11 ótimos filmes LGBT para assistir na Netflix

Confira algumas produções para adicionar já na sua lista!

Filmes – e séries – que retratam a realidade LGBT são cada vez mais comuns, inclusive dentre as produções brasileiras. E há títulos excelentes surgindo a todo momento! Atualmente, a Netflix brasileira não conta com um grande número de longas sobre o tema em seu catálogo, mas existem alguns maravilhosos que você não pode deixar de assistir.

Leia Mais: Conheça a história de Gilbert Baker, o criador da bandeira arco-íris do orgulho LGBT

Confira aqui quais são os nossos preferidos:

Tudo Sobre Minha Mãe

tudo-sobre-minha-mae

Num portfólio tão estrelado como o de Pedro Almodóvar é difícil apontar o melhor filme, mas muita gente considera essa a sua obra prima. O longa gira em torno de uma mãe que precisa lidar com a morte do filho adolescente e, em meio ao luto, acaba conhecendo a história de uma travesti, uma freira e um transexual. Em 2000, o drama recebeu o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Adeus, Minha Rainha

(Adeus, Minha Rainha/Divulgação)

Um ano antes de estourar com Azul é a Cor Mais Quente, Léa Seydoux também brilhou muito nesse filme. O drama retrata um triângulo amoroso velado entre Maria Antonieta, uma criada e uma duquesa. Visualmente incrível e com boas atuações, o filme chegou a ser indicado no Festival de Berlim e recebeu prêmios no César.

Albert Nobs

albert-nobs

Glenn Close está maravilhosa nesse drama, que rendeu sua mais recente indicação ao Oscar – ela já foi nomeada seis vezes. No filme, ambientado no século XIX, a atriz vive Albert Nobs, personagem que nasceu mulher, mas assume uma identidade masculina. De maneira sensível, o filme não dá um veredito sobre o gênero e a sexualidade de Albert, que é retratado como um ser humano que precisa esconder sua essência para poder viver a vida que sempre desejou.

Moonlight – Sob a Luz do Luar

(Moonlight/Divulgação)

Primeiro longa  LGBT a vencer o Oscar de Melhor Filme, ele já está disponível na Netflix, poucos meses depois de ter saído dos cinemas. Moonlight retrata três momentos na vida de Chiron, jovem negro e periférico que descobre-se gay ao mesmo tempo em que luta para resistir à tentação de entrar para o mundo do crime.

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho

hoje-eu-quero-voltar-sozinho

Esse ótimo longa nacional foi premiadíssimo ao redor do mundo, inclusive no badalado Festival de Berlim. O filme conta a história de um adolescente cego que tem sua vida virada de cabeça para baixo ao se apaixonar por um colega de escola. Essa é uma adaptação para as telonas do curta Eu Não Quero Voltar Sozinho, que também foi muito premiado e merece ser assistido.

Beira-Mar

beira-mar

Assim como em Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, esse longa nacional também dá foco à fase de descobrimento, quando um garoto decide viajar ao litoral com seu melhor amigo e descobre que ele é gay. A grande diferença é que temos aqui um trabalho muito mais introspectivo, lento e sem a pegada pop de Hoje Eu Quero. Abordagens distintas, mas ambos merecem ser assistidos.

Flores Raras

(Flores Raras/Divulgação)

 

O filme retrata o romance real entre uma prestigiada arquiteta carioca (Lota de Macedo Soares) e uma das poetisas britânicas mais importantes do século XX (Elizabeth Bishop). Elas se conheceram no início dos anos 1950 e permaneceram juntas por 20 anos, vivendo no Rio de Janeiro. Lota foi uma das idealizadoras do Aterro do Flamengo e, mesmo sendo uma figura visada, jamais escondeu ser lésbica. Glória Pires e e a australiana Miranda Otto estão ótimas nesse trabalho.

Jovem Aloucada

jovem-e-aloucada

Nesse polêmico filme chileno, uma garota bissexual relata suas tórridas aventuras em um blog na internet. O detalhe é que ela vem de uma família de evangélicos radicais, o que torna tudo ainda mais proibido. Prepare-se para um filme com cenas bem picantes e linguagem explícita, além de uma edição ágil e uma ótima pegada pop.

Laerte-se

(Laerte-se/Divulgação)

Produzido pela própria Netflix, esse documentário intimista conta a história da cartunista Laerte. Famosa desde os anos 1970 por suas tirinhas, em 2010 Laerte revelou ser crosdresser e, anos depois, assumiu-se como mulher trans.

Direito de Amar

direito-de-amar

Esse é o filme de estreia do estilista Tom Ford como diretor e, de cara, ele já pôde contar com os oscarizados Colin FirthJulianne Moore no elenco. A história é focada no drama de um professor que precisa lidar com a morte do parceiro, com quem vive há 16 anos. Desesperado, ele pensa em tirar a própria vida. Apesar de ter uma narrativa meio dura, o visual do filme é impecável e a excelente atuação de Firth lhe rendeu uma indicação ao Oscar.

Bridegroom

bridegroom

Esse tocante documentário mostra a trajetória de Shane Bitney Crone, que pretendia casar legalmente com seu companheiro Tom Bridegroom, assim que a lei de casamento igualitário entrasse em vigor na Califórnia. Antes disso, porém, Tom morreu tragicamente e sua família impediu a presença de Shane no enterro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s