Sete em cada dez mulheres têm um carocinho estranho em alguma região do corpo
Beatriz Levischi

A tireoide está na base do pescoço e é uma das principais glândulas do corpo!
Foto: Dreamstime

Como ela é?


Localizada na base do pescoço, a tireoide tem formato de borboleta e pesa cerca de 13 gramas. É uma das principais glândulas do corpo, responsável por supervisionar diversos processos, como o funcionamento dos órgãos e o metabolismo. Muitos problemas, como ganho rápido de peso, queda de cabelo, intestino desregulado e até depressão podem estar associados a disfunções da tireoide. Sua ação se dá pelos hormônios T3 e T4, produzidos depois que outro hormônio, o TSH, gerado na hipófise (região do cérebro), manda uma mensagem. Qualquer problema nesse processo pode causar doenças como hipertireoidismo e hipotireodismo.

Hipertireoidismo


Mais comum em mulheres de 20 a 40 anos, trata-se do aumento da quantidade de hormônios tireoidianos. É provocado, principalmente, pela doença de graves, enfermidade autoimune que se desenvolve de repente e faz com que o corpo estimule o crescimento da glândula. Outras possíveis causas são o uso excessivo de remédios com grande quantidade de iodo e a ativação de um ou mais nódulos da tireoide.

Principais sintomas: agitação, perda muito rápida de peso, tremores, insônia, excesso de transpiração, irritabilidade, aumento do batimento cardíaco.

Tratamento: depende da idade, causa e intensidade. Por isso, um médico deve ser consultado. Há remédios que diminuem os níveis hormonais. Em algumas situações, recomenda-se usar iodo radioativo (consumido em forma líquida ou em cápsula) para destruir células que produzem T3 e T4. Também existe uma cirurgia para remoção de parte da glândula.

Hipotireoidismo


É a queda na quantidade de T3 e T4, que atinge mais mulheres acima dos 40 anos. Aparece devido a uma doença congênita (adquirida durante a formação do feto), inflamação, após uma cirurgia de tireoide ou por falta de iodo. Em geral, tem origem genética: parentes de portadores devem procurar o médico.

Principais sintomas: lentidão, cansaço, pele seca, ganho de peso, sonolência, depressão, sensação de frio.

Tratamento: na maioria dos casos, o paciente deve tomar comprimidos para o resto da vida. Os sintomas costumam sumir em pouco tempo.

Nódulo tiroidiano


Normalmente tem origem genética e ataca, principalmente, mulheres com mais de 40 anos. O nódulo pode ser benigno ou, em cerca de 5% dos casos, maligno. Quando isso acontece, deve ser retirado por meio de cirurgia.

Prevenção


Ao apalpar a região do pescoço, você pode fazer um autoexame, mas ele só detecta alterações muito avançadas de hipertireoidismo. Por isso, é essencial procurar um médico endocrinologista caso tenha algum dos sintomas. Assim, ele pedirá exames e terá certeza em relação a qualquer problema.