Por que as pessoas odeiam a Sophia, protagonista de #Girlboss?

E até Britt Robertson, a intérprete da personagem, precisou sair em defesa dela.

Desde que foi lançada, no fim de abril, a série da Netflix “#Girlboss” tem dado o que falar pela internet. O motivo? O caráter da protagonista do seriado, Sophia Marlowe.

Leia Mais: 16 séries que são verdadeiras joias escondidas da Netflix

Uma espécie de caricatura da fundadora real da Nasty Gal, Sophia Amoruso que transformou uma loja online em um verdadeiro império e hoje coleciona polêmicas e até um pedido de falência, a personagem dividiu na internet por ter uma índole, digamos, muitas vezes ~duvidosa~.

Em entrevista recente ao site norte-americano “Bustle”, a intérprete do papel, Britt Robertson, admite concordar com os haters nesse aspecto: a personalidade da personagem realmente é difícil.

Na série, Sophia, muitas vezes, age de forma condenável: impulsiva e egocêntrica, normalmente não mede as consequências dos atos, é capaz de roubar, humilhar pessoas e não se sente acuada em pequenas trapaças.

Na opinião da atriz, porém, isso é uma parte essencial da história. “Eu acho que esse é justamente o propósito da série, para ser sincera”, ela diz. “O fato de ela ser odiável é uma parte importante da história. E ela encontra dificuldades na vida porque ninguém entende o passado dela ou quem ela é. Ela não é uma heroína tradicional. Mas, ok, acho que as críticas são justas. As pessoas têm o direito de se sentirem do jeito que quiserem em relação a um personagem”, avalia.

Mas Sophia é mesmo um monstro?

Longe disso , quem assistiu ao seriado, também consegue enxergar algumas qualidades na protagonista. Humilde, ela é capaz de reconhecer os erros (depois de um tempo, é verdade!), pedir perdão e, olha só, com o tempo e o sucesso do negócio, amadurece e pode até ser mais simpática aos olhos de quem assiste.

Ela é uma anti-heroína? Sim. Ela usa do privilégio de ser uma garota rica e branca para fazer o que quer? Sim. Mas é impossível não se perguntar se, caso Sophia fosse um homem, como ela seria recebida pelo público? Don Draper, de “Mad Men”, e Walter White, de “Breaking Bad”, por exemplo, fizeram coisas muito piores e sempre tiveram o amor dos espectadores.

(Divulgação/Netflix)

Agora, vale pontuar como a “Sophia da vida real” possui mesmo uma persona pública polêmica: ela já sofreu diversas críticas ao longo dos anos – e, ao que parece, a empresa tratava suas funcionárias grávidas de forma injusta e chegou a sofrer um processo.

Ao “Bustle”, porém, Robertson faz questão de enfatizar o quanto a personagem e a pessoa real são diferentes. “Acho que nós usamos as melhores partes dela”, revela a atriz, “mas, depois, tudo foi exagerado, no intuito de transformar tudo em entretenimento. É uma comédia”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s