Beber café em excesso pode mesmo matar? Ciência explica

Morte de adolescente por "overdose" de cafeína gera preocupação - mas será que é para tanto?

No último mês, os Estados Unidos ficaram chocados com a morte de um adolescente de 16 anos após uma “overdose” de cafeína. O mais impressionante de tudo? Ele só tinha ingerido, em um período de duas horas, três bebidas cafeinadas: um café com leite, um refrigerante e um energético.

Isso deixou muita gente se perguntando quantos cafés deveríamos tomar em um dia só.

Afinal de contas, vamos combinar: o número três nunca gerou preocupação, no nosso ~termômetro~ mental sobre cafeína. Tem gente que toma mais de cinco xícaras por dia e está muito bem, obrigada.

Leia mais: Bebidas geladas com café para turbinar suas manhãs de calor

Pensando na nossa saúde, porém, é interessante entendermos o ponto em que o consumo dessa substância pode ser tornar perigoso.

(Reprodução/Giphy)

A verdade é que a cafeína ainda é uma substância um tanto misteriosa para a ciência. Segundo a revista The Atlantic, por exemplo, sabe-se que ela surge nas plantas para espantar insetos e animais herbívoros e que pode ser usada em diferentes funções na medicina. Mas, quando o assunto é este limite diário, ainda são levemente nebulosas as conclusões.

“A cafeína, o álcool e a maconha são drogas recreativas”, explica o toxicologista sueco Alex Wayne Jones em entrevista ao Vox, site norte-americano. “E a mais segura entre todas elas é a cafeína”. Mesmo assim, é preciso prestar atenção.

Leia mais: 5 fatos surpreendentes sobre o café, o maior dos estimulantes naturais

Desde 2003, é de 400 mg (cerca de 3 xícaras de 150 ml de café) o limite de cafeína diária respaldado com mais força pela ciência – e Esther Myers, do Life Science Institute, resolveu recentemente verificar se este número deveria ser mantido. Ela examinou cerca de 700 estudos na área e descobriu que, na verdade, o limite de cafeína diária é bastante relativo.

“Há uma grande variabilidade de pessoa para pessoa quanto à resposta do corpo à cafeína”, esclarece Myers em entrevista à The Atlantic. “Isso é uma das lacunas em minha pesquisa. Nós precisamos identificar melhor as diferenças entre as pessoas para conseguir identificar quem é mais sensível”.

Leia mais: Caindo de sono? A “soneca cafeinada” pode resolver seus problemas

Em média, portanto, 400 mg de cafeína é uma quantidade segura – mas nem sempre é o caso. Para pessoas que não têm o costume de tomar café, por exemplo, podem surgir reações adversas, como o nervosismo ou a insônia.

(Reprodução/Giphy)

Em seu estudo, o toxicologista  Alex Wayne Jones descobriu que apenas 51 mortes causadas pela cafeína foram registradas entre 1959 e 2010. Ou seja: são raríssimos os casos.

Leia mais: 16 momentos cruciais em que o café é seu melhor amigo

As complicações de saúde ligadas à substância, segundo o mesmo levantamento, também são raras. Quando consumida de forma líquida, ela não é tão perigosa quanto parece.

No caso do garoto norte-americano que morreu recentemente, é provável que seja a combinação entre a cafeína e outros elementos presentes nos energéticos o que causou a morte.

Mas de uma coisa a gente sabe: cuidado nunca é demais, né?

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s