Ganho R$ 12 mil com corretagem de imóveis

A carreira é promissora e muito rentável! Dá para começar de baixo e crescer aos poucos

Escrito por

Redação M de Mulher

Atualizado em 09/03/2010 em

Sou+Eu

um conteúdo de

Ganho R$ 12 mil com corretagem de imóveis
Leo Branco
Ganho R$ 12 mil com corretagem de imóveis

Sinto orgulho ao ajudar meus clientes a realizar o sonho da casa própria
Foto: Rômulo Portela

Chorei ao ver aquela senhora assinar o contrato do imóvel. Em poucos dias, ela se mudaria para sua primeira casa própria com os dois filhos. Buscamos imóveis juntas por seis meses. A condição financeira dela era bem limitada, mas eu quis ajudá-la.

Essa é uma das principais qualidades de um corretor competente: saber que sempre há um bom negócio para ser fechado. É assim que motivo meus clientes. Essa senhora aparecia todas as semanas no meu escritório para procurarmos um imóvel adequado às suas condições. Segura de seus objetivos, ela gostou de um apartamento e, com um financiamento, fechou a compra no valor de R$ 150 mil!

Participo do sonho dos meus clientes

O corretor recebe remuneração entre 5% e 6% do valor final do negócio. Além da compensação financeira, sinto orgulho de ajudar meus clientes a realizar o sonho de comprar uma casa própria, uma das mais importantes aquisições da vida. Tenho paixão pela minha profissão!

Meus colegas me emprestavam o carro

Trabalhei desde os 10 anos na mercearia do meu pai, em Caetité, no interior da Bahia. Aos 22, mudei pra Salvador e, desempregada, recebi de um amigo o convite para ser corretora. Ele precisava de uma funcionária para arranjar novos imóveis para aluguel na imobiliária onde trabalhava. Fui contratada para dirigir pela cidade atrás de donos de imóveis interessados em alugá-los com a gente. O detalhe é que eu não sabia guiar...

Mas isso não foi problema. Pedi 30 dias para tirar minha carteira de motorista e logo comecei a trabalhar.

Mesmo sem carro próprio, eu ia para as ruas com veículos que meus colegas da imobiliária me emprestavam. Fiquei dois anos nessa função. Depois fui convidada a abrir o setor de locação em outra empresa e me tornar uma corretora de fato. Lá, eu não cuidava apenas da captação de novos apartamentos para alugar. Também fazia a avaliação das condições dos imóveis e a análise cadastral dos proprietários e das pessoas com interesse em alugá-los.

Essa é a função mais complicada na corretagem, pois o profissional se responsabiliza pelo imóvel desde a captação para venda até a saída do inquilino. Nesse período, é nosso dever acertar os interesses dos inquilinos com os dos proprietários. Eu também preciso ter à mão o contato de eletricistas, encanadores e pedreiros para realizar consertos de última hora nos imóveis que administro. Às vezes faço jornadas longas, com trabalhos à noite e nos fins de semana. Mas a remuneração e as possibilidades de ascensão profissional compensam.

Segredo é não deixar de estudar

Quando comecei na corretagem, ganhava R$ 1 mil por mês. Após 13 anos de profissão, hoje tiro em média R$ 12 mil. No ano passado, abri uma imobiliária em parceria com outro corretor.

Além das comissões que recebemos por cada imóvel vendido, cobramos uma taxa mensal de proprietários interessados em alugar suas casas ou apartamentos. Cuidamos do aluguel de 800 imóveis e já vendemos 80 unidades desde o início da imobiliária. Nos próximos anos, também quero administrar os serviços de condomínios e alugar imóveis para temporada.

Um dos segredos para se ganhar bem nessa área é buscar qualificação. Antes de me tornar corretora, fiz o curso técnico em Transações Imobiliárias, com duração de um ano. Nele, tive aulas de matemática financeira, português e noções de legislação imobiliária e de engenharia. Só depois do curso pude tirar a carteira do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci), item obrigatório para exercer a profissão.

Aprofundei esses conhecimentos em um curso superior em corretagem de imóveis, de dois anos. Recomendo! Ele ensina a avaliar os custos de compra, venda e aluguel de imóveis, além de detectar as áreas mais valorizadas de uma cidade. Aí, o profissional pode até criar loteamentos imobiliários, que dão muito dinheiro. Como o país está crescendo e há cada vez mais pessoas buscando uma casa própria, oportunidades para gerar riqueza não faltarão. Indico a carreira a todos!