Pular para o conteúdo principal

PUBLICADO EM

03/12/2014

ATUALIZADO EM

23/03/2015

Quando a pinta é perigosa?

Esclareça suas dúvidas sobre o assunto
Quando a pinta é perigosa?
Cristina Nabuco - Edição: MdeMulher

Cobiçadas no tempo de Marilyn Monroe e sua charmosa versão instalada na bochecha, elas passaram a ser condenadas a partir da descoberta da relação com o câncer de pele. A ordem era remover sempre! Agora, reina o equilíbrio: a análise periódica permite diferenciar as pintas perigosas das inofensivas e só intervir se houver necessidade. Sorte dos apreciadores! O dermatologista Luís Torezan, diretor da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, esclarece as principais dúvidas sobre o assunto

 

 
Por que as pintas aparecem? 
As pintas ou nevos, o nome científico, são pequenas formações planas ou em relevo, lisas ou rugosas na pele. A maioria apresenta tons de castanho e são compostas de células especiais, as névicas, que não têm outra função além de formar essas lesões. O que determina o aparecimento é a predisposição genética, mas a exposição solar também conta. Quanto mais toma sol, maiores os riscos de você ter pintas precocemente. Elas "nascem" geralmente na infância e adolescência, mas algumas podem surgir até a terceira década de vida. 
 
Todas as pintas são perigosas? 
Não. Algumas podem trazer prejuízo estético, mas não oferecem risco de transformação maligna. Já as discretas e instaladas em locais escondidos podem causar maior preocupação. 
 
Pintas e sardas são a mesma coisa? 
Não, são formações diferentes. As sardas sempre são planas, têm coloração castanho-claro e decorrem do aumento na quantidade de melanina, pigmento que colore a pele e é produzido por outra célula, o melanócito. O principal fator desencadeante para quem apresenta tendência hereditária para desenvolvê-las é a exposição à luz solar. Por isso deve tomar muito cuidado especialmente na praia e no alto verão: o sol pode aumentá-las em quantidade e tamanho e vir a escurecê-las. 
 
Por que são mais comuns em quem tem pele clara? 
Tanto as pintas quanto as sardas se desenvolvem mais em ruivos e loiros em decorrência da sensibilidade aos raios ultravioleta. Mas morenos e negros não estão imunes e, portanto, também devem evitar exposição ao sol em horários de pico. 
 
Pessoas com muitas pintas correm mais risco de câncer de pele? 
Sim, elas são mais vulneráveis aos tumores de pele, inclusive o tipo mais grave, o melanoma, que tem alto risco de metástase (quando surgem focos do tumor em outros locais) e não responde bem ao tratamento, a menos que seja removido em estágio precoce. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, o câncer de pele corresponde a 25% de todos os tumores malignos registrados no país, porém o melanoma representa apenas 4% desses tumores. Para 2012, são esperados 6230 novos casos, 3170 em homens e 3060 em mulheres. A faixa de maior incidência é entre 30 e 40 anos. 
 
O câncer sempre se desenvolve a partir de uma pinta perigosa? 
O melanoma, sim. Mas os cientistas não sabem dizer se as pintas benignas se transformam em malignas por traumas e exposição exagerada ao sol ou se isso acontece apenas com as que já nascem predispostas a originar o tumor. Já os tipos menos severos de câncer de pele (carcinomas basocelular e espinocelular) não têm relação com pintas. 
 
As piores são as de cor negra? 
Apesar de chamarem mais atenção, pintas negras não estão sempre relacionadas ao melanoma. O mais importante é a alteração na pigmentação: era castanha e ficou com as bordas pretas, adquiriu tripla coloração ou a cor se tornou irregular. Então, ela deve ser avaliada por um dermatologista. 
 
Se a pinta tiver pelo significa que é mais perigosa? 
Em geral, essas pintas aparecem na primeira infância e são inofensivas, mas devem ser vistas pelo médico, especialmente se tiverem mais de 6 milímetros de diâmetro. 
 
Que parâmetros são considerados para analisar uma pinta? 
As associações médicas desenvolveram o padrão ABCDE, sendo A de assimetria (um lado difere muito do outro); B de bordas (os contornos são irregulares, há reentrâncias para dentro e para fora); C de cor (a coloração é irregular); D de diâmetro (acima de 6 milímetros, o risco de melanoma aumenta); e E de evolução (refere-se ao crescimento acelerado). 
 
É preciso ficar mais atento às pintas localizadas nas áreas expostas? 
Embora seja mais frequente em áreas expostas ao sol, o melanoma também pode aparecer em locais escondidos, como embaixo do braço, nos dedos dos pés, na palma das mãos e nos genitais. Uma pinta nova em área não exposta tem que ser rapidamente avaliada. 
 
O exame feito no consultório pode afirmar que a pinta sinaliza câncer de pele? 
O dermatoscópio, aparelho portátil com lentes que aumentam de 10 a 70 vezes o tamanho da pinta, identifica sinais precoces de câncer de pele. Mas o diagnóstico final só é dado após o exame no laboratório das células removidas da lesão. 
 
Por segurança, todas as pintas devem ser extraídas? 
Não. A tendência hoje é acompanhá-las. Se houver muitas, pode ser feito o mapeamento digital das pintas, uma técnica em que são feitas fotografias e comparadas em um programa de computador para estimar o risco de transformação maligna de cada uma. Quando alto, a orientação é a remoção cirúrgica. Do contrário, a pinta pode ser monitorada e reavaliada a cada três ou seis meses. Mas quando está localizada em área sujeita a atrito (sob o elástico do sutiã, na planta dos pés, embaixo do braço), recomenda-se a retirada, pois a agressão contínua pode favorecer a transformação maligna da pinta. 
 
