Pessoas solteiras podem ser tão felizes quanto casais, afirma estudo

Não, você definitivamente não precisa ter alguém para ser plenamente feliz.

Há quem acredite que pessoas solteiras podem ser menos felizes e saudáveis, se comparadas a pessoas comprometidas. Para colocar o assunto em debate, um novo estudo desenvolvido pela Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, sugere que a vida de solteiro pode, sim, afetar o bem estar das pessoas. Segundo os dados, de maneira geral, ter um parceiro/parceira não resolve todos os seus problemas – mas também não é a causa extrema deles.

A partir de dois estudos, os pesquisadores analisaram de que forma a durabilidade dos relacionamentos é capaz de afetar o nível de bem estar das pessoas. 

Para a primeira pesquisa, foram selecionadas 187 pessoas, com idades entre 19 e 54 anos. Cada uma delas, então, contou o quanto estava envolvida em um relacionamento e o quão sério ele era. Depois, contaram o que mais os motivava: evitar experiências negativas em relacionamentos conflituosos ou ter uma visão otimista sobre a vida. Por fim, os participantes classificaram as frases “Estou satisfeito com a minha vida” e “No geral, minha vida é próxima do ideal”, em uma escala de 1 a 7, por 10 dias.

No segundo estudo, os pesquisadores usaram dados coletados pela New Zealand Attitudes and Values Study durante dois anos consecutivos, o que deu uma amostra de 4,024 pessoas de 18 a 94 anos de idade. Assim, foi possível verificar quantos eram solteiros, estavam namorando, morando juntos ou casados – além de cruzar com as informações relacionadas ao bem estar, levantadas pela primeira etapa. Aqui, o nível de satisfação foi medido com respostas sobre como se sentiam em relação ao padrão de vida, saúde, segurança futura e relacionamentos pessoais.

Como resultado, foi descoberto que certos tipos de pessoas são tão felizes solteiras quanto algumas que estão em um relacionamento sério. De acordo com os responsáveis pelo estudo, isso poderia explicar o porquê de que, para os solteiros, estar só significa ser “livre da potencial vulnerabilidade de experimentar relacionamentos conflituosos e dolorosos”. No entanto, parte do grupo analisado ainda mostrou um ganho extra de felicidade quando encontrava um parceiro.

De maneira geral, o estudo propõe que o caminho para a felicidade não é único. Da mesma forma que relações íntimas além do romance podem ser prazerosas – incluindo com os amigos e a família, por exemplo -, estar com alguém pode trazer sentimentos únicos ao casal. E isso, sim, depende do estilo de vida de cada um.