Garotas negras são vistas como ‘menos inocentes’ que as brancas

Um estudo concluiu que a forma como meninas negras são enxergadas na sociedade afeta diretamente suas infâncias

Ao observar apenas a foto acima, é impossível afirmar qualquer coisa sobre a personalidade das garotinhas retratadas, certo? De acordo com uma pesquisa realizada na Faculdade de Direito da Georgetown University, porém, isso não impede com que muita gente encare as ações de meninas negras de forma diferente do que as de meninas brancas.

De acordo com o estudo em questão, é especialmente entre os 5 e 14 anos de idade que as meninas negras são vistas como “mais maduras” quando comparadas com as brancas.

Para chegar a estas conclusões, foram analisadas as respostas de 325 participantes ao redor dos Estados Unidos, de diferentes raças e níveis educacionais, a perguntas como “O quanto você acha que meninas (brancas ou negras) precisam ser reconfortadas?”.

Leia mais: Estas 7 garotas explicam por que é racista dizer que somos todas iguais

As autoras da pesquisa, Rebecca Epstein, Jamilia J. Blake e Thalia Gonzalez, concluem que isso influencia diretamente a forma como as negras são capazes de vivenciar a infância – já que elas sofrem, neste processo, de uma espécie de “adultização”.

As consequências

“Os adultos que enxergam os jovens como mais velhos do que eles realmente são têm mais chance de puni-los de forma severa”, afirma uma das pesquisadoras, Rebecca Epstein, em entrevista ao portal de notícias AJ+

Na escola, por exemplo, meninas negras têm uma chance cinco vezes maior de serem suspensas, quando em comparação com as brancas. Além disso, a probabilidade de os funcionários de uma escola chamarem a polícia por conta da ação de uma menina negra também é maior.

Leia mais: Temos problemas maiores? O racismo no clipe de Mallu Magalhães

“Os professores podem estar considerando que as meninas negras precisem de menos proteção e menos estímulo que as meninas brancas”, revela ainda Rebecca. As consequências desta diferenciação, no entanto, vão além da escola – e, de acordo com a pesquisadora, também influenciam a forma como jovens mulheres são judicialmente punidas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s