Saiba como resgatar seu prazer

A dificuldade de sentir orgasmo é mais comum do que se imagina. A boa notícia é que dá, sim, para recuperar essa deliciosa sensação

Reconquiste o prazer com seu companheiro!
Foto: Getty Images

A cada 100 mulheres, 30 não têm orgasmo. “Cerca de 80% das disfunções sexuais têm fundo emocional”, diz a psicóloga e terapeuta sexual Imaculada Marino Gonçalves. Aí entram também os tabus impostos pela cultura e pela religião. São barreiras que impedem a mulher de se estimular e, assim, conhecer o próprio corpo. Mas, munidas de mais informação, é possível recuperar o prazer. E, hoje, existe até atendimento médico gratuito em hospitais públicos para isso. O tratamento inclui exames clínicos e terapia sexual.

“O prazer no sexo é tão importante que serve como medidor da Organização Mundial da Saúde para determinar a qualidade de vida dos cidadãos”, diz a ginecologista e terapeuta sexual, Glene Rodrigues. Siga as lições das especialistas e seja feliz na cama. Reconquiste o prazer com seu companheiro! “Com orientação adequada, o sucesso varia de 70% a 100%”, avisa a ginecologista Glene. Isso quer dizer que as mulheres que buscam ajuda médica voltam a ter orgasmo ou, no mínimo, chegam muito perto dele!

Conheça seu corpo!

A estimulação no clitóris é a grande fonte para a mulher alcançar o orgasmo (prazer máximo). Por isso, conhecer o próprio corpo é fundamental. “A masturbação é recomendada como um exercício”, diz a médica Glena. “Pode ser com os dedos, aproximando o chuveirinho ou até com estimuladores mecânicos vendidos em sex shops.”

3 tipos de falta de orgasmo

Anorgasmia primária: quando a mulher nunca teve orgasmo, nem se estimulando sozinha.

Anorgasmia secundária: ela costumava ter orgasmo, mas parou de sentir por causa de um trauma, uma cirurgia, efeito de medicamento etc.

Anorgasmia situacional: a mulher só consegue ter orgasmo de vez em quando, dependendo de algumas situações específicas, como estar em um determinado ambiente, com alguém em especial etc.

As apostas das sex shops

Surge uma nova geração de estimuladores de clitóris. “Além de mais discretos, eles ficaram mais delicados e mais eficientes, com melhor encaixe”, afirma Paula Aguiar, presidente da Abeme – Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico.

Ela explica que o mercado investe cada vez mais em produtos discretos, para que as mulheres (as grandes consumidoras de sex shops), também possam levá-los na relação a dois, sem assustar os homens. “As vendas crescem justamente nesse nicho”, revela Paula.