Blog maravilhoso dá foco a mulheres que fizeram história

Já reparou como a gente aprende pouco sobre a vida de mulheres revolucionárias? O blog "As Mina na História" surgiu para questionar isso.

Em janeiro desse ano, um levantamento feito pela ProScore revelou um dado triste e nenhum pouco surpreendente: na cidade de São Paulo, apenas 16% das ruas que homenageiam personalidades têm nomes de mulher. E o que ocorre na capital paulista é apenas um exemplo – dessa vez colocado em números – de um problema que está em toda a parte: a importância das mulheres é constantemente apagada em se tratando de conquistas históricas. 

Quantas mulheres ilustram os livros de história? Quantas delas têm suas vidas contadas no cinema? O panorama está mudando aos poucos, mas esse apagamento feminino ainda é uma realidade. E foi pensando nisso que a estudante de história Bia Varanis resolveu criar o blog As Mina na História

“Eu estava terminando o ensino médio, em 2015, e participei da Olimpíada Nacional de História do Brasil, realizada pela Unicamp. Em meio às questões, vi uma foto da Maria Bonita. Eu nunca tinha ouvido falar sobre ela e comecei a pesquisar mais. Então, me veio a reflexão de que nunca aprendemos sobre mulheres na história. Não enquanto protagonistas, e sim como coadjuvantes, como esposas de homens importantes”, conta Bia.

Para ela, o ~esquecimento~ também é uma forma de violência de gênero. “Essas mulheres foram apagadas apenas por serem mulheres. O blog surgiu como uma tentativa de refazer essa memória coletiva que não inclui mulheres, e principalmente as mulheres negras”.

Lá no blog, Bia publica textos biográficos sobre todo o tipo de mulher. Dá para saber mais detalhes sobre a vida de personalidades bem famosas como Coco ChanelAmelia Earhart ou descobrir a história de revolucionárias desconhecidas. Você sabia que foi uma mulher que levou o design gráfico aos computadores, por exemplo? Ou que foi uma mulher que inventou os filtros de papel para café? Essas são alguns dos fatos curiosos que aparecem no blog.

O projeto está no ar há pouco menos de um ano e Bia comemora a boa repercussão. “Eu sinto que o meu objetivo está sendo alcançado, fazendo com que a historia das mulheres circule, que seja reconhecida e que alcance muitas pessoas, de todas as idades, de todas as classes”. No Facebook, a página do As Mina na História já conta com mais de 400 mil seguidores e lá também é possível encontrar um ótimo material biográfico. 

Hoje Bia toca o projeto sozinha, mas também abre espaço para que mais minas colaborem, sugerindo pautas e enviando textos. Quer participar? Basta entrar em contato através do email  contato@asminanahistoria.com.br ou pelo Facebook. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s