20 mulheres brasileiras que fizeram história

E que são pura inspiração!

Você sabia que o mais valioso quadro brasileiro foi pintado por uma mulher? E que o primeiro livro feminista do país foi escrito lá em 1832? Sabia que já existiu um Partido Republicano Feminino e que ele foi fundado em 1910, antes mesmo de as mulheres terem direito ao voto? Sabia que uma brasileira já foi a mulher mais bem paga dos EUA e que teve mulheres indo para os fronts de batalha durante o colonialismo? Então se liga na história de 20 mulheres incríveis que mudaram o Brasil e que vão te dar uma dose extra de inspiração para a vida!

Dandara

Reprodução Wikipédia Reprodução Wikipédia

Que Zumbi foi o líder do Quilombo dos Palmares todo mundo sabe, mas quantas vezes você ouviu falar de Dandara? Ela foi esposa de Zumbi e lutou ao lado dele pela libertação dos negros no período colonial. Sua história é rodeada de mistérios, mas sabe-se que ela não fugia de uma briga, lutava capoeira, sabia manejar armas e caçava muito bem. Suicidou-se em 1694, junto com vários outros quilombolas, durante a tomada de Palmares.

Tarsila do Amaral

Instagram/tarsiladoamaraloficial Instagram/tarsiladoamaraloficial

Ela é autora da pintura brasileira mais valorizada da história, o Abaporu (que ultrapassa os US$ 2,5 milhões). Tarsila é um dos nomes centrais da primeira fase do modernismo artístico no Brasil e foi uma das responsáveis pela organização da revolucionária Semana da Arte Moderna de 1922, realizada em São Paulo.

Marta

Philipp Schmidli/Getty Images Philipp Schmidli/Getty Images

Eleita a melhor jogadora do mundo por cinco anos consecutivos (entre 2006 e 2010), a alagoana conseguiu um feito inédito no futebol brasileiro. Entre os homens, nem Pelé e Ronaldo alcançaram essa marca! Ela é também a maior artilheira da Seleção Brasileira (contando a masculina e a feminina), com 101 gols marcados, e a maior artilheira da Copa do Mundo de Futebol Feminino, com 15 gols.

Maria Quitéria

osheroisdobrasil.com.br osheroisdobrasil.com.br

Considerada a Joana D’Arc brasileira, Maria Quitéria de Jesus lutou pela independência do Brasil, no início do Século XIX. Para poder entrar em combate, ela disfarçou-se de homem e apresentava-se como soldado Medeiros aos outros oficiais. Acabou sendo desmascarada pelo próprio pai, mas foi defendida por seu comandante e continuou lutando ao lado dos homens.

Shirley Mallmann

Fernanda Calfat / Getty Images Fernanda Calfat / Getty Images

Que Gisele é a maior das modelos brasileiras todo mundo sabe, mas você consegue dizer quem abriu caminho para ela e todas as outras tops made in Brasil? Shirley Mallmann! A gaúcha foi descoberta trabalhando em uma fábrica de sapatos nos anos 1990 e tornou-se a primeira brasileira a ser considerada top model internacional. Ela também é sempre lembrada por ser a garota propaganda do icônico perfume Classique, de Jean Paul Gaultier.

Fernanda Montenegro

Theo Wargo/Getty Images Theo Wargo/Getty Images

A maior dama do cinema nacional é até hoje a única mulher brasileira a receber uma indicação ao Oscar e a também a única (entre homens e mulheres) a ser nomeada em uma categoria de atuação. Fernanda foi indicada pelo longa Central do Brasil, em 1999, que também concorreu a Melhor Filme Estrangeiro naquele ano. Ela também recebeu o Emmy Internacional (considerado o Oscar da televisão) como melhor atriz estrangeira, por seu papel na série Doce de Mãe.

Hebe Camargo

Ethan Miller/Getty Images Ethan Miller/Getty Images

Eterna rainha da televisão nacional, Hebe esteve ao lado de Assis Chateaubriand no nascimento da Rede Tupi, a primeira emissora brasileira de TV. Na época, ela esteve à frente do primeiro programa feminino lançado aqui no Brasil, intitulado O Mundo é das Mulheres. Trabalhou até o fim da vida e faleceu em 2012, aos 83 anos, por causa de um câncer.

Leila Diniz

Instagram/everyldacoach Instagram/everyldacoach

Em plena ditadura militar, Leila era defensora do amor livre e da emancipação feminina. Foi pioneira em usar biquíni na praia durante a gravidez e abriu caminho para que esse tabu fosse desmistificado. Aos 20 e poucos anos, era uma das maiores musas da televisão brasileira e também a que mais falava sobre sexo abertamente. Morreu aos 27, em um acidente aéreo. Ela voltava de uma viagem à Austrália e sua filha tinha apenas 7 meses na época.

Roberta Close

Instagram/robertacloseoficial Instagram/robertacloseoficial

Foi a primeira celebridade transexual do Brasil e deu visibilidade para a causa trans numa época em que ninguém falava sobre isso no país. Operou-se na Inglaterra, em 1989, e lutou pelo direito de mudar de nome legalmente. Mesmo sendo uma modelo internacional, o processo correu na justiça por muitos anos e ela só conseguiu ser reconhecida como mulher em 2005.

