5HTP, a pílula que emagrece e acaba com a tristeza

Guarde bem este nome: 5HTP, o novo remédio natural que corta o desejo incontrolável por comida e, ao mesmo tempo, combate a depressão

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 18/08/2009 em

AnaMaria

um conteúdo de

5HTP, a pílula que emagrece e acaba com a tristeza
Tyciane Vaz

5HTP espanta o mau humor e dá energia
Foto: Dreamstime

É como um círculo vicioso: quando você se vê fora de forma, fica meio pra baixo e perde todo o pique para investir em uma nova dieta. Aí, ataca uma caixa enorme de bombons para afastar a tristeza - e engorda ainda mais. Quando você, enfim, arruma forças para começar outro regime, logo descobre que terá de fazer muitos sacrifícios e abandonar as coisas de que mais gosta. Aí, começa tudo de novo...

Por acaso você se reconheceu nessas situações? Então, saiba que existe uma maneira natural e saudável de perder peso e acabar com a depressão - tudo de uma só vez: o 5HTP (que é a sigla de 5-hidroxitriptofano). "Essa pílula melhora o humor e, assim, faz a pessoa comer bem menos", explica Amilton Macedo, médico ortomolecular. Saiba tudo sobre essa novidade que ganha cada vez mais adeptas no Brasil e aprenda a turbinar o efeito dela.

Perguntas e respostas sobre o 5HTP

Qual é a base da pílula?
Ela tem um composto extraído de uma planta chamada Griffonia simplicifolia. 

Onde encontrar?
Esse medicamento natural está disponível somente em farmácias de manipulação. Ainda não há uma fórmula pronta para consumo. 

Quanto custa?

Os preços variam de acordo com a dosagem (de 50 a 150 mg) e com a forma de comercialização. A caixa de cápsulas sai por cerca de R$ 67. A versão em balas sabor chocolate custa, em média, R$ 105 (a embalagem com 60 unidades). 

Há alguma contraindicação?

Sim, o medicamento não é recomendável para quem está grávida ou amamentando. Se você toma antidepressivo, fique longe dessa pílula. Afinal, a combinação pode causar efeitos como ansiedade e aumento da pressão arterial.

Posso tomar o remédio por conta própria?
Não. Vá ao nutricionista, endocrinologista ou médico ortomolecular. Um desses profissionais poderá definir a dosagem ideal e o tempo que você deve consumir a pílula. E, claro, é importante ter um acompanhamento profissional durante todo o tratamento.