4 dicas para eliminar o mau hálito

Este não é apenas um problema de falta de higiene. A mestre e doutora em patologia bucal Luciana Sassa Marochio, membro da Associação Brasileira de Halitose, explica quais as causas do popular bafo e dá dicas de como eliminá-lo

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 28/08/2012 - 00:00 em

Women's Health

um conteúdo de

4 dicas para eliminar o mau hálito
Catharina Oliveira

Foto: Getty Images

Tem problemas de mau hálito? Listamos quatro perguntas para ajudá-la a eliminar o popular bafo.

P: O mau hálito está relacionado com problemas de estômago?
R: Não. Na verdade, isso é um grande mito. Luciana afirma que foi comprovado cientificamente que alterações estomacais, como a gastrite ou o refluxo, não podem ser responsabilizadas pelo mau hálito, pois temos um músculo, chamado cárdia, que fecha a entrada do estômago. Por isso, não existe a possibilidade de o conteúdo gástrico retornar ao trato digestivo superior – comunicação entre o estômago e a garganta. Segundo a especialista, a associação que pode ser feita é entre halitose e jejum prolongado, já que quando o estômago passa muitas horas vazio um odor desagradável aparece.
 
P: Uma pessoa consegue descobrir se tem mau hálito?
R: Quem está na dúvida se sofre com o problema deve contar com a ajuda alheia – de alguém honesto e de confiança. Isso porque nosso olfato se acostuma com odores constantes e, portanto, não conseguimos identificar o cheiro do
nosso próprio hálito.
 
P: O mau hálito é aceitável em algum momento do dia?
R: Sim. Ao acordar, o jejum provocado pelas horas de sono e a falta da produção de saliva podem causar um cheiro pouco agradável momentaneamente. Porém, Luciana afirma que, depois do café da manhã e da higiene bucal, ele deve desaparecer. Períodos de jejum prolongado ao longo do dia também comprometem o hálito.
 
P: Como se livrar de vez do problema?
R: A especialista afirma que existem mais de 60 causas que levam à manifestação do mau hálito. As principais  estão ligadas a problemas bucais, como higienização insuficiente e doenças da gengiva. Somente um especialista pode diagnosticar cada caso. As dicas da profissional: faça diariamente uma limpeza bucal completa (o que inclui o uso do fio dental e a limpeza da língua); mantenha uma alimentação equilibrada; ingira cerca de 2 litros de água por dia; faça pequenas refeições a cada 3 horas e visite o dentista regularmente.
 
S.O.S. Mau Hálito
Quem nunca pensou em cometer um ataque de sinceridade extrema – sob o risco de colocar a amizade em risco – e avisar uma pessoa que ela sofre de mau hálito? Mas o constrangimento nos leva, no máximo, a oferecer um chiclete ou ma balinha de hortelã. Quer ajudar de forma efetiva? A Associação Brasileira de Halitose oferece um serviço em seu site (abha.org.br) que é certeiro: um e-mail, ou uma carta, com o alerta sobre o problema é enviado para a pessoa com bafo. A correspondência também inclui um texto explicativo com as origens do mau hálito e como tratá-lo. A identidade de quem solicitou o serviço é mantida em absoluto sigilo, ok?