Baço: entenda a importância do órgão

Até então pouco valorizado, o baço pode ajudar o coração a se recuperar

Publicado em 13/09/2013

Lia Scheffer

baço

Foto: Alex Silva e Mariana Coan

Considerado por muita gente um órgão "classe B", sem nenhuma função importante, o baço está ganhando destaque nos meios científicos. Segundo um novo estudo, ele é muito mais do que um coadjuvante e pode oferecer uma ajuda vital, sim, em casos de ferimentos profundos e até infartos. Quem assina embaixo é um grupo de pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts e da Faculdade de Medicina Harvard, nos Estados Unidos. Eles notaram que no caso de um ataque cardíaco, por exemplo, o baço envia imediatamente células que ajudam a reparar os tecidos lesionados, o que minimiza as sequelas. É bem verdade que isso foi observado em ratos... A expectativa, porém, é que os resultados sejam semelhantes em seres humanos.

Com cerca de 13 centímetros - ou, mais ou menos, o tamanho da sua mão -, o baço pode ser comparado a uma esponja, que suga muitos invasores nocivos e não os deixa sair. Seus vasos são tão estreitos que qualquer hóspede estranho é facilmente reconhecido e, claro, combatido. Ele retém, ainda, células mortas ou doentes que estejam perambulando na circulação sanguínea. É como um filtro que faz um serviço de controle de qualidade: o sangue passa por seus vasos, repleto de glóbulos vermelhos jovens e velhos, e o baço seleciona, prende e destrói aqueles que não têm mais utilidade.

Aliás, por ser uma esponja sempre carregada de muito sangue, o baço às vezes é fundamental para manter o volume adequado de líquido em nossas veias e artérias. "Quando sofremos uma hemorragia, esse órgão se contrai para bombear depressa sangue para os vasos, restabelecendo o equilíbrio", descreve a hematologista Denise Dourado, do Hospital do Coração, em São Paulo.

Ele é também um reservatório de monócitos. Antes que o termo cause algum desconforto, aí vai uma explicação rápida: monócitos são glóbulos brancos que ficam nesse órgão, quietinhos, sendo prontamente enviados para a corrente sanguínea quando as nossas defesas precisam de uma ajuda extra. "Existe uma enorme quantidade dessas células ali, mas elas só agem quando o organismo enfrenta alguma emergência", explica Denise Dourado.

Apesar de ter tanta relevância para as nossas defesas, o baço é um órgão dos mais frágeis e pode sair danificado até com uma simples pancada. E daí os médicos, às vezes, não encontram outra saída: "Uma batida forte pode provocar uma ruptura e, com ela, uma hemorragia interna grave. Para resolver, em casos assim, nós precisamos remover o órgão", lamenta informar Paulo Augusto Silveira, hematologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Há também doenças hematológicas que exigem o mesmo procedimento radical - de anemias severas e hereditárias a linfomas, passando por cistos no órgão. Quando surgem, o pequeno e discreto baço pode aumentar até dez vezes de tamanho, a ponto de saltar aos olhos de quem observa o abdômen. E é fácil entender: um baço crescido assim consegue reter muito mais sangue. Mas, aí, não guarda para si apenas os glóbulos sanguíneos velhos ou doentes, que precisariam ser descartados. Passa a sequestrar também células de sangue jovens e saudáveis. É o que os médicos chamam de hiperesplenismo. "No entanto, mesmo em episódios assim, o indivíduo só deve optar por retirar o baço em último caso, depois de tentar um tratamento com remédios", salienta o hematologista Marcello Augusto Cesar, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Quando a operação é inevitável, a má notícia para os "sem-baço" é que, segundo estudos clássicos, tende a viver mais quem tem a sorte de preservar o órgão intacto. "É claro que dá para viver sem ele, até porque outros órgãos, como o fígado, assumirão suas funções", diz Marcello Cesar. "Só que inevitavelmente o sistema imunológico ficará mais debilitado e, cientes disso, precisamos acompanhar bem esses pacientes, reforçando, por exemplo, sua vacinação". Hoje, ninguém mais acha que o baço pode ser dispensado assim, sem mais nem menos.

Sempre às ordens

Encontradas aos montes no interior do baço, as células de defesa chamadas monócitos ficam armazenadas o tempo que for necessário, só à espera de um chamado. Originárias da medula óssea ou da polpa branca do próprio baço (sim, o órgão também produz células defensoras), elas são encarregadas tanto do reconhecimento de micro-organismos estranhos quanto da retenção de células mortas ou doentes.

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

I won¿t¿¿wait. I don¿t even have a little sister, and if I did, I would never, EVER consider doing that do her. How could you be so mean? cheap oakley sunglasses clearance http://oakley.sulset.net/ - 17/05/2014 23:50:40

If you have spotted carpenter ants around your home, then you may have a problem. It certainly will not go away by itself, so you should do something about it as soon as possible.Oakley Sunglasses oakley for cheap http://www.marionzimmerbradley.us/ - 12/05/2014 09:38:34

Heya i am for the first time here. I found this board and I find It truly useful & it helped me out a lot. I hope to give something back and aid others like you aided me. ray ban sunglasses uk http://www.morebooze.co.uk - 08/03/2014 19:07:42

ngohtesw zippo slim http://www.jeuxselect.fr/19-harley-davidson-zippo - 24/02/2014 10:27:48

<b>roberto messias</b> - sou portador do hcv rn1a carga viral de 500mil preciso fazer uma biopsia hepatica pra saber o gral de agressao ao figado mas as plaquetas variam de 100 a 120 mil ...sendo normal 140 mil... o ba¿o ja esta com adenomegalia ... que risco ha nessa situa¿ao? devo fazer ?ou existe outra possibilidade de receber o interferon? - 04/10/2013 11:02:47

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.