Colonoscopia - o exame que detecta o câncer de intestino

Colonoscopia é um exame que ajuda na descoberta do câncer de intestino. Veja quando ela deve ser feita, quais os exames complementares e confira também algumas dicas de prevenção

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 18/05/2011 em

Saúde é Vital

um conteúdo de

Colonoscopia - o exame que detecta o câncer de intestino
Rogério Maroja

A colonoscopia é o exame responsável por detectar o aparecimento de câncer no intestino
Foto: Getty Images

Qual a melhor forma de saber se tudo anda em ordem pelo intestino? Para muitos especialistas é a realização da colonoscopia.

Conhecida como uma endoscopia feita pelo ânus, a colonoscopia flagra inflamações na parede intestinal, além de verrugas - os pólipos -, que podem ser pré-cancerosas, e tumores propriamente ditos. Muito melhor do que a cirurgia que abre o abdômen até atingir o intestino grosso - usada até a década de 1970, quando a colonoscopia chegou ao Brasil.

Quando fazer

"O exame é obrigatório para quem tem mais de 50 anos, e a partir dos 30 anos para pessoas com casos de câncer na família", avisa o coloproctologista João Calache Neto, do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. Sangue nas fezes e dor contínua no lado esquerdo também merecem essa investigação.

Já a frequência, "depende dos achados de quando ele é feito pela primeira vez", o coloproctologista Pedro Basílio, presidente da regional carioca da Sociedade Brasileira de Cirurgiões Oncológicos. Se ela não encontrar nada, a sugestão oficial - pelo menos até o momento - é que seja repetida a cada dez anos. Muitos médicos, porém, preferem indicar o repeteco a cada cinco. É mais seguro.

"A evolução do pólipo para o câncer pode demorar até uma década", explica o oncologista Rafael Kaliks, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Quando a metamorfose ocorre, ela é traiçoeira. Dores, diarreias alternadas com constipações e sangramentos costumam aparecer na fase avançada da doença. Então, o tratamento é drástico.

Entenda o exame

1. Com o paciente sedado e deitado, o médico introduz um tubo de 1 metro de comprimento pelo ânus. Enquanto percorre as cinco primeiras curvas do cólon, uma minicâmera na ponteira transmite as imagens, aumentadas até 150 vezes, para a tela de um computador.

2. Se flagrar alterações na mucosa, como uma inflamação, o médico ativa uma pinça que retira um fragmento da lesão para biópsia.

3. Mas, ao esbarrar em lesões malignas, o próprio colonoscópio pode retirá-las de maneira segura. Tudo isso costuma durar cerca de 20 minutos.

Colonoscopia - o exame que detecta o câncer de intestino

Além da colonoscopia, outros exames complementam a avaliação
Foto: Dreamstime

Outros exames

Há mais testes, complementares, que ajudam a detectar problemas no intestino.

· Sangue oculto nas fezes
No laboratório, procuram-se rastros de sangue nas fezes, o que denunciaria lesões. Mas o exame não localiza de onde vem o sangramento. Às vezes a origem está no estômago, por exemplo. E aprenda: pólipos intestinais não sangram. Portanto, se há sangue proveniente do intestino, ou ele vem de simples hemorroidas ou, se é tumor, o câncer já avançou.

· Retosigmodoscopia
É parecida com a colonoscopia, mas só visualiza lesões no reto e no lado esquerdo do cólon. A grande crítica é deixar à mercê da sorte o lado direito.

· Colonoscopia virtual
O método faz uma tomografia do intestino sem introduzir um tubo no ânus para saber se há pólipos. Mas é preciso insuflar ar por ali para obter as imagens, o que pode doer. Vale a pena? Há quem diga que não, até porque pequenas lesões escapam ao exame.

· DNA nas fezes
Essa análise molecular ainda não está disponível no país. Ela confere a presença de DNA de células cancerosas que teriam descamado do cólon. O senão é o preço altíssimo.

· Hemograma simples
Ele não flagra o câncer em si. Mas muitos tumores, especialmente no lado direito do intestino, sangram a ponto de provocar anemia. Ela é tão forte e repentina que o paciente sente até taquicardia. Daí o recado: quem está com anemia tem um bom pretexto para fazer uma colonoscopia.

Colonoscopia - o exame que detecta o câncer de intestino

Comer alimentos ricos em fibras é essencial para manter o intestino em funcionamento e evitar o surgimento do câncer
Foto: Dreamstime

A influência dos hábitos

Conheça as atitudes que podem contribuir para o aparecimento do câncer de intestino e as que ajudam a afastá-lo.

Para o bem
Uma dieta rica em fibras (grãos, frutas, legumes e verduras) não só faz o intestino trabalhar direito como ainda o preserva contra tumores ao arrastar mais depressa substâncias cujo contato é tóxico. O exercício físico também é bem-vindo.

Para o mal
Há evidências de que um cardápio gorduroso, abarrotado de carnes vermelhas, frituras e embutidos, favoreça o desenvolvimento da doença. Provavelmente porque contém substâncias capazes de irritar as paredes intestinais. O cigarro é outro inimigo do intestino - o que pouca gente desconfia. Mais uma vez, a razão está nos componentes tóxicos, que prejudicam as células do órgão.

Mais