Prós e contras da reposição hormonal

Conheça os principais riscos que envolvem a reposição hormonal ao longo da menopausa

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 10/11/2011 em

Lola

um conteúdo de

Bateu uma dor de garganta ou dor lombar no meio do expediente e você cogita perguntar a uma amiga mais prevenida se ela teria um remedinho para amenizar o mal estar. Resista: um anti-inflamatório inadequado pode causar sangramento digestivo, reações alérg
Foto: Getty Images

A terapia de reposição hormonal faz engordar, em média, 2 quilos
Foto: Dreamstime

Primeiro, vem o climatério, que marca o término do período reprodutivo, em média a partir dos 45 anos. Depois, a menopausa, o fim definitivo da menstruação, por volta dos 50. Cerca de 60% das mulheres sofrem dos principais sintomas da baixa hormonal: ondas de calor, sudorese noturna, insônia, alterações no humor, diminuição da libido, fadiga e ressecamento vaginal. Em geral, os desconfortos duram entre um e dois anos. Mas, para 25% delas, a angústia pode chegar a cinco anos. Para combater os inimigos da qualidade de vida, dá-lhe reposição hormonal. Mas, atenção, há alguns riscos que devem ser ponderados:

· Na ânsia de oferecer sensação de bem-estar, muitos ginecologistas chegam a receitar a reposição para todas que chegaram à menopausa. A prática foi reavaliada. Agora, vale o princípio básico da medicina: nenhum tratamento serve indiscriminadamente para todos.

· A reposição ficou reservada àquelas que sentem os desconfortos da menopausa e que não tenham contraindicação, como histórico familiar de câncer de mama.

· O tratamento de reposição é feito com o uso dos hormônios estrogênio e progestagênio ou de substâncias com a mesma ação, como a tibolona e as isoflavonas. Sempre em diferentes dosagens, variando conforme o perfil clínico da paciente. Podem ser usados por via oral, transdérmica, adesivo ou gel, e transvaginal, com implantes ou spray.

· Não há dúvidas de que a reposição hormonal melhora o ressecamento da pele e a lubrificação vaginal, normaliza a libido, reduz a queda e melhora a textura dos cabelos, diminui a insônia e aumenta a qualidade dos ossos.

· Mas estudos clínicos relatam o aumento de risco de câncer de útero devido ao uso exclusivo de estrogênios. O problema praticamente desaparece quando associado à progesterona. Também há relatos dos riscos de diagnóstico de câncer de mama em mulheres que se submeteram à reposição hormonal por vários anos.

· A terapia de reposição pode provocar ganho de peso de, em média, 2 quilos, em razão do aumento do apetite e da retenção de líquidos.