Ela nasceu com pênis e vagina e lutou para ser aceita como mulher

Por ser intersexual, Luiza Freitas teve uma vida marcada por muito sofrimento. Hoje, ela conta sua história e luta pelo fim do tabu.

Quem conhece a simpática Luiza Freitas pela primeira vez, nem imagina a história surpreendente que essa mulher tem para contar. E, com certeza, não faz ideia do quanto ela já sofreu. Natural de Iúna, uma pequena cidade no interior do Espírito Santo, Luiza nasceu intersexual e teve a vida cruelmente marcada pelo preconceito.

Intersexuais – ou simplesmente intersex – são pessoas que nascem com características físicas de ambos os gêneros – o que antigamente a gente chamava de hermafrodita. A ONU estima que 1,7% da população nasce intersexual, ou seja, 1 em cada 58 pessoas – e isso é muita gente!

Biologicamente, há pelo menos 30 categorias diferentes de seres humanos intersexuais. Em alguns casos, apenas a contagem de cromossomos indica a intersexualidade, noutras situações, o indivíduo possui órgãos genitais de ambos os sexos, por exemplo.

Luiza nasceu com pênis, vagina, testículos e útero e ovários. “Graças a Deus eu não sofri nenhum tipo de mutilação genital, porque nasci numa cidade muito pequena e lá nem tinha esse tipo de cirurgia. Mas fui registrada e criada como menino. Meus pais encaravam minha condição como deficiência”.

Leia mais: Modelo revela ser intersexual e aquece debate sobre o tema

Criada como menino, mesmo após a primeira menstruação

Aos 12 anos, Luiza começou a desenvolver trejeitos femininos e era xingada de “viadinho” pelos colegas. “Eu já me via como uma menina, queria passar batom e usar vestidos”, relembra.

A essa altura, já havia menstruado pela primeira vez e, conversando com colegas, descobriu que não era um garoto como os outros. Mesmo assim, seus pais não admitiam que ela fosse uma mulher. “Fugi de casa com 13 anos, porque meu pai tentou me matar. Na delegacia, ninguém me ajudou e lá também fui chamada de viado”.

Foi na igreja que ela conseguiu auxílio e, aconselhada por um padre, foi morar em uma comunidade católica em Santa Catarina. “Mas aos 14 anos tive que fugir de lá também, pois não era aceita como menina”. Dessa vez, foi parar em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Lá, conseguiu enfim iniciar a transição para ter um corpo feminino. “Passei a morar com uma travesti, que me ajudou no processo”, conta.

Abandono, silicone industrial e prostituição na adolescência

Luiza finalmente encontrou um ambiente onde era aceita como mulher, mas passaria a viver um novo pesadelo. “Além dos hormônios, fiz a besteira de colocar silicone industrial. Foi horrível e podia ter me custado a vida. Já fiz várias drenagens [para retirar o silicone], mas ainda tenho muitas dores”. Sem ter conhecimento sobre a gravidade do que estava fazendo, ela injetou silicone industrial em várias partes do corpo, inclusive no rosto.

Como se não bastasse, Luiza não tinha condições de pagar pela transição e precisou se prostituir, ainda na adolescência. “Eu não gostava [de me prostituir] e, com 17 anos, tive a sorte de fazer uns contatos para começar a trabalhar com eventos”. E o que começou por acaso, acabou virando sua profissão. Hoje, Luiza trabalha como produtora executiva de eventos.

Leia mais: “Antes, ser mulher era sequer uma possibilidade. Hoje, é poder ser livre”

Só passou a ser aceita pela família depois de engravidar

Depois de uma infância muito confusa e uma adolescência marcada pelo sofrimento, Luiza estava finalmente vivendo uma boa fase. Para ela, ser mulher era uma enorme conquista e, na profissão, as coisas também já estavam dando certo. Foi quando resolveu tentar fazer as pazes com o passado, em uma viagem à cidade natal.

“Meus pais continuaram não me aceitando, me chamaram de traveco e tudo quanto é coisa”, relata. Somente depois de dar à luz sua filha, é que Luiza conseguiu ser aceita como mulher pela mãe – o pai já havia falecido na época.

Aos 32 anos, decidiu que queria ser mãe de produção independente. Na época, ela ainda não havia feito a cirurgia para remoção do pênis, mas seu sistema reprodutor feminino funciona perfeitamente. A gravidez também fez com que ela conseguisse acelerar o processo judicial para ser oficialmente reconhecida como mulher.

“Precisei ter uma filha para provar para a justiça, para a minha mãe e para a igreja que eu sou uma mulher”. Hoje, sua pequena Rihana tem 5 anos de idade.

Luiza também conta que, apesar da discriminação, nunca deixou de ser católica. “Antes de retificar meu nome, a igreja não me aceitava como missionária, pois na certidão eu ainda estava como homem”, relembra. Atualmente, ela trabalha como produtora de um padre e sua filha é cantora mirim na igreja.

Ao lado da filhinha Rihana, hoje com 5 anos (Luiza Freitas/Acervo pessoal)

Apesar de tudo, Luiza se considera uma pessoa de sorte

A história dessa mulher daria um livro e, aos 38 anos, ela já passou por muito sofrimento nessa vida. Apesar disso, acredita ser uma mulher de sorte. “Depois de 30 anos, passei a ser aceita pela sociedade e pela minha minha mãe. Mas e aquelas intersex e transexuais que não podem engravidar? Ou os intersex que são mutilados na infância? Isso tudo é muito triste”.

Ela cita o caso de um amigo que hoje sofre as consequências da mutilação. “O Daniel teve o órgão sexual cortado, porque a família quis criá-lo como menina. Mas ele acabou se descobrindo como homem e hoje sofre muito”.

Assim como a modelo belga Hanne Gaby Odiele, que recentemente revelou ser intersexual, Luiza defende que esse tipo de cirurgia é inaceitável. Definir o o gênero de uma criança intersexual pode trazer muita dor e sofrimento, pois esses procedimentos são irreversíveis.

De uma vez por todas, precisamos deixar o preconceito de lado

É muito assustador perceber que pouquíssimo se fala sobre intersexualidade, por mais que essas pessoas representem quase 2% da população mundial. Aí não é de se admirar que os pais não estejam preparados para lidar com a chegada de um filho intersex.

Para Luiza, o ideal seria poder registrar essas crianças como intersexuais, ao invés de obrigar a família a escolher um gênero para ser colocado na certidão de nascimento. Infelizmente, isso ainda é inviável. Mesmo assim, é possível que os pais tentem tratar isso com naturalidade dentro de casa, prestando atenção ao comportamento da criança.

“Deixe a criança seguir o curso dela, para ver como ela se sente. Mesmo que, por exemplo, ela tenha nascido com pênis, mas seja intersex a partir dos hormônios. Porque os hormônios vão mexer com o psicológico e é ela que precisa dizer qual é o seu gênero, não os pais e nem os médicos”. Luiza também acredita que os pais não devem ter medo de explicar à criança que ela nasceu diferente das outras.

E é justamente para tentar fazer com que esse assunto deixe de ser tabu que Luiza resolveu abrir sua história. Não dá mais para varrer o assunto para baixo do tapete, enquanto milhares de pessoas estão sofrendo por conta do preconceito e da mutilação genital. “Só comecei a falar sobre isso abertamente há cerca de um ano. Resolvi fazer isso, pois acho que assim conseguirei ajudar outras pessoas na mesma situação. Todo mundo tem o direito de ser feliz e ninguém merece passar pelo que eu passei”, finaliza.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s