Surpreenda o seu parceiro: explore o corpo dele do jeito que ele mais gosta

Selecionamos algumas ideias para você surpreendê-lo gastando pouco - ou muito - tempo. Tem sugestão para 10, 20 minutos ou a noite toda

Aprenda a explorar o corpo do seu companheiro e apimente o seu relacionamento
Foto: Getty Images

 

Quantos minutos você tem: 10, 20 ou a noite inteira? Seja qual for o tempo, dá para apimentar o relacionamento aprendendo a explorar o corpo do seu companheiro do jeito que ele mais gosta. A experiência é o máximo para ele e para você também. “Para descobrir o que excita o seu homem, pois cada pessoa é diferente, comece lembrando comentários que ele faz sobre as próprias preferências”, observa  a pscicóloga Carolina Fernandes.

 

Ela orienta: “Na dúvida, pergunte, sugira, jogue verdinho para colher maduro. E só depois brinque de deixá-lo nu“. Para ajudar você a se inspirar, selecionamos alguns depoimentos de experiência muitíssimo bem-sucedida de homens que foram surpreendidos pelas companheiras. Olha só quanta ideia boa para testar no tempo – pouco ou muito – que você tiver.

Se você só tem 10 minutos

 

“Fiquei deitado na cama, nu, e ela avisou: ‘Dez minutos’. Daí passou a me tocar com a língua e os lábios em cada centímetro da pele. Se eu me movesse ou a tocasse, a contagem recomeçava… Foi uma tortura deliciosa!”
Felipe, 38, bancário

 

“Ela me convenceu a me deixar amarrar numa cadeira e depois foi tirando minha roupa e falando em voz alta, como se me apresentasse para uma plateia: ‘Vejam essas coxas… Olhem esse peito gostoso… ’ Depois, sempre ‘me exibindo’, começou a roçar o corpo no meu. Tive de suplicar para que minha mulher me soltasse, mas tenho certeza de que ela não se arrependeu!”
Walter, 42, profissional de vendas

“Saí do banho e ia me arrumar para o trabalho quando minha mulher teve uma atitude bem sacaninha… Ela me empurrou de bruços na cama e começou a passar óleo nas minhas costas, sem deixar que eu me virasse. Reclamei que estava atrasado, mas ela usava o corpo todo para me massagear e disse: ‘Vai ser rápido’. Simplesmente não resisti!”
Rodrigo Luís, 37, cinegrafista

Se você tem 20 minutos:

 

“Estávamos curtindo um banho elquando a começou a me provocar. Coberta de espuma, rebolava e se esfregava em mim, frente e costas. Depois, ajoelhou-se no box e disse que ia cuidar do ‘menino’. Aí, ficou lavando e esfregando e mexendo… Transamos debaixo do chuveiro!”
Roberto, 37, jornalista

“Em viagem de 20 dias a Minas, pegamos 19 de chuva. Decidimos curtir como possível: com expedições molhadas e sexo. Ao sair para um banho de cachoeira, a chuva nos prendeu no carro. Minha mulher começou a me beijar e já foi tirando a sunga e fazendo aquele sexo oral. Se eu a tocava, ela parava. Quando a chuva cedeu, mergulhamos no rio e ela me deu aquele trato. Até me envolver com as pernas e se encaixar tão gostoso que achei que não aguentaria nem a primeira estocada. Inesquecível.”
Alan, 27, personal trainer

“Moramos no primeiro andar de um prédio e eu conversava com um amigo pela janela. Estava de jeans, sem camisa, e de repente senti que desabotoavam minha calça. ‘Continue conversando normalmente’, disse minha mulher, enquanto tirava meu jeans e depois a cueca. Senti aquela língua macia percorrer minhas coxas enquanto as mãos dela exploravam meu membro. Foi terrivelmente difícil seguir o assunto com meu amigo… e enlouquecedoramente excitante!”
Rica, 29, músico

Se você tem a noite toda:

“Depois do jantar, minha mulher colocou um CD sensual e de repente me mostrou um lenço de seda preta. Sorrindo, mandou que eu ficasse quietinho e me vendou. Minutos depois, ouvi o som de saltos e ela começou a tirar minha roupa bem devagar, no ritmo da música, esfregando o corpo no meu e sussurrando coisas que não posso repetir aqui. Quando fiquei nu, ela brincou com meu corpo até me deixar maluco e então retirou a venda – vestia apenas uma cinta-liga, salto alto e um corpete que deixava os seios expostos… Que noite!”
Raul, 34, consultor

“Minha mulher começou a puxar assunto sobre coisas que cada um gosta e não gosta entre quatro paredes. Conversa vai, conversa vem, ela surgiu com uma lingerie vermelha de renda, tirou minha roupa fazendo shhhh! e disse: ‘Esta noite você vai mandar em mim’. Como eu já sabia do que ela gostava e vice-versa, me realizei como macho mandão! Uau!”
Dimas, 33, biólogo

“Quando cheguei em casa ela estava vestida de médica: avental branco curto, salto, cabelo preso em coque e até um estetoscópio meu no pescoço! Me tratou como se eu fosse um paciente, mandando que eu tirasse a roupa toda para que pudesse me examinar. Apalpou cada parte do meu corpo, fez diagnósticos, não saiu do personagem nem por um segundo. Transamos como dois estranhos: a médica e seu paciente. Foi demais!”
Alberto, 33, médico