Lotta de Macedo Soares

Facebook/Lota De Macedo Soares Facebook/Lota De Macedo Soares

Sem nunca ter cursado faculdade, Lota foi uma das mais importantes arquitetas do Rio de Janeiro nos anos 1960. Mesmo sendo uma mulher visada, não escondia de ninguém que era lésbica e foi uma das responsáveis pelo ambicioso projeto do Parque do Flamengo, o maior aterro urbano do mundo. O grande amor de sua vida foi a icônica poetisa americana Elizabeth Bishop, com quem viveu de 1951 a 1965.

Maria da Penha

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Depois de escapar de duas tentativas de assassinato por parte do marido e lutar por 20 anos para ver o agressor e o Estado punidos, alertou o governo para a urgência de uma legislação que protegesse mulheres vítimas de violência doméstica. Sua batalha não foi em vão e a lei que leva seu nome vigora desde 2006. Hoje ela coordena uma ONG que trabalha no combate ao problema e auxilia vítimas.

Zuzu Angel

Pinterest/Nicole Monteiro Pinterest/Nicole Monteiro

Foi uma das primeiras estilistas a mesclar brasilidade e alta costura, mas tornou-se um ícone por rebelar-se contra a ditadura militar. Seu filho foi morto e torturado, sem o corpo entregue à família e Zuzu lutou pelo direito de enterrá-lo. Levou o protesto às passarelas e chamou a atenção da imprensa internacional e até do governo norte-americano. Nunca encontrou o corpo do filho e morreu num misterioso acidente de carro, em 1976.

Chiquinha Gonzaga

Instagram/semsaudadesdamelia Instagram/semsaudadesdamelia

Foi a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil e também é autora da primeira marchinha de carnaval da história: Ó Abre Alas, composta em 1899. Trocou o marido pela música, criou dois filhos sozinha, compôs mais de 2 mil canções e ainda lutou contra a monarquia e em favor da abolição da escravatura. O Dia Nacional da Música Popular Brasileira é comemorado em 17 de outubro, data em que ela nasceu.

Elza Soares

Divulgação Divulgação

Por causa da infância pobre, Elza foi forçada a casar aos 12 anos e já era mãe aos 13. Na mesma época, surpreendeu todo mundo ao cantar num programa de calouros, mas só conseguiu seguir carreira depois de ficar viúva, aos 21 anos. Mesmo com a fama, sofreu muito por ser acusada de acabar com o casamento do jogador Garrincha e chegou receber ameaças de morte na época. Elza deu a volta por cima e, aos 78 anos, é hoje uma lenda viva da MPB.

Anita Garibaldi

Youtube/Valestap Youtube/Valestap

Intitulada como “a heroína dos dois mundos”, Anita foi uma revolucionária que fez história no Século XIX. Nasceu em Santa Catarina e lá casou-se com o guerrilheiro italiano Giuseppe Garibaldi, com quem lutou na Revolução Farroupilha (aqui no Brasil) e contra a invasão do exército austro-húngaro (na Itália). Teve cinco filhos, mas nunca deixou de lado as frentes de batalha, mesmo enquanto estava grávida.

Leolinda Daltro

Reprodução do livro “Catechese dos índios no Brasil - Notícias e documentos para a História” Reprodução do livro “Catechese dos índios no Brasil – Notícias e documentos para a História”

Considerada uma das precursoras do feminismo no Brasil, Leolinda foi uma professora que lutou pela causa indígena e pela autonomia das mulheres no Século XIX. Ela é um dos nomes mais importantes do movimento sufragista no país e foi a principal fundadora do Partido Republicano Feminino, em 1910. Além disso, chegou a separar-se do marido para viajar pelo interior do país em prol da alfabetização laica dos índios.

Maria Lenk

Reprodução/Speedo Reprodução/Speedo

Tida como uma das grandes heroínas do esporte nacional, ela foi a primeira mulher sul-americana a competir nos Jogos Olímpicos, em Los Angeles, no ano de 1932. Também foi a primeira brasileira a estabelecer um recorde mundial na natação e a única a figurar no International Swimming Hall of Fame, na Flórida.

Nísia Floresta

Reprodução do livro “Nísia Floresta – Uma mulher à frente do seu tempo” Reprodução do livro “Nísia Floresta – Uma mulher à frente do seu tempo”

Outra precursora do feminismo no Brasil, ela é autora do mítico livro “Direitos das mulheres e injustiça dos homens”, escrito em 1832. Esta é considerada a primeira obra feminista do Brasil! Ela também escreveu importantes livros em defesa dos índios e da abolição da escravatura. Nísia nasceu no Rio Grande do Norte, mas viajou o país defendendo a alfabetização das mulheres e chegou a fundar colégios para meninas no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul.

Zilda Arns Neumann

prefeitura.sp.gov.br prefeitura.sp.gov.br

Reconhecida como uma das maiores humanitárias do Brasil, foi uma pediatra importantíssima para a redução da mortalidade infantil no país. Seu legado iniciou-se em 1983, quando ela fundou a Pastoral da Criança, uma gigantesca instituição ligada à Igreja Católica que hoje funciona em 20 países e atende mais de 1,5 milhão de crianças e adolescentes. Zilda faleceu no Haiti, em 2010, vítima do terremoto que dizimou o país naquele ano.

Carmen Miranda

Pinterest/Jurema Rodrigues Pinterest/Jurema Rodrigues

Carmen Miranda nasceu em Portugal por acaso, mas chegou ao Brasil com apenas um ano de idade e veio a se transformar num dos maiores símbolos do país. Foi responsável por colocar o Brasil no mapa do showbiz internacional e chegou a ser a mulher mais bem paga dos EUA, em meados dos anos 1940. Também foi responsável por alavancar o tropicalismo, o mais importante movimento cultural da história do Brasil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s