Pular para o conteúdo principal

PUBLICADO EM

29/10/2014

ATUALIZADO EM

29/10/2014

Dicas de segurança na internet para as crianças e adolescentes

A internet ampliou as fronteiras e embaralhou responsabilidades: agora pais e professores se perguntam de quem é a tarefa de ensinar os pequenos a se proteger dos perigos digitais
Dicas de segurança na internet para as crianças e adolescentes
Reportagem: Ana Aranha / Edição: MdeMulher

Os especialistas tendem a recomendar que todos os adultos trabalhem em conjunto para ensinar os pequenos a navegar com segurança
Foto: Getty Images

"Olha como ele aprendeu sozinho! Dá para acreditar?" Toda família já teve seu momento de puro deslumbramento ao ver uma criança - às vezes até um bebê - interagir com uma tela de celular. A agilidade com que dedinhos tão pequenos encontram os caminhos virtuais é mesmo incrível - e o assombro dos adultos, compreensível. O que nem pais nem professores admirados podem é se deixar levar e pensar que têm pouco ou nada a ensinar sobre tecnologia à criançada de hoje, que já chega ao mundo rodeada de toda essa parafernália, com a qual ganha intimidade rapidamente. Está aí uma conclusão perigosa.

"Você deixa uma criança só na rua? A mesma coisa vale para a internet", resume Erika Kobayashi, coordenadora de programas da Childhood Brasil, entidade que trabalha na prevenção ao abuso sexual infantil. Ela lembra que, apesar da facilidade tecnológica, a nova geração não sabe se proteger narede. Em coro com alguns educadores e especialistas em tecnologia, ela faz um alerta: os adultos precisam assumir a educação virtual das crianças e dos adolescentes. Mas, afinal, de quem é a responsabilidade: dos pais ou dos professores? Quem deveria, por exemplo, ficar de olho no que rola na comunidade que a classe criou em uma rede social?

A resposta a essas questões não é simples, porque o espaço virtual embaralhou as responsabilidades. Ocorre que, na internet, é mais difícil determinar de quem é a posse do território onde os problemas e conflitos acontecem. Há várias situações que podem se transformar em risco. Por exemplo, quando um aluno acessa a internet do próprio telefone durante o período de aula ou quando faz em casa, mas a pedido da escola, uma pesquisa no Google sobre o aparelho reprodutivo. Ou, ainda, se começa a trocar narede mensagens agressivas com um colega.

Justamente pela dificuldade em estabelecer limites entre os deveres dos educadores e os da família em casos assim, os especialistas tendem a recomendar que todos os adultos trabalhem em conjunto para ensinar os pequenos a navegar com segurança. "É papel dos dois estar presente na redee mediar as situações de conflito online. E nem é preciso ter conhecimento especializado para isso", afirma a psicóloga Juliana Cunha, coordenadora psicossocial do Helpline, canal de orientação gratuito a crianças e adolescentes vítimas de violência na internet da ONG SaferNet.

Plano de combate

O bloqueio de sites e até de certas palavras e imagens foi a primeira medida tomada por escolas do mundo todo, numa tentativa de barrar conteúdos inadequados. Mas os alunos logo passaram a se dedicar à tarefa de descobrir como quebrar as barreiras dos softwares de segurança colocados nos computadores das escolas. "Adolescentes veem filtros de conteúdo como um jogo de forças: 'Não querem que eu veja?' Então, quebrar o sistema vira um desafio", diz a pesquisadora Cristina Ponte, coordenadora da equipe portuguesa do projeto EU Kids Online, que pesquisa o uso da internet naEuropa. Outro problema é que os filtros frequentemente barravam pesquisas solicitadas pelos próprios professores. "Acabou mudando o paradigma. Hoje as políticas de segurança estão voltadas para a cultura de respeito", diz Cristina.

