldade e, em geral, parte de pessoas equilibradas e maduras.

A crítica sempre nos ajudará a ver os nossos erros e a corrigi-los. Por isso, recebê-la também é um exercício de maturidade, conforme já ponderei. Normalmente, quem é maduro e justo para criticar lida com tranquilidade com as críticas que recebe.

Por fim, quero lhe dar um conselho, cara leitora. Ao criticar alguém, não se esqueça de utilizar três peneiras. São elas: a peneira da bondade, a peneira da utilidade e a peneira da necessidade. Você deve fazer assim: quando criticar alguém, pergunte a si mesma se essa crítica passa pelas três peneiras, isto é: “O que vou falar é algo bom?”. Se não for, cale-se. Mais: “O que vou dizer é realmente útil?”. Do contrário guarde a crítica para si. E, por último: “Esta minha observação é realmente necessária?”. Se não for, fique de boca fechada.

Portanto, amiga leitora, procure fazer a sua crítica apenas se ela for realmente necessária naquele momento. Do contrário, tente ajudar a pessoa de outra forma. Saiba que criticar e ser criticado é só para os que já estão maduros o suficiente para isso. A crítica pode ser uma ferramenta poderosa para ajudar e ser ajudado. Portanto, deve ser usada sempre com sabedoria.

Aline Barros

A pastora lançou 29 CDs, 6 DVDs e o livro Fé e Paixão (ed. Thomas Nelson Brasil).

Padre Juarez de Castro

Apresenta programas de TV e rádio, já lançou quatro discos e é autor do livro As Chaves da Perseverança (Ed. Lua de papel/Leya).

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.

Para ter seu próprio avatar no site é preciso se registrar no gravatar.com

Comentários (1) em "Crítica: quando e como fazer"

  1. Raquel disse:

    Muito boa . Aprendo sempre com leituras que me ajudam a pensar em como me comportar com certas críticas .