Pular para o conteúdo principal

PUBLICADO EM

04/06/2012

ATUALIZADO EM

02/07/2015

10 dúvidas sobre fertilização assistida

O procedimento, os riscos e as probabilidades de sucesso.
Fertilização assistida
Boris Kaulin/Thinkstock/Getty Images

Desde o nascimento do primeiro bebê de proveta, que é hoje uma moça de mais de 30 anos, as técnicas de fecundação assistida se tornaram rotina nas clínicas de reprodução humana no mundo inteiro. Casais que antes sofriam com a impossibilidade de engravidar aumentaram, e muito, suas chances de realizar o sonho de ter filhos. Tanto a inseminação artificial como a fertilização in vitro ainda geram dúvidas entre os casais com problemas de infertilidade, que afetam de 10 a 15% da população adulta. Veja o que os especialistas dizem sobre o assunto.
 
1. Posso escolher o sexo do bebê?

Somente em situações especiais, como diante da possibilidade de transmissão de doenças determinadas pelo sexo. A hemofilia é uma delas. Nesse caso, é feita uma fertilização em laboratório e, depois, os especialistas implantam, na mulher, apenas um ou dois embriões do sexo escolhido, masculino ou feminino. Os médicos não têm autorização do Conselho Federal de Medicina (CFM) para praticar, indiscriminadamente, a chamada sexagem, sob pena de sanções éticas. Além da sexagem, existem técnicas que aumentam as chances de o casal ter um menino ou uma menina. Na inseminação artificial, em que os gametas do homem são previamente coletados e depois implantados na mulher, é possível fazer uma seleção de espermatozoides masculinos ou femininos, conforme o que se deseja. Ou ainda: monitorar a ovulação e transferir os espermatozoides na melhor data. Os masculinos, mais rápidos e menos resistentes, chegam primeiro e levam vantagem, se forem implantados logo após a ovulação. Os femininos, mais lentos e mais resistentes, têm chance maior de fecundar o óvulo se a inseminação acontecer bem antes da ovulação. No entanto, alertam os especialistas, a reprodução assistida existe para ajudar casais com problemas de infertilidade, e não para a escolha do sexo do bebê.
 
2. Posso engravidar de gêmeos?
A gravidez de gêmeos é bastante comum nas técnicas de reprodução assistida. As chances de isso acontecer chegam a 25%. Ou seja, de cada quatro gestações com fertilização in vitro, uma é múltipla. Com a fertilização natural, a probabilidade é de 1%. Mas as novas normas médicas pretendem reverter essa estatística. Antigamente, transferia-se até quatro embriões para o útero da futura mamãe, mesmo em jovens. Hoje, mulheres de até 35 anos podem receber, no máximo, dois embriões. Mais do que isso, somente as mais velhas, menos férteis. Mulheres de 36 a 39 anos têm direito à transferência de três embriões e as acima de 40 anos podem receber quatro embriões. A gestação múltipla aumenta os riscos de hipertensão e diabetes na mãe e de nascimento prematuro dos filhos.
 
3. Quem é o responsável pela infertilidade do casal?
Meio a meio. O homem responde por 40% dos casos e a mulher também por 40%. Nos outros 20%, a infertilidade é conjugal, compartilhada por ambos.
 
4. Qual é a minha chance de engravidar na primeira tentativa?
Depende. Vários fatores podem influenciar o sucesso ou não de uma fecundação assistida. O principal deles é a idade. Mulheres mais novas têm mais chance de engravidar na primeira tentativa, com índices de 40 a 50%. Aos 40 anos, a probabilidade cai para 20% e continua declinando, conforme passa o tempo. Uma das maneiras de a mulher aumentar suas chances de engravidar é cuidar bem do corpo e da mente. Bebidas alcoólicas, cigarro, drogas, estresse excessivo e obesidade contribuem para a infertilidade. A primeira fase de um tratamento pode durar de quatro a cinco meses.
 
5. Vou conseguir engravidar com 100% de certeza?
Não, não há a garantia total, mas as técnicas evoluíram bastante nas últimas três décadas. Hoje, os especialistas em reprodução humana conseguem até injetar um espermatozoide dentro do óvulo (na verdade, do oócito). É a chamada ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides). Uma evolução dessa técnica, a Super ICSI, permite o aumento da visualização do espermatozoide acima de 6,5 mil, o que garante a escolha de um gameta morfologicamente mais propenso à fecundação.
 
6. A reprodução assistida engorda?
As técnicas de fecundação assistida preveem tratamento hormonal, que pode elevar a retenção de líquido. A ansiedade diante da situação também leva muitas mulheres a exagerar na comida, se preocupar mais com o filho e menos com o corpo. Há casos em que elas até perdem peso. Portanto, não existe regra. O ideal é que as futuras mamães ganhem entre 10 e 12 kg durante a gestação.
 
7. Existe um limite de idade para tentar a fertilização assistida?
A natureza é sábia. Ela preserva a fertilidade da mulher até idades em que a mãe ainda tem disposição física para tomar conta da prole. O pico de fertilidade da mulher se encerra, em média, aos 35 anos. Depois dessa idade, suas chances de engravidar começam a cair. É diferente do homem, que produz seus gametas a cada 70 dias e repete esse ciclo mesmo depois dos 65 anos. Já a mulher nasce com 400 a 500 mil óvulos e vai perdendo seus gametas conforme a idade avança. Com a aplicação de técnicas de reprodução assistida, mulheres de 45 anos ou mais conseguem engravidar, principalmente com o uso de óvulos doados. Mas a medicina tem limites.
 
