A volta – Conto Amor e Sexo

No dia em que dá à luz Bento, Nina perde o marido, Jonas, num acidente

No dia em que dá à luz, Nina perde o marido num acidente
Foto: Thinkstock

 

“É um meninão!”, disse o médico, assim que tirou o bebê de dentro de mim. Apesar de cansada, estava muito feliz. Enquanto isso, Jonas sorria e chorava diante do nosso primeiro filho.

Após dez anos de casamento, finalmente chegou nosso herdeiro. Decidimos ter filho mais tarde para aproveitar ao máximo a vida a dois. Além disso, meu marido estava terminando a faculdade de direito e precisava de tempo para estudar.

O chorinho do bebê foi o hino que celebrou nosso amor. Dizem que a felicidade é algo impossível. Porém, no meu caso, ela era plena: um bebê, um marido maravilhoso e um futuro pela frente com minha família. O que mais poderia querer?

Meses antes do parto, viajamos para Foz do Iguaçu. No quarto do hotel, após uma tarde de amor, decidimos o nome do nenê: Bento, por ser uma bênção em nossas vidas. “Vou amá-lo tanto quanto amo você”, sussurrou meu gato em meu ouvido.

Como dizem dos bebês, meu filho tinha, sim, carinha de joelho – mas era um joelhinho lindo! E cabeludo como o pai.

Ainda zonza pelo parto, segurei-o em meus braços e beijei sua cabeça. Jonas fez o mesmo. Era como se, agora, os três fossem um único ser. “Amo vocês demais!”, ele disse. Entre lágrimas, repeti a frase e o beijei.

Assim que recolheram o bebê para o berçário, meu marido pegou sua mala. “Vou dar um pulo até o escritório e volto à noite. Descanse, amor”, falou, emocionado. Dei-lhe um beijo e o vi sair. E caí num sono profundo.

Quando despertei, já havia anoitecido. Chamei a enfermeira e ela me confirmou: passava das 8 da noite. “Meu marido voltou?”, perguntei, tentando me recuperar de tantos remédios. Ela fez sinal negativo. “Bom, deve ter passado na casa dos amigos para dar as boas-novas!”, comentei.

Nossos parentes não puderam vir ao hospital. Minha mãe, viúva, estava em Minas Gerais tratando-se de uma doença. Meus sogros moram nos Estados Unidos com uma irmã do Jonas e não vieram. Ou seja, naquele momento, éramos só nós três: eu e meus dois amores.

Uma hora depois, uma moça apreensiva entrou no quarto. “Meu nome é Renata, sou assistente social da maternidade. Esta é Lara, psicóloga que trabalha no hospital”, falou. Não entendi nada. Então, se aproximaram da cama. “Nina, recebemos um telefonema. É sobre seu marido… ele acabou de morrer num acidente de carro!”.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s