O trabalho de conscientização que os adultos precisam fazer com essa nova geração para enfrentar os perigos da rede tem várias etapas. Mas, segundo Juliana Cunha, da ONG SaferNet, o primeiro grande passo é pais e educadores criarem um código de conduta para as crianças na rede, do mesmo modo que estabelecem regras para a diversão no recreio ou um passeio no parque. Com os pré-adolescentes e adolescentes, a orientação pode ser aprofundada. Deve-se discutir com eles o conceito de identidade, tão alterado nos últimos tempos por causa do advento das redes sociais. "Tudo o que se publica ali faz parte da construção da identidade. Nenhuma informação postada passa impunemente", alerta Regina de Assis, especialista em mídias na educação, do Rio de Janeiro. Nessas conversas, ela diz que os adultos têm de "abrir o jogo" sobre os riscos de assédio, a perda de privacidade e os danos ao se navegar em sites que incitam a violência.

Especificamente em sala de aula, educadores podem trabalhar uma navegação mais construtiva com a garotada. "O professor deve falar sobre sites inadequados e apresentar aqueles que são interessantes, enriquecedores para o estudo, pois cabe a ele oferecer um menu de alternativas de pesquisa aos alunos", diz Regina. E pondera: "Tomar consciência da urgência do diálogo sobre segurança na internet é importante, mas não é preciso pânico".

Segurança dentro de casa
 
1. Nem entre quatro paredes seu filho está seguro.
2. Dicas para começar já a fazer sua parte na redução dos riscos dele no espaço online.
3. Mantenha o computador que as crianças usam em áreas comuns, como a sala de estar, e com o som aberto (sem fones de ouvido).
4. Navegue junto com os pequenos nos primeiros anos de contato deles com a internet.
5. Altere as configurações do YouTube para que o site não aça indexação de vídeos. Isso significa que diminuirão as sugestões de outros vídeos relacionados que surgem no canto da tela ou no fim de cada exibição.
6. Não proíba os pequenos de entrar em redes sociais, e bora não sejam recomendadas para menores de 13 anos
7. Se fizer isso, eles entrarão escondidos. Melhor conversa sobre os riscos e convencê-los a nunca adicionar estranhos. Atenção: crianças não têm 300 amigos!
8. Não tente controlar cada passo online de um filho adolescente. Dialogue com ele sobre a vida virtual e mostre como evitar riscos. Assim, ele não a verá como uma bisbilhoteira.
9. Se seu filho joga pela internet com desconhecidos, orientte-o a criar um apelido e nunca abrir informações pessoais.Aborde noções de privacidade - e o valor
disso – com crianças e adolescentes.
10. Explique a importância de nunca repassar a senha a amigos.
11. Estabeleça horários para navegar e não deixe seus filhos conectados o dia todo.
12. Oriente os pequenos a não publicar informações sobre os locais que frequentam.

Vote nas finalistas do 21º Prêmio CLAUDIA

Trabalho Social

  • Marineide Silva
    Marineide Silva

    Criou uma ONG para ensinar corrida para mais de 500 crianças e adultos no bairro mais violento de São Paulo

  • Brigitte Louchez
    Brigitte Louchez

    Está à frente de uma ONG que luta para combater a exploração sexual de crianças e jovens em Fortaleza, no Ceará

  • Mônica Azzariti
    Mônica Azzariti

    A fonoaudióloga prepara policiais para que resolvam ocorrências nas favelas sem violência, evitando conflitos

Negócios

  • Cristina Junqueira
    Cristina Junqueira

    Criou o Nubank, cartão de crédito que pode ser administrado pelo celular, dispensa o banco e não tem anuidade

  • Mariana Alves Madureira
    Mariana Alves Madureira

    Trabalha para impulsionar o desenvolvimento econômico de lugares pobres estimulando o potencial turístico

  • Carla Renata Sarni
    Carla Renata Sarni

    Criou uma rede de consultórios que oferece tratamento odontológico a um custo acessível na periferia

  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Mãe escreve carta emocionante após filho com síndrome de Down se...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Mais vendidos: os produtos para tratamento do rosto preferido das b...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Olheiras: tipos, causas e tratamentos para não ter mais dúvidas s...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Este novo site quer mostrar o que realmente está por trás das nos...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Abdominal e corda: um treino de 20 minutos para exterminar a barrig...