(none)

Filhos e padrastos: 8 conselhos para evitar conflitos em família

Dicas para lidar com os problemas de relação e mostrar aos seus filhos que você tem o direito de amar de novo

Atualizado em 06/03/2011

Maria Elisa Arruk

Conteúdo SOU MAIS EU!

Num primeiro momento, o padrasto deve manter-se isento e só palpitar na educação dos filhos com a permissão da mãe
Foto: Dreamstime

O ciúme dos filhos é comum e esperado quando uma nova figura entra na família.Com diálogo, a mãe precisa apresentar para eles o estranho que vai entrar na vida familiar.

"É importante dizer que o padrasto não é um substituto do pai", explica a psicóloga Rosa Macedo, da PUC-SP. A mãe deve mostrar aos filhos que é uma mulher e tem direito a um companheiro. Importante: as orientações são  as mesmas quando a nova integrante é a madrasta.

Abaixo, confira algumas dicas da psicóloga:

1. Assuma a relação para os filhos e mostre as vantagens, como apoio financeiro e afetivo e segurança.

2. Separe os papéis de mãe e esposa. As obrigações de mãe são as mesmas.

3. Frise que o padrasto não vai substituir o pai e não exija que os filhos fiquem de beijos e abraços com ele logo no início. Peça apenas respeito e paciência às crianças.

4. Inverter a situação também pode funcionar. Pergunte ao filho como ele reagiria se a mãe ou o pai quisessem escolher a sua namorada ou esposa.

5. Num primeiro momento, o padrasto deve manter-se isento e só palpitar na educação dos filhos com a permissão da mãe. Ele só estará liberado para dar ordens e conselhos diretamente aos jovens quando tiver a confiança dos filhos.

6. A mãe deve evitar ao máximo a posição de intermediária. Se o filho está sendo malcriado, não use a fórmula do "Fulano não gosta!". Dê a ordem adequada diretamente para os filhos.

7. Se os problemas já estão acontecendo, é necessário reunir a família. É aí que o padrasto deve se colocar como alguém que quer ajudar.

8. Se o caso for muito complicado, procure orientação profissional. Várias universidades oferecem serviços gratuitos de terapia familiar.

História real
 

Foto: Marina Piedade

A auxiliar de limpeza Simone Regina Pinto, de 37 anos, teve que lidar com a rejeição dos filhos pelo padrasto, Juca, assim que eles atingiram a adolescência.

"Quando as crianças começaram a crescer, o ciúme tomou o lugar da paz e vivíamos com brigas e mentiras intermináveis", relata ela. Uma das filha de Regina chegou a inventar que o padrasto havia abusado sexualmente dela. Já um dos filhos, disse que havia visto o marido de sua mãe com outra mulher!

As mentiras não abalaram Regina, mas colocaram sua família contra Juca e acabaram separando o casal por dois anos.

Hoje, mais velhos, os filhos aprenderam a respeitar o padrasto. "Espero que eles compreendam que o amor de mãe é insubstituível. No entanto, também quero ser feliz com o homem que eu amo".

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.