nao

Mal de Alzheimer: principais causas e cuidados

Saiba mais sobre o mal de Alzheimer, doença que causa perda de memória e atinge 5 em cada 100 idosos com mais de 70 anos

Publicado em 11/01/2011

Lorena Verli e Roberta Cerasoli

Conteúdo ANAMARIA
Destaque da Matéria

5 em cada 100 brasileiros acima dos 70 anos têm Alzheimer
Foto: Getty images

Perda de memória, dificuldade para realizar atividades simples, mudanças de humor e comportamento agressivo. Muitos acham que esses sintomas são "coisas de velho", mas eles podem ser sinais do mal de Alzheimer, doença que ataca o cérebro e não tem cura.

Segundo a psiquiatra Rita Ferreira, do Hospital das Clínicas de São Paulo, é possível prevenir o surgimento desse mal. "Atividades físicas, dieta saudável e controle de doenças como diabetes reduzem os riscos", explica. Já quem fuma e bebe álcool tem mais chances de desenvolver a doença.

De acordo com a Associação Brasileira de Alzheimer, 5 em cada 100 idosos com mais de 70 anos são atingidos por esse mal. E essa porcentagem aumenta conforme a idade.

Destaque da Matéria

O Alzheimer não tem relação com o uso do cérebro
Foto: Dreamstime

7 dúvidas sobre o Alzheimer


1. O que causa a doença?
A causa é desconhecida, mas os cientistas já descobriram que ela não é provocada por envelhecimento ou infecções, nem tem relação com o uso do cérebro.

2. Como é descoberta?
Por meio de testes que avaliam juízo, atenção, percepção, memória, raciocínio, imaginação, pensamento e linguagem. Outros exames, como tomografia cerebral e ressonância magnética, também ajudam a confirmar a doença.

3. Há algum tratamento?
Sim, feito com remédios e terapias específicas para reabilitar as funções neuropsicológicas. O tratamento é fundamental e deve ser iniciado o mais rápido possível, para deter o avanço da doença.

4. Tenho um parente com Alzheimer, devo me prevenir?
Sim. Fique atenta aos sintomas e procure um médico caso perceba algum sinal da doença.

5. E se ele não me reconhecer nunca mais?
Há quem viva uma perda semelhante ao luto, que tende a piorar com a evolução da doença. Procure um psicólogo ou converse com o médico do paciente para enfrentar essa situação dolorosa.

6. O que digo às crianças quando o avê delas não as reconhecer?
Fale a verdade. Conte a elas que o vovô tem uma doença que o faz perder a memória. Mesmo assim, estimule seu filho a participar de atividades junto ao avô.

7. Como deixar o paciente mais confortável?
Ao perder a memória, o doente pode se sentir muito confuso. Por isso, não insista nem pressione para que ele se lembre de alguma coisa, só ajude-o a se situar no momento presente. Se nada adiantar, convide-o para dar um passeio e mude de ambiente. Sua postura é o que fará a diferença.

Destaque da Matéria

Aprenda a contar para as crianças quando os avós estão com Alzheimer
Foto: Getty images

Aprenda a cuidar de um paciente

 
5 atitudes que ajudam o doente a se sentir confortável...

- Estabeleça rotinas
Elas representam uma segurança para o paciente.

- Incentive a independência
Faça as coisas com o idoso e não por ele. Respeite-o e preserve sua capacidade atual de realizar atividades cotidianas, como lavar louça ou fazer compras.

- Evite confrontos
Por mais que algumas atitudes pareçam de propósito, lembre-se de que a doença causa agitação e agressividade no paciente.

- Perguntas simples
Evite dar várias opções de escolha. Diga "Você quer uma laranja?" em vez de "Que fruta você quer?".

- Procure manter o bom humor
A gente sabe que não é fácil lidar com essa situação de forma leve e descontraída, mas o esforço é fundamental. Tente rir junto com o doente ou com as pessoas que estão ao redor, para aliviar o clima. Tente ser uma companheira compreensiva e amorosa. 

 

Comentários

Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do MdeMulher.

celia correia - Boa Tarde!minha mãe sofria com alzheimer.faleceu no ano de 2011,pois naõ conseguimossaber ao certo se era essa doença.agora tenho um irmão que se trata e foi constatado que ele tem demencia.Falando sobre mim.Tenho 51a,teno tendinite,fibromiagia eem consequência depressão.Trabalho em abrigos ,. Pois bem faço uso de medicação:metadom,carbamazepina,clonazepam,sertralina.Cheguei at~e tomar medicação além da prescrito ....Pois a falta de paciência era tal que queria ficar dopada.Quando era pra eu medicar os internos,ou passavam para mim algum dever ,eu me atrapalhava,não sabia o que o que?sOU MUITO ESQUECIDA,SE ME PERGUNTAM:CÉLIA VC SE LEMBRA DO QUE EU TE FALEISOBRE tal assunto,na verdade não me recordo de nada parece até mentira que a pessoa me falou tal coisa ou eu vivi o que "aconteceu".Minha cabeça parece estar limitada,mesmo que eu não queira.Por favor me ajudem em decifrar essa agonia????? - 26/09/2013 13:48:10

Grazi - Minha mãe nunca bebeu, nunca fumou, não é diabética, era uma pessoa bem ativa e tem Alzheimer, apesar de estar totalemente fora do 'grupo de risco'. Realmente a causa é desconhecida e esses fatores de risco, são apenas hipóteses. Também não existe na família nenhum caso de Alzheimer ou qualquer outra doença neurológica degenerativa. - 22/08/2013 10:42:15

Suely - informações - 12/01/2011 17:38:52

Comente

Li e concordo com os termos de uso do site.