Sou 15 cm maior que ele

Enfrentamos piadinhas e críticas, mas estamos juntos há mais de quatro anos

O importante é que ele é o meu 
amor e somos muito felizes juntos
Foto: Arquivo pessoal

Eu estava em casa quando ouvi minha mãe gritar: “Andréia, tem um menininho querendo falar com você no portão!”. Estranhei, mas fui atender. Ao vê-lo, respondi: “É o meu namorado novo, mãe!”. Ela, então, teve a mesma reação que todos têm quando nos veem juntos: riu. Tenho 1,70 me, naquela época, pesava 120 kg. Isso, por si só, já chamaria a atenção. Mas o pior é que meu namorado, o Attilio, tem só 1,55 m de altura.

Todos estranham
Por conta disso, já passamos por vários embaraços. Uma vez, a gente estava na balada e ele encostou na parede, parado na minha frente. Ao beijá-lo, uma pessoa me puxou. Quando virei, dei de cara com um rapaz: “Vou te roubar um beijo, gata”. Ele não tinha percebido que o Attilio estava ali. Nem preciso dizer que tive de segurar os ânimos do meu namorado, né? E as piadinhas não param por aí. Acontecem em qualquer hora ou lugar. Outro dia, eu estava sentada no banco do passageiro enquanto ele dirigia. Então, passaram uns meninos que fingiram não ver o Attilio. Eles gritaram pra mim: “Nossa, moça, seu carro anda sozinho?”. Meu namorado ficou tão nervoso… Queria bater neles.

Juntos e felizes
Nosso namoro começou por conta de uma armação de amigas em comum. Quando nos conhecemos, não nos interessamos um pelo outro por motivos óbvios, né? Não combinava… No entanto, resolveram nos juntar. Disseram pra mim que ele estava afim, e fizeram o mesmo com ele: “Olha, Attilio, a Andréia gosta de você”. Aí, pronto! Nessa fantasia, um acabou se interessando pelo outro. 

Um belo dia, descobrimos a farsa. Mas já era tarde: estávamos apaixonados. Ainda assim, como as piadinhas dos amigos não davam trégua, foi difícil pra ele me assumir. “Você vai ficar com essa gorda?”, diziam alguns. Outros pegavam ainda mais pesado: “Olha o seu tamanho, Attilio! Ela vai te esmagar!”. Ele chegou ao cúmulo de ficar comigo apenas no final das baladas, acredita? Assim, poderia dar várias desculpas para os colegas: que estava bêbado, que não tinha nada melhor pra fazer… Até que um dia dei um xeque-mate: “Se quiser continuar, vai ter que me namorar! Não sou menina de fim de festa, não!”. Isso já faz quatro anos e oito meses… 

Emagreci e virei um mulherão
Há cerca de um ano, emagreci 50 kg. No entanto, ainda sou grandona. Mas não importa, porque sou louca por ele! Agora, se você pensa que evito usar salto pra diminuir a diferença, se enganou. Não saio sem! Ele não gosta. Até me deu uma rasteirinha de aniversário. Mas eu só a uso em casa. Hoje, todos já se acostumaram. A família ainda diz que eu bato nele e tal. Mas é só brincadeira. O importante é que ele é o meu amor e que somos muito felizes juntos. 

“Foi difícil”

Attilio Diogo de Mendonça, 25 anos, o namorado da Andréia
“Com a convivência, peguei confiança e me apaixonei. E hoje as coisas mudaram para melhor. Nem percebo mais a diferença. Quando ela usa salto, ainda me sinto meio incomodado, mas entendo. Se ela gosta, tenho que relevar, né?”