Como recuperar a autoestima após o fim da relação

Descobri que ele me traía e fiquei péssima. Só melhorei depois de ler dicas em um site na internet

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 06/04/2010 em

Sou+Eu

um conteúdo de

Como recuperar a autoestima após o fim da relação
Marcela Delphino

Eu aprendi que devemos focar no que temos de bom no corpo e não nos defeitos
Foto: arquivo pessoal

Depois de 12 anos de namoro, o Lucas passou a dar desculpas pra não me ver. Ele dizia que estava deprimido e que se sentia mal por eu pagar tudo quando a gente saía. Mas eu só comecei a desconfiar de traição quando vi recados no Orkut de uma aluna do cursinho em que ele dava aula. Ele garantia que não tinha nada a ver.

Com aquele desprezo, fui me afundando na falta de amor próprio. Os meus 50 kg do início do namoro se transformaram em 72 kg! Sem vida social, eu descontava minhas frustrações na comida. Devorava uma barra de chocolate todas as noites.

O problema é que esse desânimo começou a refletir no meu trabalho. Em abril de 2009, meu chefe disse que eu tinha me tornado uma pessoa amarga. Como gerente de um grupo de franquias de uma marca de cosméticos, o bom relacionamento com a equipe era fundamental. Eu tinha que mudar minha atitude ou seria demitida. 

Foi nessa situação que, em maio do ano passado, resolvi buscar ajuda na internet. Entrei em um site de busca e digitei ''autoestima''. O primeiro resultado foi o blog da escritora Gisela Rao, o Vigilantes da Autoestima. Fiquei impressionada: ela falava pra mim! Passei a ler todos os dias, sempre depois do trabalho.


Sobre o blog ''Vigilantes da Autoestima''

A Gisela falava sobre como nós, mulheres, nos colocamos na posição de coitadinhas, implorando a aceitação dos parceiros. Eu também reprimia minhas vontades pra agradar o meu homem. É que eu achava que poderia recuperar a alegria do começo do namoro. Recomendo a todas o blog que me levantou. O endereço é: http://vigilantesdaautoestima.zip.net


Flagra humilhante

Eu já pressentia o pior quando, em outubro do ano passado, a tal aluna do meu namorado ligou no meu celular: ''Pare de procurar o Lucas, ele é meu namorado há quatro meses. Se quiser conferir, apareça hoje lá em casa''. Eu fui. E ele estava lá! Fiquei tão chocada que demorou uns minutos para minhas pernas responderem e eu dar o fora dali, humilhada, sendo chamada de neurótica por ele.


Eu assumia as contas dele!

Eu era uma mãe para o Lucas: pagava as contas dele, colocava gasolina no carro e até comprava roupas! E ele nunca tinha dinheiro pra me dar presentes ou me levar pra sair. Na verdade, um bilhetinho ou um bombom já me deixariam feliz.

Nosso relacionamento começou a piorar quando fui promovida em 2006. Ele dizia que eu só pensava no trabalho e me deixava sozinha pra viajar. Lucas não entendia que eu não podia abandonar os compromissos do cargo de gerente.


Passei a realçar o que tinha de melhor

Na noite do flagra, ele ligou pedindo desculpas. Disse que só tinha ficado com ela aquela vez e que havia se descontrolado. Resolvi parar de atender suas ligações. Aí, ele foi no meu trabalho, chorou e pediu perdão. Meu coração amoleceu, mas não durou muito. Depois do expediente, no mesmo dia vi o safado com a aluna num barzinho. Aí, encarei a realidade e decidi não procurá-lo nem permitir que ele se aproximasse de mim.

Nessa fase, o blog da Gisela foi determinante. Pra ser mais precisa, o post 133, que falava sobre realçar o que temos de bom no corpo e não focar nos defeitos. Me olhei no espelho e percebi que gosto dos meus olhos, do meu sorriso e cabelos. Passei a valorizar meus pontos fortes. 


Fiz amigos e hoje viajo, danço, vivo!

Consegui tirar da minha vida o que me fazia infeliz! É como diz a Gisela: ''Não precisamos disso!''. Depois dessa virada, fiquei conhecida no salão por sempre fazer pedicure, manicure, escova, massagem... Sem contar que aposentei o pijama no fim de semana e comecei a investir na minha imagem.

No dia 31 de dezembro, a Gisela escreveu: ''Feche um ciclo para abrir um novo''. Fui então para o Rio de Janeiro passar meu primeiro Réveillon à beira-mar. Em Copacabana, fiz um minirritual. Abri um buraco na areia e pensei: ''Aqui está enterrada a Denise que se sente menor do que os outros''. À meia-noite, me propus uma nova vida.

Percebi que sorrir atrai as pessoas. A Gisela me ensinou a não rejeitar elogios. Em vez de dizer ''São seus olhos'', eu agradeço. E mais: fiz amigos, comprei meu carro, viajo, saio e danço muito! Aos 30 anos, cheguei em casa com o dia amanhecendo pela primeira vez. Se meu ex sabe disso tudo? Não me importa. Não fiquei bonita pra me vingar. Fiz por mim! Eu sou meu amor eterno.

As mulheres precisam se valorizar

A escritora e publicitária Gisela Rao fundou o programa Vigilantes da Autoestima (VAE) em 2000, no prédio em que morava. Tudo começou porque uma vizinha dela estava muito triste com o fim de um relacionamento. Então, durante dois anos, um grupo de oito mulheres se reuniu para ouvir umas às outras e tentar buscar saídas para a vida.

Com o boom dos blogs, Gisela resolveu levar o VAE para a internet, com a parceria da psicóloga Neiva Bohnenberger. Há apenas nove meses no ar, o site já recebeu mais de 400 mil visitas e 5 mil comentários. Com o slogan ''Atitudes que transformam sua vida'', Gisela mostra como ela própria lida com suas imperfeições de forma positiva.

No site, ela afirma que 80% dos problemas de baixa autoestima desapareceriam se as mulheres parassem de se depreciar.

Mais