(none)

E-commerce de moda cresce e traz vantagens

Exclusividade é uma delas. Entenda o novo modelo de negócios

Publicado em 20/06/2012

Reportagem: ELLE - Edição: MdeMulher

Praticidade é ponto positivo do e-commerce
Foto: Getty Images


O e-commerce - a venda de produtos pela internet - está crescendo graças à praticidade proporcionada. Desde o boom dessa sites nos moldes do famoso Net-a-Porter - criado em 2000, na Inglaterra, pela ex-jornalista de moda Natalie Massenet -, os executivos do mundo fashion enxergaram uma possibilidade de fazer negócios.

Quem recentemente entrou no jogo é a empresária Alice Ferraz, com o lançamento do F*Hits Shops, uma evolução de seu projeto de rede de blogs de moda. Para entender melhor a venda virtual, Alice encomendou uma pesquisa que mapeou o comportamento das consumidoras. Cerca de 1,5 mil mulheres, entre 18 e 55 anos, de diversas regiões do Brasil, participaram.

O resultado comprova que o ecommerce tem tudo para explodir. "Mais de 80% afirmaram fazer compras pela internet, sendo 30% mensalmente", conta. Os dados animadores não param por aí: o gasto médio por mês é de R$ 429, entre 21 e 46% do salário.

Outra novata no mercado é a loja Olook. Com direção de moda de Helena Linhares, o site já conta com 1 milhão de consumidoras cadastradas. O segredo do sucesso? Preços atraentes e novidades saindo do forno a todo momento, bem ao estilo fast fashion. Diferentemente de outras lojas virtuais, a Olook desenvolve suas próprias coleções, focadas em acessórios.

O e-commerce também traz vantagens para quem produz. "Trata-se de um mercado altamente técnico e competitivo, cuja principal vantagem é o ganho de escala", afirma Alexandre Icaza, sócio-diretor da loja virtual Glamour e um dos homens por trás do sucesso da Sack’s.

Ou seja, em vez de as marcas venderem em uma só loja, em uma cidade, o país inteiro (e até o mundo, em casos mais ambiciosos) vira um potencial consumidor. O mercado parece estar realmente animado com os novos rumos. Icaza viu a Glamour crescer 60% em 2011, com faturamento de R$ 15 milhões.

Quem também vai bem é a Shoes4You. Criada em setembro de 2011 por Olivier Grinda, a página, que trabalha com o modelo de assinatura, mostrou um crescimento de 400% entre novembro e dezembro.

Com o sucesso, surgem novos serviços, como é o caso do Click-à-Porter, agregador de lojas virtuais. Lá, o internauta pode ver mais de 30 mil produtos de sites diferentes.

É claro que ainda existem muitos inconvenientes na compra virtual, como não poder experimentar. No exterior, alguns e-commerces já oferecem um provador virtual com a tecnologia da realidade aumentada: a pessoa se posiciona em frente à câmera do computador, que sobrepõe uma imagem da peça, oferecendo uma visualização (ainda rústica) do caimento.

Por aqui, o OQVestir, criado em 2009, monta semanalmente look books, que ajudam a mostrar como as roupas vestem. Outra dificuldade desse negócio é convencer grifes a participar. Icaza, da Glamour, conta que, mesmo com o histórico de sucesso da Sack’s, ouviu muitas negativas. “Ainda existem algumas marcas que têm como política não vender pela internet. Mas isso vai acabar”, diz, otimista.

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

Jessica - Conheci em uma materia o:modatrade.com.br que cria lojas para moda sem investimentos e com toda estrutura de tecnologia até a entrega,muito boa a iniciativa deles. - 04/11/2012 23:44:13

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.