Pular para o conteúdo principal

PUBLICADO EM

29/10/2014

ATUALIZADO EM

29/10/2014

Mais da metade dos brasileiros não usa camisinha, mostra pesquisa

Pesquisa a que a revista Saúde teve acesso com exclusividade conclui que mais da metade dos brasileiros não veste a camisinha. Investigamos o que leva tanta gente a deixar de usá-la e como isso coloca a saúde em risco
Mais da metade dos brasileiros não usa camisinha, mostra pesquisa
Reportagem: Joana Alves / Edição: MdeMulher

52% dos brasileiros nunca ou raramente usam camisinha
Foto: Getty Images

Apesar de a camisinha representar o método mais seguro de prevenção ante as DSTs, além de ser um dos jeitos mais baratos de impedir uma gestação, ela vem sendo deixada de lado em território nacional. A revista SAÚDE teve acesso em primeira mão a um levantamento da Gentis Panel, empresa especializada em pesquisa de mercado, que entrevistou mais de 2 mil pessoas de todas as regiões do Brasil e obteve resultados preocupantes: 52% dos brasileiros nunca ou raramente usam preservativos, 10% utilizam às vezes e só 37% se protegem sempre ou frequentemente. "O estudo deixa claro, por exemplo, que a maior parte da população já esteve exposta ao HIV", analisa Guilherme Cerqueira, diretor de marketing da Gentis Panel.

O curioso é que esses números evidenciam um enorme paradoxo: o Ministério da Saúde aponta que mais de 95% da população sabe que a camisinha é o modo mais eficiente de não contrair o vírus da aids. Então, o que estaria levando jovens e adultos a ignorarem uma maneira tão prática de se defender do HIV e de outras doenças?

A resposta não é simples e os motivos são muitos. Enquanto os adolescentes não parecem dar a devida importância ao preservativo, chegando inclusive a pensar que as DSTs são facilmente remediáveis, os mais velhos pecam pela falta do hábito de colocá-lo. "Eles iniciaram a vida sexual sem aprender a usar a camisinha. Assim, têm dificuldade em fazer disso um costume", explica a psiquiatra Carmita Abdo, de São Paulo.

A distribuição gratuita de camisinhas masculinas só começou no país em 1994, junto com os programas de combate à aids. Isso explicaria por que aqueles que não foram bombardeados com essas informações na sua juventude não lhe dão tanto valor hoje em dia. Ainda nos anos 1990, a chegada de remédios que garantem a ereção deu um gás, sem querer, para que o sexo descuidado acontecesse ainda mais. "Quando não havia acesso a esses medicamentos, os homens tinham menos relações ou faziam sexo sem penetração, diminuindo o risco de contrair doenças", contextualiza Carmita.


Mulheres desprevenidas

Mas não é apenas a ala masculina que faz vista grossa ao método. Segundo a pesquisa da Gentis Panel, 51,8% das mulheres abrem mão do contraceptivo na hora do rala e rola. "Muitas vezes, elas não se protegem devido a uma resistência do parceiro, que deixa de usar o preservativo por achar que ele vai diminuir o prazer ou interferir na ereção", justifica a ginecologista Marta Franco Finotti.

Outro fator que acabou depondo contra a camisinha foi a popularização da pílula anticoncepcional, que desde a década de 1960 permite às mulheres transar sem se preocupar em engravidar. É aí que está o perigo: muitas delas tomam o comprimido e não usam outros métodos. "Elas estão mais preocupadas em evitar a gravidez do que com as consequências de ter uma relação desprotegida", alerta Marta. Lembre-se: a pílula não previne DSTs.

Aliás, quem pensa que herpes, sífilis e clamídia são encrencas passageiras, consertadas com qualquer pomadinha, que se cuide. Elas podem gerar consequências sérias, de deformações a infertilidade. "Além da aids, há outras doenças que comprometem a saúde e agem silenciosamente. As DSTs não se resumem a HIV e HPV", reforça Carmita.

Por falar em HPV, vale ressaltar que a camisinha tem um papel a cumprir diante do papilomavírus humano, responsável pela maioria dos casos de câncer de colo de útero nas mulheres e outras chateações nos homens, como a formação de verrugas no pênis. Apesar de a vacina ser a forma mais eficiente de frustrar o ataque do vírus, a camisinha ajuda a diminuir o risco de contágio, desde que, é claro, seja utilizada corretamente. "O problema é que, muitas vezes, o rapaz coloca o preservativo apenas no momento de ejacular, quando já houve contato prévio sem nenhum tipo de proteção", observa Marta. Nesse momento, o HPV migrou de um parceiro para o outro faz tempo.


Foco nos mais novos

O levantamento sobre o uso de preservativos no Brasil denuncia que, entre aqueles que não se protegem, 28% têm de 20 a 29 anos. A questão é que, ao contrário dos mais velhos, esses cresceram ouvindo, na TV ou na escola, a necessidade de pôr o preservativo. O que justificaria índice tão alto nessa faixa? "Há quatro fatores determinantes: álcool, drogas ilícitas, dificuldade de conciliar a ereção com a camisinha e não ter o preservativo na hora da relação", enumera Carmita.

As meninas ainda têm uma preocupação muito maior em escapar de uma gravidez do que das DSTs em si, o que também é demonstrado pelo uso indiscriminado da pílula do dia seguinte. Para complicar, além da liberdade sexual, muita gente cai na cilada de imaginar que, com os avanços da medicina, a aids é facilmente controlada hoje.

Tudo isso reforça aquele sentimento típico do adolescente de que nada acontecerá com ele. Daí a importância não só de campanhas, mas principalmente do diálogo dentro de casa. "O ideal é conversar sempre e responder às dúvidas dos filhos de forma correta", orienta o ginecologista Nelson Gonçalves, de São Paulo. Essas atitudes contribuem para formar pessoas conscientes e, sempre com um preservativo por perto, mais preocupadas com a sua saúde e a do seu parceiro.


Proteção não tem idade

A pesquisa da Gentis Panel mostra que 63% dos indivíduos de 60 a 80 anos estão no grupo que se abstém do sexo seguro. Não à toa, os casos de infecção por HIV nos mais velhos dobraram na última década, de acordo com o Ministério da Saúde. "E ainda há muitos médicos que negligenciam a sexualidade de seus pacientes idosos", opina a geriatra Maria Zali Borges.


Teste de HIV: ele também foi esquecido

O levantamento com a população brasileira constatou que, em 52% dos casos, pelo menos um dos parceiros não se submeteu a esse exame, e 61,5% dos casais só o fizeram após transar sem preservativo. Entre os solteiros, 70% raramente exigem o teste antes de irem para a cama sem proteção. "As pessoas davam mais atenção ao método quando não havia promessa de tratamento para aids", afirma Carmita Abdo.
 

Mais

  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    25 looks para não esquecer o estilo de Carolina Castilho em "...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    50 óculos de grau incríveis para você esquecer da lente de conta...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    OMG! Motorola prepara a volta do V3, celular-ostentação dos anos ...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
    5 dicas de segurança para você não cair no 'golpe do Uber&#...
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM
  • Este campo genérico trata a saída do campo título do bloco card na view, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    Este campo genérico trata a saída do campo legenda do bloco card, e tem um template específico que está no tema mdemulher.

    O que é destaque no MdM