Gripe, resfriado e dengue: conheça os sintomas de cada um

Com a chegada do frio e de dias secos, típicos do outono e do inverno, você precisa ficar atenta aos sintomas da gripe, do resfriado e da dengue

A diferença entre a gripe e o resfriado está na intensidade dos sintomas
Foto: Getty Images

As mudanças bruscas de temperatura, a baixa umidade do ar e, no caso das grandes cidades, o acúmulo de poluição, tornam o organismo bem mais suscetível às gripes e resfriados. Também deixam o clima propício para a manifestação de alergias respiratórias, entre elas asma, bronquite, sinusite e rinite.

Gripes e resfriados são dois males bem parecidos. A grande diferença fica por conta da intensidade dos sintomas. A gripe é causada pelo vírus Influenza, enquanto o resfriado por outros tipos de vírus. Eles podem provocar coriza, tosse, febre baixa e dor de cabeça. Já a gripe, além de causar esses sintomas com maior intensidade, também pode causar dor muscular, dor de garganta, mal-estar e congestão nasal.

É preciso tratar

Para quem acredita que essas duas últimas doenças são inofensivas, um aviso: assim como qualquer outra, elas devem ser tratadas com atenção para afastar maiores riscos à saúde, sobretudo a gripe. O dr. Maurício Gattazi. de São Paulo, explica que, em casos extremos, ela chega até a matar, pois pode comprometer seriamente os pulmões.

Para cada sintoma, uma solução

Para tratar o resfriado, costuma-se combater seus sintomas. Para cuidar da gripe, além de medicamentos como xaropes, analgésicos, antiinflamatórios e antibióticos (quando ocorre uma infecção secundária por bactéria), o especialista também pode receitar um antigripal, que trata especificamente o vírus Influenza. O médico Maurício Gattazi dá algumas dicas para aliviar sintomas de gripes e resfriados:

Nariz entupido

Fazer inalação com soro fisiológico, além de lavar as narinas com esse produto, ajuda bastante. Ligar o chuveiro, deixar o banheiro repleto de vapor e respirar esse ar também traz alívio. Em último caso, há remédios que podem ser recomendados pelo médico que desobstruem as vias nasais.

Tosse

Esse é um mecanismo natural do organismo para eliminar as secreções que ficam acumuladas no sistema respiratório. Contudo, se ela está incomodando demais, pode ser combatida com xaropes (peça indicação ao médico) e até com a popular colher de mel com gotas de limão. Tomar muito líquido é bem importante, porque isso ajuda a fluidificar as secreções, facilitando sua eliminação

Dor de garganta

Muitas vezes ela ocorre porque a pessoa está respirando pela boca, o que provoca o ressecamento da mucosa da garganta e, conseqüentemente, a dor. Descongestionar o nariz e, mais uma vez, ingerir bastante líquidos são outros cuidados que auxiliam. Um médico pode receitar pastilhas para alívio local e, caso necessário, analgésicos e antiinflamatórios. Se a dor for causada por excesso de tosse, que irrita a garganta, é interessante evitar alimentos ácidos, como frutas (laranja, limão, abacaxi) e tomate, além de refrigerantes, pois o gás também piora o desconforto

Dor no corpo

O ideal é fazer repouso, pois o desgaste muscular só piora o quadro. O uso de analgésicos é recomendado

Dor de cabeça

O descanso e o uso de analgésicos são suficientes para aliviá-la

Dengue ou gripe?

Os sintomas das duas doenças são bastante parecidos: febre, calafrios, dor de cabeça e mal-estar. Mas elas diferem em dois pontos. As vítimas de dengue apresentam uma dor retroocular (atrás dos olhos) e exantema (vermelhidão na pele, principalmente no tronco). Para confirmar o diagnóstico, basta fazer um exame de sangue a partir do quinto dia de febre. Antes de saber o resultado, é importante não tomar analgésicos à base de ácido acetilsalicílico.
 

Os riscos da febre

Ela deve ser tratada a partir de 37,8º C. Banhos mornos ajudam a baixar a temperatura. Se necessário, é possível recorrer aos antitérmicos. Febres muito altas podem provocar enorme indisposição, dor no corpo, mal-estar e ainda facilitar a desidratação. A partir de 40º C podem causar convulsões, daí a importância de ficar atenta à evolução da temperatura corporal.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s