Fígado: entenda tudo sobre o órgão

Escondido atrás das costelas, muitos acham que ele só está envolvido em uma relação monogâmica com o álcool. Mas exerce papéis vitais que, para a maioria das pessoas, parecem mistérios muito bem guardados

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 12/09/2013 em

M de Mulher

um conteúdo de

Fígado: entenda tudo sobre o órgão
Caroline Randmer

Foto: Divulgação

Ele lembra uma esponja vermelho - acastanhada no lado direito do abdômen, capaz de sugar até 1,2 litro de sangue por minuto, se for necessário. Quando a circulação faz escala nessa glândula - sim, é a maior glândula do corpo humano, medindo de 8 a 10 centímetros e pesando cerca de 1,5 quilo -, muita coisa costuma acontecer. 

As células hepáticas são versáteis e fazem de tudo um pouco: armazenam algumas substâncias e fabricam outras tantas. A produção diária de proteínas, só para citar uma prova de sua incrível capacidade de trabalho, alcança uns 100 gramas. Outras vezes, o fígado simplesmente transforma um composto em algo diferente. Ele pode criar gordura a partir de moléculas de álcool para conseguir uma reserva de energia. E todo apreciador de bebida reconhece essa metamorfose no espelho, ao ver refletida a famosa barriga de chope. Finalmente, o fígado ainda elimina tudo aquilo de que o corpo precisa se livrar - de micróbios a toxinas, passando por células sanguíneas desgastadas que já não funcionam direito. 
 
Com tantas funções, torna-se mesmo imprescindível. Ninguém sobreviveria sem ele por mais de cinco horas, e olhe lá. E, talvez por isso, é o único órgão do corpo que se regenera. "Em transplantes podemos tirar até 65% do fígado de um doador que, com o tempo, ele crescerá e voltará ao seu tamanho normal", conta a gastroenterologista Suzane Ono, da Universidade de São Paulo. Em casos assim, certos hormônios, incluindo a insulina do pâncreas, regulam a divisão das células hepáticas até que elas alcancem, novamente, a quantidade necessária para dar conta do serviço naquele organismo. 
 
Apesar dessa incrível capacidade, o fígado recebe maus-tratos, graças a mudanças de comportamento associadas à vida moderna. Elas fazem com que alguns problemas dessa glândula, que antes só davam as caras depois dos 60 anos, passem a incomodar cada vez mais pessoas jovens. É que a tendência é existir um acúmulo de estragos provocados por inimigos fi- gadais cultivados desde cedo. Entre eles estão o consumo precoce e exagerado de álcool, a alimentação desbalanceada desde a infância, o abuso de remédios sem orientação - isto é, sem levar em conta interações indesejáveis - e, claro, a dependência de drogas. 


Problemas hepáticos 

Ele geralmente não dói - e, se alguém se queixa de dor no fígado, em geral tem problemas em outro órgão do aparelho digestivo. Para reclamar, o fígado precisa estar bem doente, já que a maioria dos males que o acomete se inicia de maneira silenciosa. Um deles é a esteatose, um depósito de gordura que atrapalha o seu trabalho. E ela se torna mais frequente com a escalada da obesidade. "Os hábitos mudaram: muita gordura, muita massa e pouco exercício físico", observa o hepatologista Flair José Carrilho, do Hospital das Clínicas de São Paulo. O álcool também contribui para a esteatose e para outro problema grave - a cirrose, uma espécie de cicatriz. O hepatologista Marcio Dias de Almeira, do Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista, decreta: "Não existe mágica para você beber sem afetar o fígado". Existem, para completar, as infecções causadas por vírus capazes de inflamar essa glândula. São as hepatites. Os tipos mais comuns são A, B e C. O primeiro é transmitido pelo contato com outros doentes e por alimentos contaminados - daí a importância de hábitos de higiene. Já os vírus B e C são transmitidos pelo sangue e pelo sexo. Por enquanto, só existe vacina para as hepatites A e B. "Jovens de até 24 anos devem procurar a imunização", afirma a gastroenterologista Suzane Ono, da USP. 


Dicas 

//. Duas xícaras de café por dia e mantenha uma dieta equilibrada. 
//. Informe-se sobre possível interação entre remédios. Lembre-se: toda confusão medicamentosa acontece no fígado. 
//. Não utilize suplementos nutricionais sem acompanhamento. Eles também são processados pelas células hepáticas. 
//. Em casa, siga as recomendações de armazenamento correto de alimentos. E lave-os bem antes de consumir. Poupe seu fígado de lidar com micróbios e toxinas. 
//. Vacine-se contra as hepatites A e B. 
//. Se beber álcool, alterne a bebida com bons goles de água.