Assado, cru ou frito: saiba qual kibe é melhor para a saúde

Conheça seis diferenças entre essas delícias e eleja o seu preferido!

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 27/11/2013 em

Saúde é Vital

um conteúdo de

Assado, cru ou frito: saiba qual kibe é melhor para a saúde
Thaís Manarini

 

Foto: Getty Images


Dos pratos típicos da cozinha árabe, o quibe feito com carne é um dos mais populares por aqui. Fonte de proteínas, nutriente essencial para a construção e manutenção dos músculos, ele pode ser consumido de três formas. Para quem está de olho na balança, o cru e o assado são as melhores opções, já que em 100 gramas apresentam 109 e 136 calorias, respectivamente. Já o frito, olha que tristeza, reúne nada menos que 254 calorias.

Ainda que o cru pareça mais vantajoso, é bom salientar que o risco de contaminação é maior. "Essa versão deve ser evitada principalmente por gestantes", avisa Ana Cristina Teixeira, nutricionista do Equilibra Centro de Nutrição, no Rio de Janeiro. Portanto, apesar de tomar uma surra no nosso placar, no geral o quibe assado é o mais indicado. "Ele não tem acréscimo de calorias e a probabilidade de contágio é reduzida", explica a nutricionista. Para acompanhar o prato, invista em arroz de lentilha, purê de batatas ou salada de folhas verdes com tomate-cereja e molho de coalhada ou ricota.

 

Energia

Cru  ................ 109 kcal

Assado  ................ 136 kcal

Frito  ................ 254 kcal

 

Proteínas

Frito  ................ 14,9 g

Assado  ................ 14,6 g

Cru  ................ 12,4 g

 

Lipídios

Cru ................ 1,7 g

Assado  ................ 2,7 g

Frito  ................ 15,8 g

 

Carboidratos

Cru   ................ 10,8 g

Frito   ................ 12,3 g

Assado  ................ 12,9 g

 

Sódio

Cru  ................ 39 mg

Assado   ................ 40 mg

Frito  ................ 836 mg

 

Colesterol

Cru ......  27 mg

Assado ......  34 mg

Frito ......  38 mg

 

Placar saúde

cru  x  assado x frito

5  x  0  x  1

 

Fonte: Tabela brasileira de composição de alimentos (Taco/Unicamp) ; Agradecimentos: Michele Coelho Novembre - docente de cozinha Mediterrânea do Centro Universitário Senac - Campus Águas de São Pedro.