Chiquinha Gonzaga: conheça a história dessa mulher incrível

Sabia que, em homenagem a Chiquinha, 17 de outubro é o Dia da MPB?

Em 1999, a história dela inspirou a minissérie de grande sucesso que levava seu nome. Já em 2012, o dia em que nasceu (17 de outubro) foi oficializado como o Dia da MPB. Chiquinha Gonzaga é lembrada até hoje por sua genialidade musical e pela ideologia libertária, mas nunca é demais falar sobre essa grande mulher, que viveu muito à frente de seu tempo!

Francisca Edwiges Neves Gonzaga nasceu em 1847, no Rio de Janeiro, e era filha de um rico militar. Aos 13 anos, foi forçada pelo pai a casar-se com o oficial da marinha Jacinto Ribeiro do Amaral, homem que ela detestava. Desde cedo a moça já nutria um espírito livre e a paixão pela música – Chiquinha começou a compor aos 11 anos de idade!

Ainda na adolescência, ela estava sempre pela rua, na companhia de boêmios, o que enfurecia seu marido. Além disso, Jacinto queria obrigá-la a abandonar a carreira. Aos 18 anos, ela resolveu abandoná-lo e saiu de casa, levando consigo apenas o filho mais velho, João Gualberto, já que o ex-marido a impediu de ficar com os outros dois – Maria do Patrocínio e Hilário. Em meados do Século 19, dá para imaginar o quanto essa mulher foi condenada por tal escolha, né? A garota rica viu as portas da sociedade carioca se fecharem e passou a ser duramente rechaçada.

Reprodução Reprodução

Depois de separada, ela foi viver com o engenheiro João Batista de Caravalho, com quem teve outra filha, Alice. Chiquinha era muito apaixonada por ele, mas cansou-se das constantes traições e resolveu se separar novamente. João Batista também impediu que ela criasse Alice e, mais uma vez, Chiquinha passou a viver apenas com o primogênito.

Somente décadas mais tarde, aos 52 anos de idade, ela entregou-se ao amor novamente. Só que aí o problema seria outro: o rapaz por quem se apaixonou – e que a amava também – tinha apenas 16 anos. Mesmo assim, em segredo, ela e João Batista Lage viveram um grande amor às escondidas. Mas não é nem preciso dizer como isso era mal recebido pela sociedade, né? Homens estavam liberados de ter esposas muito mais jovens, mas o contrário era inadmissível, lógico.

Em se tratando da carreira, como sabemos, ela era genial e é de sua autoria a primeira marchinha de carnaval da história: Ó Abre Alas. Aliás, poucos musicistas foram tão produtivos quanto ela! Chiquinha tem mais de 2 mil composições no currículo e transitava entre vários estilos musicais, como choro, polca, samba e até tango.  Mesmo assim, ela era mulher (e uma mulher “desquitada”, ainda por cima), além de militante ativa em causas sociais, o que fez com que sua vida não fosse nem um pouco fácil.

Ela dava aulas de música para sustentar o filho e, aos 30 anos, conseguiu finalmente emplacar um grande sucesso, a polca Atraente. Nessa época, Chiquinha sonhava em trabalhar com teatro, mas teve diversos trabalhos recusados. Só anos depois, em 1883, musicou a peça Festa de São João, seu primeiro trabalho no ramo.

Também é importante ressaltar que ela viveu numa época em que a música brasileira sequer tinha status de arte. A alta sociedade só queria saber do que era exportado da Europa e não se dava valor a qualquer expressão cultural que remetesse à brasilidade.

Chiquinha foi peça fundamental para que a música daqui finalmente alcançasse seus dias de glória. Villa-Lobos, por exemplo, estava literalmente usando fraldas nessa época – ele era 40 anos mais jovem do que ela. Para se ter uma ideia, foi Chiquinha quem começou introduzir instrumentos populares, como o violão, nas apresentações em grande teatros.

Divulgação Divulgação

Mas essa mulher não foi apenas uma grande musicista. Chiquinha era feminista – numa época em que a palavra ainda nem figurava nos dicionários – e também militava a favor da abolição da escravatura e da proclamação da República. De porta em porta, ela vendia suas partituras para ajudar a financiar a Confederação Libertadora, organização antiescravista da qual fazia parte. Ela chegou até a comprar a alforria de um escravo, o músico José Flauta.

Por conta do romance proibido com João Batista Lage, Chiquinha e ele mudaram-se para Lisboa por algum tempo. Depois voltaram ao Brasil e ficaram juntos até o fim da vida, sempre em segredo. Para todos os efeitos os dois eram apenas amigos e ela dizia que o tinha como filho.

Chiquinha Gonzaga faleceu aos 87 anos, em fevereiro de 1935, às vésperas do carnaval. Apesar de ter o trabalho celebrado na época em que viveu, ela batalhou arduamente e só depois de sua morte é que a compositora foi realmente reconhecida como inegável gênia da música. Mais do que um dia da celebrar a MPB, o 17 de outubro é uma data para lembrar o quão inspiradora foi essa grande mulher!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s