Meus bonecos parecem bebês de verdade
Marcela Delphino
Meus bonecos parecem bebês de verdade

A bebê Emanuelly tem 55 cm e pesa 2,5 kg. 
A mamãe que a adotou foi a mesma pessoa 
que ganhou minha primeira reborn por uma 
rifa no Orkut
Foto: arquivo pessoal

Eu faço bonecas muito especiais. Só pra ter uma ideia, outro dia fui ao shopping com uma delas e várias pessoas me pararam pra dizer que eu estava carregando o bebê com muito desleixo. Até um guarda chamou a minha atenção! Tive que parar e mostrar que aquilo não era um bebê de verdade.

Alguns se encantam, outros se assustam com meus bebês reborn - em português, ''renascidos''. É assim que se chamam os bonecos feitos pra parecer de verdade.

Como comecei

Fiquei grávida aos 18 anos e, quando estava prestes a trabalhar, engravidei de novo. Aos 24 anos, eu não tinha condições de pagar creche para os meus dois filhos. Então, pesquisei coisas pra fazer em casa, produtos de beleza, sabonetes artesanais, imãs... Mas eu não tenho dom pra vender e acabei desistindo. Até que um dia ouvi falar dos reborn na televisão.

Fiquei curiosa, não sabia do que se tratava direito. Então, fui buscar informações na internet e fiquei boquiaberta com aqueles bebês tão fofos. Eu sequer tive bonecas quando era menina... Pra quem teve uma infância pobre como a minha, aquilo parecia um sonho.

Descobri um curso de reborn, mas o preço estava fora de cogitação pra mim: R$ 500! Meu marido é cobrador de ônibus e eu estava em casa com duas crianças. Já estava desanimando quando comentei sobre o curso com minha madrinha e ela se ofereceu pra me dar de presente!

Rifei meu primeiro bebê reborn

Saí das aulas com meu primeiro reborn nos braços. Mas como eu iria continuar o negócio sem grana? Aí tive a ideia de rifá-lo pelo Orkut. Vendi 100 números a R$ 10 cada. Com o lucro, pude fazer outros dois bebês.

Costumo levar uma semana para deixar um bebê prontinho. A parte mais difícil é pintar a sobrancelha e a boca. Colocar o cabelo, feito de lã de ovelhas inglesas, também é bem trabalhoso. Todo o material é importado.

A cabeça, os bracinhos e as perninhas são feitos de vinil e silicone. Escolho o rostinho num site americano e eles me mandam por correio. Os bebês recebem várias camadas de tinta e vão ao forno depois de cada demão para ficarem com uma textura semelhante à pele. Depois, pinto a boquinha, as bochechas rosadas...

Vendo por, no mínimo, R$ 800

As pessoas que querem um bebê  entram em contato comigo pela minha loja virtual. Aí, eu envio as opções de rostinhos por e-mail e pergunto se a cliente quer com os olhinhos fechados ou abertos, a cor do cabelo, do olho... Todos os detalhes. Eu nunca fiz réplicas de bebês de verdade. Mas tem gente que faz reborn desse tipo.

Gasto entre R$ 400 e R$ 500 em cada bebê e vendo por, no mínimo, R$ 800. Já cobrei R$ 1 200 por um! São mulheres entre 40 e 50 anos que mais me procuram. Essas senhoras sentem um vazio muito grande com a saída dos filhos de casa, e o reborn vem pra ajudar a superar essa fase.

Teve uma mulher que só tinha filhos homens e encomendou uma menina. Ela fez um enxoval completo para a reborn. Acredito mesmo que os bebês podem suprir essa carência. Eles parecem tão reais que é difícil não carregá-los como se fossem de verdade. Vocês ainda vão ouvir falar muito dos meus xodozinhos!

Como surgiram os bebês reborn

A arte reborn surgiu na Inglaterra após a Segunda Guerra Mundial, quando as mães reformavam bonecas antigas pra devolver a alegria às filhas delas.