(none)

Menopausa: conheça 4 mitos sobre hormônios

A médica americana Michelle Warrena, diretora do Centro de Menopausa, Distúrbios Hormonais e Saúde do centro médico da Columbia University, nos Estados Unidos, derruba 4 mitos relacionados ao tratamento da menopausa com hormônios.

Atualizado em 26/03/2014

Camila Neves

 

Esclareça suas dúvidas sobre horm^nios na menopausa para não se estressar.
Foto: Getty Images

1. Hormônios causam câncer de mama

Câncer de mama, na opinião da médica, não é causado por hormônios. “Eles aceleram o crescimento de células atípicas, mas não são a causa da doença. Nunca existiu nenhuma prova científica de que os hormônios são responsáveis pelo câncer de mama. Houve um estudo publicado em 2002 que mostrou oito casos de câncer de mama numa amostra de 10 000 mulheres que faziam reposição hormonal. Claro que os fatores de risco devem ser observados, mas é um percentual muito pequeno”, disse ela. Publicado na revista médica internacional Journal of American Medical Association, este estudo mostrou que as mulheres submetidas à terapia hormonal de estrogênio equino conjugado (hormônio derivado da urina de éguas prenhas) e acetato de medroxiprogesterona (um derivado sintético da progesterona) tiveram mais casos de câncer de mama do que aquelas que usaram placebo (risco relativo de 1,26, ou seja, 26% de aumento no número de casos). "Esta é uma associação de causalidade e não comprova que estes hormônios causaram o câncer ou apenas aceleraram células cancerígenas pré-existentes e não detectadas previamente”, explica o endocrinologista Alexandre Hohl, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (regional Santa Catarina). Contudo, muitos destes tumores crescem mais rapidamente com o estímulo hormonal. "Por esse motivo, as mulheres submetidas à reposição hormonal devem ser cuidadosamente acompanhadas pelo médico, a fim de detectar e tratar eventuais tumores no estágio mais inicial possível. Além disso, os fatores de risco individuais e familiares para o câncer da mama devem ser considerados na escolha do modelo de terapia de reposição hormonal", alerta o ginecologista Carlos Eduardo Ayres, de São Paulo.


2. Hormônios causam ataque cardíaco

É outro mito na opinião de Michelle Warren. “Neste mesmo estudo, foram avaliadas mulheres de aproximadamente 60 anos que faziam reposição hormonal há pouco menos de uma década, e não houve aumento de ataques cardíacos entre elas. Uma forma indireta de determinar se existe possibilidade de ataque cardíaco é calculando a quantidade de cálcio no organismo. As mulheres que tomavam estrogênio apresentaram muito menos cálcio do que as que não tomavam. Então o estrogênio pode, sim, proteger o coração se utilizado no momento correto”. O ginecologista Carlos Eduardo Ayres explica ainda que o estrogênio melhora o perfil do colesterol, estimulando os níveis de HDL (o colesterol bom) e reduzindo o LDL (o colesterol ruim), o que pode ser benéfico para o risco cardiovascular em mulheres selecionadas. "A probabilidade de ataque cardíaco é afetada muito mais pelos níveis de colesterol, hipertensão arterial, diabetes, obesidade e fumo do que pela terapia de reposição hormonal", avalia ele.


3. É possível ter atividade sexual normal sem os hormônios

“Assim como a pele do rosto e do corpo, a vagina envelhece e fica frágil”, afirma a americana. “Mesmo as mulheres que não têm relações sexuais sentem a vagina bem mais seca no período de menopausa. É possível curar isso com a aplicação de estrogênio local, dentro da vagina, em forma de pílula ou creme.” O endocrinologista Alexandre Hohl completa: "existe também a possibilidade do uso de gel a base de água para os casos com contraindicação ao uso do estrogênio na forma tópica (gel)". Além da dificuldade de manter relações sexuais satisfatórias pela atrofia do revestimento vaginal, a falta de estrógenos também favorece infecções vaginais, irritação local e perda urinária. "A reposição de estrogênios melhora essa atrofia e, consequentemente, a qualidade de vida das mulheres na pós-menopausa", finaliza o ginecologista Carlos Eduardo Ayres.


4. Hormônios bioidênticos são mais seguros

Hormônios bioidênticos são aqueles que têm exatamente a mesma estrutura química e molecular dos hormônios produzidos pelo nosso organismo. Existem bons hormônios desse tipo no mercado, segundo a médica que são regulados e testados. “Porém, as pessoas acham que eles devem ser manipulados em farmácias, onde não há controle de qualidade. Assim, o risco de efeitos colaterais aumenta. Todos os hormônios bioidênticos, controlados ou não, oferecem risco – podem afetar o fígado e aumentar o colesterol ruim, desencadeando o ataque cardíaco em mulheres, por exemplo.” O ginecologista Carlos Eduardo Ayres enfatiza: "não existe evidência científica de que o hormônio bioidêntico seja mais seguro do que as moléculas não idênticas, assim como não existe uma terapia hormonal que sirva para todas as mulheres, e nem todas necessitam dessa reposição". Teoria confirmada pelo endocrinologista Alexandre Hohl: "o termo bioidêntico acaba sendo usado com um apelo comercial desnecessário. Os efeitos benéficos, efeitos colaterais e contraindicações dependem da dose, da via de administração e da história prévia desta paciente". 

Notícias relacionadas

Comente