Em caso de câncer de pele, qual é o tratamento? 
O mais importante é extrair a pinta e um pouco do tecido ao redor. Dependendo do estágio do tumor (essa avaliação é feita no laboratório), pode haver a indicação de quiimioterapia e imunoterapia.
 

O ABCDE das pintas

As primeiras cinco letras do alfabeto são um guia para perceber os sinais de alerta do melanoma. Confira:
 
Quando a pinta é perigosa?
1. Assimetria 
Dividida ao meio, os dois lados da pinta (à esquerda) devem ser simétricos. A assimetria (à direita), quando as metades não correspondem, é sinal de alerta de melanoma. 
 
2. Bordas
As pintas benignas têm bordas uniformes e lisas. No caso de melanoma inicial (à direita), as bordas tendem a ser irregulares, e podem estar entrecortadas ou serreadas.
 
3. Cor
As pintas benignas costumam ter uma cor só. Cores variados (marrom, castanho, preto) também são sinal de alerta. O melanoma pode mudar para tons de vermelho, branco ou azul. 
 
4. Diâmetro 
As pintas benignas geralmente têm um diâmetro menor que o das malignas. O melanoma tem o diâmetro maior que 6 milímetros, mas pode ter um tamanho menor no início. 
 
5. Evolução 
As pintas benignas comuns têm sempre o mesmo aspecto. Mas se apresentarem mudança na cor, no formato, tamanho e relevo, sangrar, coçar ou formar crosta, consulte um médico.

Vote nas finalistas do 21º Prêmio CLAUDIA

Trabalho Social

  • Marineide Silva
    Marineide Silva

    Criou uma ONG para ensinar corrida para mais de 500 crianças e adultos no bairro mais violento de São Paulo

  • Brigitte Louchez
    Brigitte Louchez

    Está à frente de uma ONG que luta para combater a exploração sexual de crianças e jovens em Fortaleza, no Ceará

  • Mônica Azzariti
    Mônica Azzariti

    A fonoaudióloga prepara policiais para que resolvam ocorrências nas favelas sem violência, evitando conflitos

Políticas Públicas

  • Heloísa Helena de Oliveira
    Heloísa Helena de Oliveira

    Monitora e argumenta com políticos para alterar projetos de lei que não favorecem os jovens do Brasil 

  • Maria Clara de Sena
    Maria Clara de Sena

    Única transexual no mundo no cargo de Mecanismo de Prevenção e Combate à Tortura, luta pelos direitos LGBTs 

  • Paula Johns
    Paula Johns

    Fundadora da Aliança de Controle do Tabagismo + Saúde, batalha para controlar o tabagismo  

Negócios

  • Cristina Junqueira
    Cristina Junqueira

    Criou o Nubank, cartão de crédito que pode ser administrado pelo celular, dispensa o banco e não tem anuidade

  • Mariana Alves Madureira
    Mariana Alves Madureira

    Trabalha para impulsionar o desenvolvimento econômico de lugares pobres estimulando o potencial turístico

  • Carla Renata Sarni
    Carla Renata Sarni

    Criou uma rede de consultórios que oferece tratamento odontológico a um custo acessível na periferia

Cultura

  • Anna Muylaert
    Anna Muylaert

    Diretora do filme Que Horas Ela Volta?, aqueceu a discussão sobre a exploração do trabalho doméstico no Brasil

  • Mari Corrêa
    Mari Corrêa

    Realiza oficinas de cinema em aldeias do Xingu e ensina os índios a registrar sua cultura, história e hábitos

  • Panmela Castro
    Panmela Castro

    Imprime sua arte em murais e performances e oferece oficinas para prevenir a violência contra as mulheres 

Revelação

  • Alessandra Orofino
    Alessandra Orofino

    Esta à frente de uma ONG que conecta pessoas interessadas em solucionar problemas no Rio de Janeiro

  • Raquel Helen Santos Silva
    Raquel Helen Santos Silva

    Destaca-se por criar projetos de empoderamento e por conseguir apoio internacional para as causas feministas

  • Samantha Karpe e Letícia Camargo Padilha
    Samantha Karpe e Letícia Camargo Padilha

    Desenvolveram uma cobertura para ruas e estradas mais resistente, econômica e sustentável que a convencional

Ciências

  • Adriana Melo
    Adriana Melo

    Especialista em medicina fetal comprovou a relação entre infecções por zika em e as malformações em bebês

  • Eliana Abdelhay
    Eliana Abdelhay

    Desenvolve pesquisas a fim de melhorar os prognósticos de doenças graves e agiliza o diagnóstico de câncer

  • Thelma Krug
    Thelma Krug

    Restringe o desmatamento nas florestas e emissão de poluentes, responsáveis pelas mudanças climáticas

Consultora NATURA

  • Juthay Nogueira
    Juthay Nogueira

    Promove ações para evitar que os jovens entrem para o tráfico de drogas, em uma comunidade de Belo Horizonte

  • Nilcimar Maria Silvestre dos Santos
    Nilcimar Maria Silvestre dos Santos

    Fundou uma associação que apoia vítimas de agressão doméstica e estimula o empreendedorismo 

  • Rozimere Santos Oliveira Souto
    Rozimere Santos Oliveira Souto

    Líder que organiza a produção agrícola e o empreendedorismo entre as mulheres, no Sertão da Paraíba

Novo reality "Cau na Real". Dê o play e confira!

  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Testamos as famosas massagens tailandesas que tratam dores e propor...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    A foto desta mãe abraçando a caçula antes de ter outro filho vai...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Conheça o coletivo de advogadas que já atendeu centenas de mulher...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    As maiores tendências de verão para você já ir preparando o arm...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    Sasha Meneghel lacra na primeira entrevista na TV: "Já tive u...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM