Perdi metade de mim comendo biscoito

Com minhas delícias de polvilho, eliminei 62 kg em dez meses. E eu pesava quase o dobro: 122 kg

O polvilho enche meu estômago e me ajuda 
a controlar a vontade de comer besteira
Foto: Roberto Pimenta

Plec! Era mais um botão da minha blusa estourando. Também… Eu estava com 122 kg! Lembro que cheguei a esse peso, o maior da minha vida, em junho de 2008.

Lembro ainda que eu me enganava pra não sofrer: evitava me olhar no espelho, fazia o tipo “gordinha de bem com a vida”… Minha rotina social era aparentemente normal, mas na verdade era só fachada: queria que os outros achassem que eu não estava nem aí para o meu corpo.

Se eu fosse homem, não sentiria atração por alguém como eu

Realmente, eu conseguia disfarçar bem. Tinha até um namoradinho que era bem compreensivo. Ele me aturava, mas, honestamente, se eu fosse ele jamais me sentiria atraído por uma garota como eu, na época.

Minha família tem tendência à obesidade, é verdade. Mas isso sempre foi uma ótima desculpa pra eu me acomodar. Fui gorda desde pequena, e assumida: era só ouvir alguém falar em dieta que já me batia uma vontade doida de comer!

No entanto, começou a ficar cada vez mais difícil me enganar diante dos botões das minhas camisas estourando. Plec! Que vergonha…

Resolvi criar coragem pra perder uns 3 ou 4 kg e procurar, pelo menos, preservar as minhas roupas. Achei que era só cortar uma comidinha ou outra… É lógico que isso não deu certo, até porque eu não tinha disciplina. Mas, assim mesmo, fui caindo na real.

Foi uma foto que mudou a minha vida

Lembro do dia em que fiz um penteado no cabelo e pedi pra alguém tirar minha foto de costas, para eu ver como estava. Meu Deus! Jamais tinha me visto daquele ângulo antes: fiquei chocada diante da quantidade de gordura que se acumulava embaixo do meu braço.

”Não, essa pessoa não pode ser eu!”, pensei. A partir daquele dia, resolvi que iria empregar toda a minha teimosia para emagrecer de verdade, e não mais para me enganar!

Pra começar a dieta, cortei quase tudo que continha gordura. Virei amiga das saladas e dos pratos leves. Claro que, com 122 kg, o meu estômago estava dilatado. Resultado: eu sentia uma fome de leão e tinha que lutar com todas as minhas forças para combatê-la!

A dieta me deixou sem ânimo, mas valeu a pena

Meu organismo foi cruel comigo. Sem tanta comida no estômago, eu sentia muita fraqueza. Pra você ter uma ideia, eu não conseguia sequer sair de casa de tanto desânimo!

Cheguei a trancar a faculdade e parei de trabalhar. Sei que foi uma decisão radical, mas emagrecer virou prioridade pra mim. Uns chamaram isso de obsessão. Meus familiares e meu namorado questionaram a minha dieta, com medo de que eu adoecesse. Porém, eu bati o pé e me mantive firme. O que estava em jogo era a minha saúde e a minha autoestima.

Para atingir meu objetivo, criei um cardápio com salada à vontade, sopa de pacote e um petisco que se tornou o maior curinga no meu emagrecimento: biscoito de polvilho. Uma porção de 30 g (mais ou menos um terço de um pacote) tem cerca de 120 calorias. Sinto que ele enche meu estômago e me ajuda a controlar a vontade de comer besteira. Eu adoro!

As primeiras semanas foram complicadas. Quando batia a fome, eu pensava positivamente, comia um pouquinho de biscoito e dizia pra mim mesma que eu era capaz de ser uma pessoa menos dependente de comida.

Eu tinha consciência de que perder peso era ainda mais difícil sendo sedentária. Até tentei fazer musculação, mas não deu certo. Achei que meu corpo foi ficando musculoso demais, um pouco masculino. Como o que eu queria mesmo era emagrecer, substituí a academia por caminhadas leves.
Passei a usar roupas ousadas

Apesar da pouca atividade física, o resultado da dieta foi um sucesso: em apenas dez meses, eliminei 62 kg. Mais da metade do meu peso! Só nos primeiros quatro meses, perdi mais de 30 kg! No total, foi como se eu tivesse tirado do meu corpo mais de 12 sacos de arroz. Imagine só que alívio!

Depois que alcancei os 60 kg, não baixei a guarda nem por um minuto. Tenho predisposição para engordar e me vigio. Sempre fui bem recatada, nunca usei saia curta na vida. Com a minha nova estampa, porém, passei a ousar.

O povo estranhou meu novo visual. Tem gente que me olha na rua com aquele ar de “essa menina tá se achando”. E eu gosto! É muito melhor do que ser vista com pena!

Esses biscoitos realmente emagrecem

Com alguns cuidados, dá pra transformar os biscoitos de polvilho, ou mesmo os cookies integrais, em auxiliares da sua dieta. Uma porção moderada de biscoito de polvilho pode ser uma forma criativa de controlar a ansiedade na hora que bate aquela fome, entre uma refeição e outra, e você não quer colocar a dieta a perder. No entanto, alguns cuidados precisam ser tomados.

A nutricionista Fernanda Machado, do Rio de Janeiro, recomenda produtos que acrescentem algum nutriente. ”O biscoito de polvilho comum não tem nenhum valor nutricional. Por isso, o ideal é procurar no mercado marcas que tenham menos sódio e que agreguem fibras, que melhoram a digestão”, ensina a especialista. Ela indica o consumo máximo de meio pacote médio de biscoito (o equivalente a 50 g por dia), de preferência no meio da manhã ou como lanche da tarde – ou seja, entre duas das principais refeições. É importante nunca comer mais que a porção diária. Caso contrário, o biscoito pode evitar a perda de peso e até mesmo fazer você engordar.

Uma outra opção para quem quer um petisco gostoso e funcional pra emagrecer são os cookies integrais, disponíveis em lojas de produtos naturais e supermercados. Eles têm valor calórico semelhante ao do biscoito de polvilho, mas são bem mais nutritivos. Por serem ricos em fibras, eles melhoram o trânsito intestinal. Os cookies são uma delícia para tomar com café ou chá. E ainda provam que uma boa dieta não precisa ter apenas alimentos sem gosto.

Biscoitos de polvilho para a dieta:
. Biscoito de polvilho light, da Croc Minas, 100 g, R$ 1,50
. Biscoito de polvilho com menos de 100 kcal por porção de 30 g, da Garcéa, 100 g, R$ 1,65
. Biscoito de polvilho com adição de fibras, da Tia Mona, 35 g, R$ 1,50

Cookies integrais:
. Cookies integrais light, nos sabores baunilha com chocolate ao leite e castanha-do-pará, da Vitao, 150 g, R$ 3,25
. Cookies integrais orgânicos de quinoa e amaranto com óleo de essência de mandarina, da Jasmine, 150 g, R$ 3,50

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s