8. A chance de meu filho nascer com problemas é maior?
Os especialistas em reprodução humana garantem que as chances de ter um filho com problemas de formação durante uma fecundação assistida não são maiores nem menores do que na reprodução natural.
 
9. Quanto custa o tratamento?

Seu custo varia de 5 mil a 20 mil reais. Com os medicamentos, os valores podem dobrar. Médicos especialistas em reprodução humana, embriologistas, urologistas, geneticistas e outros profissionais participam do processo de seleção e preparação de embriões capazes de gerar uma gravidez.
 
10. Qual é o método mais indicado?
A técnica mais eficaz ainda é a fertilização in vitro. Por isso, ela é indicada em casos complexos de infertilidade. Mas a inseminação artificial e o coito programado podem ser suficientes para viabilizar a gravidez de muitos casais.

Vote nas finalistas do 21º Prêmio CLAUDIA

Negócios

  • Cristina Junqueira
    Cristina Junqueira

    Criou o Nubank, cartão de crédito que pode ser administrado pelo celular, dispensa o banco e não tem anuidade

  • Mariana Alves Madureira
    Mariana Alves Madureira

    Trabalha para impulsionar o desenvolvimento econômico de lugares pobres estimulando o potencial turístico

  • Carla Renata Sarni
    Carla Renata Sarni

    Criou uma rede de consultórios que oferece tratamento odontológico a um custo acessível na periferia

Trabalho Social

  • Marineide Silva
    Marineide Silva

    Criou uma ONG para ensinar corrida para mais de 500 crianças e adultos no bairro mais violento de São Paulo

  • Brigitte Louchez
    Brigitte Louchez

    Está à frente de uma ONG que luta para combater a exploração sexual de crianças e jovens em Fortaleza, no Ceará

  • Mônica Azzariti
    Mônica Azzariti

    A fonoaudióloga prepara policiais para que resolvam ocorrências nas favelas sem violência, evitando conflitos

Consultora NATURA

  • Juthay Nogueira
    Juthay Nogueira

    Promove ações para evitar que os jovens entrem para o tráfico de drogas, em uma comunidade de Belo Horizonte

  • Nilcimar Maria Silvestre dos Santos
    Nilcimar Maria Silvestre dos Santos

    Fundou uma associação que apoia vítimas de agressão doméstica e estimula o empreendedorismo 

  • Rozimere Santos Oliveira Souto
    Rozimere Santos Oliveira Souto

    Líder que organiza a produção agrícola e o empreendedorismo entre as mulheres, no Sertão da Paraíba

Revelação

  • Alessandra Orofino
    Alessandra Orofino

    Esta à frente de uma ONG que conecta pessoas interessadas em solucionar problemas no Rio de Janeiro

  • Raquel Helen Santos Silva
    Raquel Helen Santos Silva

    Destaca-se por criar projetos de empoderamento e por conseguir apoio internacional para as causas feministas

  • Samantha Karpe e Letícia Camargo Padilha
    Samantha Karpe e Letícia Camargo Padilha

    Desenvolveram uma cobertura para ruas e estradas mais resistente, econômica e sustentável que a convencional

Políticas Públicas

  • Heloísa Helena de Oliveira
    Heloísa Helena de Oliveira

    Monitora e argumenta com políticos para alterar projetos de lei que não favorecem os jovens do Brasil 

  • Maria Clara de Sena
    Maria Clara de Sena

    Única transexual no mundo no cargo de Mecanismo de Prevenção e Combate à Tortura, luta pelos direitos LGBTs 

  • Paula Johns
    Paula Johns

    Fundadora da Aliança de Controle do Tabagismo + Saúde, batalha para controlar o tabagismo  

Cultura

  • Anna Muylaert
    Anna Muylaert

    Diretora do filme Que Horas Ela Volta?, aqueceu a discussão sobre a exploração do trabalho doméstico no Brasil

  • Mari Corrêa
    Mari Corrêa

    Realiza oficinas de cinema em aldeias do Xingu e ensina os índios a registrar sua cultura, história e hábitos

  • Panmela Castro
    Panmela Castro

    Imprime sua arte em murais e performances e oferece oficinas para prevenir a violência contra as mulheres 

Ciências

  • Adriana Melo
    Adriana Melo

    Especialista em medicina fetal comprovou a relação entre infecções por zika em e as malformações em bebês

  • Eliana Abdelhay
    Eliana Abdelhay

    Desenvolve pesquisas a fim de melhorar os prognósticos de doenças graves e agiliza o diagnóstico de câncer

  • Thelma Krug
    Thelma Krug

    Restringe o desmatamento nas florestas e emissão de poluentes, responsáveis pelas mudanças climáticas

  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Testamos as famosas massagens tailandesas que tratam dores e propor...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    A foto desta mãe abraçando a caçula antes de ter outro filho vai...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Conheça o coletivo de advogadas que já atendeu centenas de mulher...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    As maiores tendências de verão para você já ir preparando o arm...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Sasha Meneghel lacra na primeira entrevista na TV: "Já tive u...