Quando o problema de não engravidar está na mulher

Ovários policísticos, endometriose, alterações da tireoide... Muitas podem ser as causas que afetam o sexo feminino, responsável por 40% dos casos de infertilidade.

Escrito por

Rachel Campello

Atualizado em 08/06/2015 em

Bebê
Barriga de gravidez
Thinkstock/Getty Images

Com tantas grávidas circulando por aí (sem falar nos bebês e nas crianças), é difícil acreditar que a infertilidade seja um problema na vida de tantos casais. No Brasil, cerca de 12 milhões de pessoas encontram dificuldade para engravidar em algum momento da vida. A boa notícia é que, ao detectar o problema, mais da metade deles tem solução. Veja quais são as principais causas que afetam as mulheres, responsáveis por 40% dos casos de infertilidade.
 
Síndrome dos ovários policísticos: causada por um desequilíbrio hormonal e excesso de hormônio masculino, ela provoca irregularidade menstrual, aumento de pêlos e oleosidade, ganho de peso e acne. A ovulação também fica comprometida, o que dificulta a gravidez. Mas é importante ressaltar que a gestação pode ocorrer mesmo dentro deste cenário. "Além da pílula anticoncepcional, a gestação é uma excelente forma de tratar o problema, pois estabelece outro padrão hormonal no organismo", explica a ginecologista e obstetra Lucila Pires Evangelista, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.
 
Endometriose: a doença ocorre quando a mucosa que reveste o útero é expelida dentro da cavidade do abdômen ao invés de ser eliminada através do canal vaginal junto com o sangue da menstruação. "Esse quadro aumenta o fluxo, provoca dor durante o ato sexual e dificulta muito a concepção", explica Lucila Pires Evangelista. Em contrapartida, estar grávida - ou com a menstruação suspensa - é um dos melhores tratamentos.
 
Problemas ovulatórios: essa é a principal causa de infertilidade nas mulheres. Geralmente, o que ocorre é uma falha na liberação de hormônios, irregularidade no ciclo menstrual ou problemas nos ovários. Diante disso, a ovulação fica prejudicada ou até mesmo bloqueada. Com medicação, é possível reverter o quadro.
 
Bloqueio nas trompas de falópio: as tubas (como são atualmente chamadas as trompas) têm um papel essencial na fertilização, pois são o canal por onde o óvulo segue ao encontro do espermatozóide e, após se unir a esse, leva o ovo fecundado rumo ao útero. Quando obstruídas, esse processo não acontece e nem a gravidez. As principais vilãs são as doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia e gonorréia. Em alguns casos, as tubas não chegam a ficar bloqueadas, mas sua capacidade de empurrar o óvulo é danificada pelas inflamações. Ainda assim a gravidez é possível via fertilização artificial.
 
Alterações da tireoide: o aumento ou a diminuição da função da glândula tireóide leva a um desequilíbrio hormonal. Isso pode refletir no funcionamento dos ovários e, consequentemente, na produção dos hormônios LH e FSH, responsáveis por fazer o óvulo crescer e amadurecer.
 
Aumento da prolactina: quando esse hormônio está em alta, os ovários não funcionam adequadamente. O problema bloqueia ou interfere na ovulação.