Samara Same superou o bullying e as inseguranças e foi coroada Miss Supranational

A beleza está muitas vezes diretamente ligada com a auto-estima feminina. No entanto, muitas vezes por não se enquadrar em determinados padrões, as mulheres sofrem bullying, sendo desmerecidas, o que resulta em frustração e diversos problemas que vão muito além de uma superficialidade.

Natural do Rio Grande do Norte, Samara Same foi uma dessas mulheres que durante a infância e a adolescência teve de conviver com o bullying e com palavras de negatividade que constantemente diziam que ela nao ia conseguir alcançar seus objetivos na vida: “tenho uma família maravilhosa que sempre me deu apoio e suporte, mas fora de casa sofri muito bullying. Minha infância foi repleta de momentos difíceis, porém eu carregava comigo um sonho gigante, me tornar médica e ser uma mulher independente para ajudar a minha família. Eu ouvi de muitas pessoas que meu sonho era grande demais e que por ser mulher eu não ia conseguir”, revela.

Samara conta também que procurava sempre exemplos positivos, reais ou de ficção, para levantar a auto-estima e seguir em frente: “Quando criança fui fã de princesas, amava como elas se vestiam, a elegância nos vestidos, as coroas em brilhantes, a história triste com final feliz. Mas eu realmente as heroínas como a Mulher Maravilha e a Xena, aquelas pareciam mais comigo e com a minha personalidade. Elas lutavam como garotas, cheia de garra, não tinham uma vida fácil e eram mulheres bem fortes. Me espelhava nelas para seguir em frente contra o preconceito, o bullying e as dificuldades da vida no interior do Rio Grande do Norte”.

A Descoberta

No entanto, Samara viu sua vida começar a mudar em 2012, quando foi descoberta por um olheiro que considerou o seu perfil ideal para o mundo da moda: “Em 2012 fui vista por um olheiro e ele me convidou a participar do meu primeiro desfile. Nunca havia passado na minha cabeça ser modelo, pois eu tinha a auto-estima muito baixa já que havia sofrido bullying muitos anos por ser considerada magra demais. De qualquer forma aceitei, porque eu precisava do dinheiro para ajudar a minha mãe.”

No entanto a primeira experiência de Samara no mundo fashion não foi perfeita: “Eu estava tão nervosa que não consegui comer absolutamente nada o dia inteiro, e como já era de se esperar, desmaiei na frente de todos. Lembro como se fosse ontem de um amigo que em tom de brincadeira disse que a primeira vez que ele foi diva também passou mal. Isto me fez rir e logo melhorei, porém a dúvida e incerteza vieram na minha mente, será que eu devo parar? Acho que não nasci para isso, não sou boa o suficiente.”.

Concursos de Miss

A partir de 2017, a modelo começou a enveredar pelo fascinante mundo dos concursos de beleza: “Em 2017 tentei concorrer a miss pela capital do RN, não entrei para as 10 finalistas, parecia que não era pra ser. Em 2018 mudei para Brasília com o apoio de uma querida amiga, Bianca, e toda a sua família. Naquele ano eu fui coroada miss Noroeste e fiquei em quarto lugar no miss Distrito Federal. Eu nunca imaginei que chegaria tão longe, pois aquela foi a fase mais difícil da minha vida e eu até pensei em desistir do concurso”.

Volta por cima

Hoje , Samara Same é a atual Miss Supranational São Paulo capital e vai representar a maior cidade da América Latina no concurso miss Brasil Supranational que acontecerá em Abril desse ano: “Atualmente moro em São Paulo, trabalho como modelo e tenho planos de continuar investindo nisso e até mesmo em televisão, pois sempre fui fascinada por esse mundo”.