Luiza Tomé e a arte de sempre dar a volta por cima e sorrir

A atriz cearense é guerreira! Aos 47 anos, já venceu várias dificuldades e agora ensina as atitudes que usou para resolver as crises e ser feliz

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 10/11/2011 em

Mais Feliz

um conteúdo de

Luiza Tomé e a arte de sempre dar a volta por cima e sorrir

Luiza Tomé superou vários problemas pessoais com sabedoria
Foto: Divulgação

Crise no casamento
"Tivemos uma crise grave em 2008. Quase acabamos, mas seguramos a onda, colocamos tudo na balança. Acho que vamos ter muitos problemas ainda, porém sinto que a cada dia que passa evoluímos na relação. Em um determinado ponto do casamento, a paixão vai embora e o que fica é o amor. Fazer o que lá fora? Viver uma aventura? Chegamos à conclusão de que não valia a pena deixar uma relação com três filhos se ainda nos amamos."

A distância da família por causa do trabalho
"Meu terapeuta diz que não adianta ficar 24 horas junto e não ter qualidade. O importante é o amor verdadeiro e estar inteira quando estiver com os familiares."

A passagem do tempo
"Nunca tive crise com a idade e só não quero me tornar uma velhinha rabugenta [risos]. Não pode ter preguiça. Puxo ferro, faço ginástica, hidro, localizada e alongamento. Não só pela estética como também pela saúde. Afinal, quem se exercita corre menos riscos de ficar doente."

Excesso de trabalho
"Tenho contrato com a Record até 2015. Por enquanto, dedico-me à peça [em cartaz no Rio, Uma Assim e Outra Assando, sobre a luta de uma mulher para superar o câncer de mama]. Pensei em não continuar na temporada, contudo o teatro tem a magia do aprendizado constante. Não posso abrir mão disso."

As decepções com as pessoas
"Ainda tenho aquela ingenuidade de menina. Acredito muito nas pessoas. Acho que todo mundo é do bem e que gosta de mim. Por isso, já quebrei a cara muitas vezes. Aprendi que  precisamos dançar conforme a música e aprender a separar as coisas para não se iludir nem se machucar."

A receita para todas as crises
"Sou inquieta e procuro me concentrar e falar com Deus. Esse ritual que faço não é só diante dos problemas; nos momentos de felicidade também. Agradecer nunca é demais."